Representações ideológicas no Twitter sobre a profissão-perigo professor

uma análise sob a perspectiva da ACD

Autores

  • Silvia Adelia Henrique Guimarães UERJ
  • Marcela da Silva Amaral UERJ
  • Carla Cristina de Souza UERJ

DOI:

https://doi.org/10.14393/DL9-v5n1a2011-13

Palavras-chave:

Twitter, Análise Crítica do Discurso, Representações ideológicas.

Resumo

Objetivamos, neste trabalho, analisar alguns discursos sobre o professor no Twitter, perguntando, especificamente, como esta profissão é representada pelo prisma das situações práticas não idealizadas. A partir de uma notícia difundida na mídia sobre a agressão a uma professora em Porto Alegre, selecionamos noventa e um tweets para a investigação, buscando apoio teórico na Análise Crítica do Discurso (FAIRCLOUGH, 2003). Nesta microanálise, concentramo-nos no significado representacional, que corresponde aos modos de interação entre discurso e prática social (VAN LEEUWEN, 1997; THOMPSON, 2009). Os resultados gerais sugerem a) uma naturalização e reprodução do discurso do professor como refém dos valores ideológicos que circulam na sociedade; b) a ênfase dada ao aluno-agressor, que apesar de bastante criticado, parece receber autorização para suas ações. Desvelam uma cristalização da violência contra o professor, visto que a indignação implicada nos comentários não se seguiu de sugestões para mudanças, nem práticas, nem discursivas, contra este tipo de violência. Por fomentar reflexões sobre as representações ideológicas socialmente difundidas sobre a profissão professor, esta pesquisa pode revelar-se um apoio significativo para pesquisas em Linguística Aplicada, e também para outras áreas das Ciências Sociais, gerando avanço e sistematização dos achados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

05.07.2011

Como Citar

GUIMARÃES, S. A. H.; AMARAL, M. da S.; SOUZA, C. C. de. Representações ideológicas no Twitter sobre a profissão-perigo professor: uma análise sob a perspectiva da ACD. Domínios de Lingu@gem, Uberlândia, v. 5, n. 1, p. 174–190, 2011. DOI: 10.14393/DL9-v5n1a2011-13. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/dominiosdelinguagem/article/view/12512. Acesso em: 3 dez. 2022.