Inclusão escolar em revista (2001 a 2011): as (re)formulações discursivas do periódico Nova Escola

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/REVEDFIL.v36n77a2022-62888

Palavras-chave:

Imprensa pedagógica, Escola inclusiva, Neoliberalismo

Resumo

Resumo: Este artigo discute as repercussões da inclusão escolar de pessoas com deficiência no impresso periódico pedagógico Nova Escola, hegemônico entre os periódicos do gênero. Tomou-se como recorte temporal o período delimitado entre 2001-2011, por evidenciar as manifestações e efeitos desse fenômeno nas páginas do periódico durante o período de configuração da proposta brasileira de Educação Especial na perspectiva inclusiva. Foram compiladas as reportagens sobre o assunto publicadas por Nova Escola nesse período, problematizadas pela análise temática do conteúdo, à luz de proposições teóricas marxistas. Os resultados indicaram duas tendências nas tematizações de Nova Escola sobre inclusão escolar de estudantes com deficiência, sendo a primeira delas (2001-2006)  pautada no lema do aprender a viver juntos, reforçando o caráter de interatividade “acolhedora” e “privilegiada” da suposta inclusão, com a predominância do estabelecimento de vínculos interpessoais na escola. A segunda (2007-2011) enfatizou a necessidade de uma “inclusão que ensinasse” os conteúdos escolares aos alunos com deficiência, sintetizada no slogan do aprender de verdade. Ambas as tendências, porém, estiveram alinhadas com a ideologia neoliberal e ao senso comum pedagógico, sendo necessário perspectivar outras possibilidades.

Palavras-chave: Imprensa pedagógica; Escola inclusiva; Neoliberalismo.

School inclusion in review (2001 to 2011): the discursive (re)formulations of the Nova Escola periodical

Abstract: This article discusses the repercussions of school inclusion of people with disabilities in the educational periodical Nova Escola, which is hegemonic among journals of its kind. The period delimited between 2001-2011 was taken as a time frame, as it highlights the manifestations and effects of this phenomenon on the pages of the journal during the period of configuration of the Brazilian proposal for Special Education in an inclusive perspective. Reports on the subject published by Nova Escola during this period were compiled, discussed by thematic content analysis, in the light of Marxist theoretical propositions. The results indicated two trends in Nova Escola thematizations about school inclusion of students with disabilities, the first of which (2001-2006) based on the motto of learning to live together, reinforcing the character of “welcoming” and “privileged” interactivity of the supposed inclusion , with the predominance of the establishment of interpersonal bonds at school. The second (2007-2011) emphasized the need for an “inclusion that would teach” school content to students with disabilities, summarized in the slogan of real learning. Both trends, however, were aligned with neoliberal ideology and pedagogical common sense, making it necessary to look at other possibilities.

Key-words: Pedagogical press; Inclusive school; Neoliberalism.

Inclusión escolar en revisión (2001 a 2011): las (re)formulaciones discursivas de la revista Nova Escola 

Resumen: Este artículo analiza las repercusiones de la inclusión escolar de las personas con discapacidad en la revista educativa Nova Escola, hegemónica entre las revistas de este tipo. Se tomó como marco temporal el período delimitado entre 2001-2011, ya que destaca las manifestaciones y efectos de este fenómeno en las páginas de la revista durante el período de configuración de la propuesta brasileña de Educación Especial en perspectiva inclusiva. Se recopilaron informes sobre el tema publicados por Nova Escola durante este período, discutidos mediante análisis de contenido temático, a la luz de propuestas teóricas marxistas. Los resultados indicaron dos tendencias en las temáticas de Nova Escola sobre inclusión escolar de estudiantes con discapacidad, la primera de las cuales (2001-2006) se basó en el lema de aprender a vivir juntos, reforzando el carácter supuestamente “acogedor” y “privilegiado” de interactividad, inclusión, con predominio del establecimiento de vínculos interpersonales en la escuela. El segundo (2007-2011) enfatizó la necesidad de una “inclusión que enseñe” contenidos escolares a estudiantes con discapacidad, resumida en el lema de aprendizaje real. Sin embargo, ambas tendencias estaban alineadas con la ideología neoliberal y el sentido común pedagógico, por lo que era necesario buscar otras posibilidades.

Palabras clave: Prensa pedagógica ; Escuela inclusiva ; Neoliberalismo.

Data de registro: 20/08/2021

Data de aceite: 19/01/2022

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Giovani Ferreira Bezerra, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), campus de NaviraíUniversidade Federal da Grande Dourados (UFGD)

Doutor em Educação pela Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD). Professor Adjunto na Faculdade de Educação (FAED) da UFGD. E-mail: giovanibezerra@ufgd.edu.br. Orcid: https://orcid.org/0000-0002-4710-3897. Lattes: http://lattes.cnpq.br/6763847248521843.

Referências

ALMEIDA, M. H. de; GATTI, M. A. Inclusão à moda brasileira: considerações sobre o termo “inclusão” e suas variantes no discurso da Revista Nova Escola. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 20, n. e020034, p. 1-18, 2020. DOI: https://doi.org/10.20396/rho.v20i0.8657628.

BAPTISTA, Í. C. Q.; ABREU, K. C. K. A História das revistas no Brasil: um olhar sobre o segmentado mercado editorial. Biblioteca On-Line de Ciências da Comunicação. 2010. Disponível em: http://www.bocc.ubi.pt/pag/baptista-iria-abreu-karen-a-historia-das-revistas-no-brasil.pdf. Acesso em: 9 nov. 2011.

BATISTA, C. A. M.; MANTOAN, M. T. E. Educação inclusiva: atendimento educacional especializado para a deficiência mental. 2. ed. Brasília: MEC/SEESP, 2006.

BEYER, H. O. Inclusão e avaliação na escola: de alunos com necessidades educacionais especiais. 3. ed. Porto Alegre: Mediação, 2010.

BEZERRA, G. F. Enquanto não brotam as flores vivas: crítica à pedagogia da inclusão. 2012. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul, Unidade Universitária de Paranaíba, 2012.

BEZERRA, G. F. Política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva: por uma (auto)crítica propositiva. Roteiro, Joaçaba, v., v. 46, n. e24342, 2021. Disponível em: https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/roteiro/article/view/24342/16047. Acesso em: 28 jul. 2021 https://doi.org/10.18593/r.v46i.24342

BEZERRA, G. F.; ARAUJO, D. A. de C. De volta à teoria da curvatura da vara: a deficiência intelectual na escola inclusiva. Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 27, n. 02, p. 277-302, ago. 2011. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-46982011000200013.

BEZERRA, G. F.; ARAUJO, D. A. de C. Filosofia e Educação Inclusiva: reflexões críticas para a formação docente. Revista Inter Ação, Goiânia, v. 37, n. 2, p. 267–286, jul. - dez. 2012b. DOI: https://doi.org/10.5216/ia.v37i2.17095.

BEZERRA, G. F.; ARAUJO, D. A. de C. Revista Nova Escola: o discurso pedagógico em pauta. Educação: teoria e prática, Rio Claro, v. 22, n. 41, p. 166-184, set. - dez. 2012a. Disponível em: https://www.periodicos.rc.biblioteca.unesp.br/index.php/educacao/article/view/5081/4841. Acesso em: 28 jul. 2021.

BICCAS, M. de S. O impresso como estratégia de formação: Revista do Ensino de Minas Gerais (1925-1940). Belo Horizonte: Argvmentvm, 2008.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Básica. Resolução n. 2, de 11 de setembro de 2001. Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica. Brasília, DF: CNE, 2001. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CEB0201.pdf. Acesso em: 24 fev. 2010.

BRASIL. Decreto n°. 7.611, de 17 de novembro de 2011. Dispõe sobre a educação especial, o atendimento educacional especializado e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato20112014/2011/Decreto/D7611.htm#art8. Acesso em 24 dez. 2011.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília, DF: MEC, jan. 2008. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/politicaeducespecial.pdf. Acesso em: 6 out. 2019.

CASTRO, C. A.; BORGES, A. L. D.; CASTELLANIOS, S. L. V. A imprensa maranhense de educação e ensino: os discursos sobre o livro e a leitura (1902-1932). Revista Educação em Questão, Natal, v. 58, n. 56, p. 1-26, e-19830, abr./jun. 2020. DOI: https://doi.org/10.21680/1981-1802.2020v58n56ID19830.

CATANI, B. D. A imprensa periódica educacional: as revistas de ensino e o campo educacional. Educação e Filosofia, Uberlândia, v. 10, n. 20, p. 115-130, jul./dez. 1996. Disponível em: http://www.seer.ufu.br/index.php/EducacaoFilosofia/article/viewFile/928/842. Acesso em: 11 fev. 2015.

CATANI, B. D. Educadores à meia-luz: um estudo sobre a Revista de Ensino da Associação Beneficente do Professorado Público de São Paulo (1902-1918). Bragança Paulista: EDUSF, 2003.

CATANI, D. B.; BASTOS, M. H. C. (Orgs.). Educação em Revista: a Imprensa Pedagógica e a História da Educação. 1. reimpr. São Paulo: Escrituras, 2002 DOI: https://doi.org/10.21723/riaee.v15i3.12706

DUARTE, N. Conhecimento tácito e conhecimento escolar na formação do professor (por que Donald Schön não entendeu Luria). In: DUARTE, N.; FONTE, S. S. D. Arte, conhecimento e paixão na formação humana: sete ensaios de pedagogia histórico-crítica. Campinas: Autores Associados, 2010. p. 07-37.

DUARTE, N. Vigotski e o “aprender a aprender”: crítica às apropriações neoliberais e pós-modernas da teoria vigotskiana. 2. ed. rev. e ampl. Campinas: Autores Associados, 2001.

FRADE, I. C. A. da S. A edição de revistas pedagógicas: alguns elementos para a compreensão do impresso e da imprensa pedagógica In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, 22., 1999, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: UGF, 1999. Disponível em: http://www.intercom.org.br/papers/nacionais/1999/pdf2/GT04/04f05.PDF. Acesso em: 08 out. 2011.

FRANCESCHINI, B. A construção discursiva dos ethé de credibilidade na revista Nova Escola. Movendo Ideias, Belém, v. 17, n. 2, p. 68-78, jul. - dez. 2012. Disponível em: http://revistas.unama.br/index.php/Movendo-Ideias/article/view/652/285. Acesso em: 17 jul. 2021.

GARBINI, F. Z. A in/exclusão escolar e o governamento da conduta docente: um estudo a partir da revista Nova Escola. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade de Santa Cruz do Sul, Santa Cruz do Sul , 2012. Disponível em: https://repositorio.unisc.br/jspui/bitstream/11624/408/1/FernandaGarbini.pdf. Acesso em: 17 jul. 2021.

GARBOSSA, M. R. C. A prática discursiva da revista Nova Escola sobre o ANEE. 2014. Dissertação (Mestrado em Linguagem e Sociedade) - Universidade Estadual do Oeste do Parana, Cascavel, 2014. Disponível em: http://tede.unioeste.br/bitstream/tede/2420/1/maria_%20roseli.pdf. Acesso em: 17 jul. 2021.

GENTIL, M. S. Revistas da área da educação e professores – interlocuções. 2006. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2006. Disponível em: http://www.bibliotecadigital.unicamp.br/document/?code=vtls000378392&fd=y. Acesso em 9 out. 2011.

GRAMSCI, A. Concepção dialética da história. 10. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1995.

GRAMSCI, A. Os intelectuais e a organização da cultura. 4. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1982.

HENNING, P. C.; LOCKMANN, K. Discursos da inclusão escolar: modos de moralizar, modos de humanizar. Revista Diálogo Educacional, Curitiba, v. 13, n. 39, p. 541-557, maio-ago. 2013. Doi: http://dx.doi.org/10.7213/dialogo.educ.10207.

IANNI, O. O cidadão do mundo. In: LOMBARDI, J. C.; SAVIANI, D.; SANFELICE, J. L. (Orgs.). Capitalismo, trabalho e educação. 3. ed. Campinas: Autores Associados; Histedbr, 2005. p. 27-34.

MANTOAN, M. T. E. Inclusão escolar: o que é? Por quê? Como fazer? 2. ed. São Paulo: Moderna, 2006.

MANTOAN, M. T. E. Educação Inclusiva: orientações pedagógicas. In: FÁVERO, E. A. G.; PANTOJA, L. de M. P.; MANTOAN, M. T. E. Atendimento Educacional Especializado: aspectos legais e orientações pedagógicas. São Paulo: MEC/SEESP, 2007. p. 45-60.

MARX, K. Exposição nas Seções dos Dias 10 e 17 de agosto de 1869 no Conselho Geral da AIT. In: MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. Textos sobre educação e ensino. Campinas: Navegando, 2011. p. 138-140. Disponível em: https://56e818b2-2c0c-44d1-8359-cc162f8a5934.filesusr.com/ugd/35e7c6_0add5986f19846e0ad8ded539e8143f7.pdf. Acesso em: 29 jul. 2021.

MELETTI, S. M. F.; SILVA, M. M. P. O discurso das políticas de educação especial na revista Nova Escola. Revista Linhas. Florianópolis, v. 16, n. 31, p. 144 – 172, maio/ago. 2015. DOI: http://dx.doi.org/10.5965/1984723816312015144

NOVA ESCOLA sai do impresso e relança marca no digital. Meio & Mensagem. 2019. Disponível em: https://www.meioemensagem.com.br/home/midia/2019/10/14/nova-escola-sai-do-impresso-e-relanca-marca-no-digital.html. Acesso em: 27 jul. 20201.

OGNIER, P. L'idéologie des fondateurs et des administrateurs de l'école républicaine à travers la "Revue Pédagogique" de 1878 à 1900. Revue Française de Pedagogie, [S.l.],vol. 66, n. 66, p. 7-14, janv.- fév.-mars 1984. Disponível em: http://www.persee.fr/web/revues/home/prescript/article/rfp_0556-7807_1984_num_66_1_1577 Acesso em: 4 jan. 2012. https://doi.org/10.3406/rfp.1984.1577

PAPIRUS Editora na Revista Nova Escola. In: D&D Comunicação. Campinas, 15 ago. 2011. Disponível em: http://dedcom.blogspot.com/2011/08/papirus-editora-na-revista-nova-escola.html. Acesso em: 24 jan. 2022.

PEREIRA, J. N. Nova Escola e padrão BNCC de docência: a formação do professor gerenciado. Dissertação (Mestrado) - Curso de Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2019.

PINTO, A. A. Nas páginas da imprensa: a instrução/educação nos jornais em Mato Grosso (1880-1910). 2013. 349 f. Tese (Doutorado em Educação Escolar) - Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências e Letras, Araraquara, 2013. Disponível em: <http://base.repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/101505/pinto_aa_dr_arafcl.pdf?sequence=1&isAllowed=y>. Acesso em: 07 ago. 2015.

PINTO, S. G.; BRANDÃO, C. da F.; MARTINS, C. M. de C. Avaliando a temática inclusão no contexto da revista nova escola: corpo, produção de conhecimento e imaginário social em discussão. Com a Palavra, o Professor, Vitória da Conquista, v. 4, n. 10, p. 35-52, set.- dez. 2019. DOI: https://doi.org/10.23864/cpp.v4i10.354

RIPA, R. Nova Escola – “A revista de quem educa”: a fabricação de modelos ideais do ser professor. 2010. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2010. Disponível em: https://repositorio.ufscar.br/bitstream/handle/ufscar/2237/2903.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 27 jul. 2021.

RODRIGUES, E.; BICCAS, M. de S. Imprensa pedagógica e o fazer historiográfico: o caso da Revista do Ensino (1929 – 1930). Acta Scientiarum: Education, Maringá, v. 37, n. 2, p. 151-163, apr.-june 2015. Disponível em: http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/ActaSciEduc/article/view/22666/pdf_38 . Acesso em: 11 ago. 2015. https://doi.org/10.4025/actascieduc.v37i2.22666

ROPOLI, E. A. et al. A educação especial na perspectiva da inclusão escolar: a escola comum inclusiva. Brasília: MEC/SEESP; Fortaleza: Universidade Federal do Ceará, 2010.

SADER, E. Prefácio. In: MÉSZÁROS, I. A educação para além do capital. 2. ed. São Paulo: Boitempo, 2008. p. 15-18.

SANFELICE, J. L. Escola pública e gratuita para todos: inclusive para os “deficientes mentais”. Cadernos CEDES, Campinas, n. 23, p. 29-37, 1989.

SAVIANI, D. Escola e Democracia. 41. ed. rev. Campinas: Autores Associados, 2009.

SAVIANI, D. Pedagogia Histórico-Crítica: primeiras aproximações. 8. ed. rev. e ampl. Campinas: Autores Associados, 2003.

SAVIANI, D. Prefácio à 7ª edição. Campinas, 2000. In: SAVIANI, D. Pedagogia Histórico-Crítica: primeiras aproximações. 8. ed. rev. e ampl. Campinas: Autores Associados, 2003. p. xi-xiii.

SILVA, D. A. B. M. da. A mídia a serviço da educação: a revista Nova Escola. 2009. Dissertação (Mestrado em Comunicação), Faculdade de Comunicação e Educação, Universidade de Marília, Marília, 2009. Disponível em: http://www.unimar.br/pos/trabalhos/arquivos/06B91DBAB57EB983A36331A142E67B98.pdf . Acesso em: 10 out. 2011.

SILVA, G. R. Inclusão escolar e neoliberalismo: marcas contemporâneas na formação docente. 2013. Dissertação de Mestrado (Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências: Química da Vida e Saúde) – Instituto de Educação, Universidade Federal do Rio Grande, Rio Grande, 2013.

SILVA, M.; FEITOSA, L. dos S. Revista Nova Escola: legitimação de políticas educacionais e representação docente. Revista HISTEDBR on-line. Campinas, n.31. p. 183-198, set. 2008. Disponível em: https://fe-old.fe.unicamp.br/pf-fe/publicacao/5081/art14_31.pdf . Acesso em: 28 jul. 2021.

SMOLKA, A. L. B.; GENTIL, M. S. Duas revistas, três artigos, múltiplas vozes: um estudo sobre modos de dizer e posições sociais em textos para professores. Cadernos Cedes, Campinas, vol. 24, n. 63, p. 193-213, maio/ago. 2004. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ccedes/v24n63/22594.pdf . Acesso em: 9 out. 2011. https://doi.org/10.1590/S0101-32622004000200005

SOBRE O PRÊMIO. In: FUNDAÇÃO Victor Civita. Prêmio Educador Nota 10, 2021. Disponível em: https://premioeducadornota10.org/premiacao/ . Acesso em: 28 jul. 2021.

VIGOTSKI, L. S. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. 7. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

ZANLORENZI, C. M. P. História da Educação, fontes e a imprensa. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, v. 10, n.40, p. 60-71, dez.2010. Disponível em: http://www.fe.unicamp.br/revistas/ged/histedbr/article/view/3370/2993 . Acesso em: 11 fev. 2015. https://doi.org/10.20396/rho.v10i40.8639806

ZANLORENZI, C. M. P.; Nascimento, M. I. M. Análise da imprensa como fonte de pesquisa para a história da educação. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 15, n. 3, p. 1181-1192, jul./set. 2020. https://doi.org/10.21723/riaee.v15i3.12706

Textos de Nova Escola

A NOVA ESCOLA. In: ASSOCIAÇÃO NOVA ESCOLA. Quem somos. 2021. Disponível em: https://novaescola.org.br/quem-somos. Acesso em: 27 jul. 20201. Acesso em: 27 jul. 20201.

BEGUOCI, L. Esta é uma edição histórica (em dois sentidos). Nova Escola, n. 293, jun.-jul. 2016 (revista digital). Disponível em: https://novaescola.org.br/conteudo/8627/esta-e-uma-edicao-historica-em-dois-sentidos. Acesso em: 27 jul. 2021.

BENCINI, R. Pessoas Especiais. Nova Escola: a revista do professor, São Paulo, ano xvi, n. 139, p. 36-39, jan.-fev. 2001.

BIBIANO, B. É possível resolver. Nova Escola: a revista de quem educa, São Paulo, ano xxvi, n. 244, p. 48-55, ago. 2011.

CAVALCANTE, M. A escola que é de todas as crianças. Nova Escola: a revista do professor. São Paulo, ano xx, n. 182, p. 40-45, maio 2005.

CAVALCANTE, M. A sociedade em busca de mais tolerância. Nova Escola: a revista de quem educa, São Paulo, ano xxi, n. 196, p. 34-36, out. 2006b.

CAVALCANTE, M. Cada um aprende de um jeito. Nova Escola: a revista de quem educa, São Paulo, ano xxi, n. 192, maio 2006a.

FUNDAÇÃO Victor Civita: o Brasil que pensa a educação. Nova Escola: a revista de quem educa, São Paulo, ano xxi, n. 191, p. 14, abr. 2006.

GROSSI, G. P. 1 milhão de exemplares. Nova Escola: a revista de quem educa, São Paulo, ano xxiii, n. 218, p. 10-11, dez. 2008.

GROSSI, G. P. Acelera, Nova Escola! Nova Escola: a revista do professor, São Paulo, ano xv, n. 132, p. 4, maio 2000.

GROSSI, G. P. Muitos (e bons) motivos para comemoração. Nova Escola: a revista do professor, São Paulo, ano XVI, n. 139, p. 4-5, jan.-fev. 2001a.

GROSSI, G. P. NOVA ESCOLA em todas as escolas públicas. Todas. Nova Escola: a revista do professor, São Paulo, ano xvi, n. 146, p. 4-5, out. 2001b.

GROSSI, G. P. Obrigado, professor. Nova Escola: a revista de quem educa, São Paulo, ano XXVI, n. 239, p. 10-11, jan.-fev. 2011.

GROSSI, G. P. Sempre com você. Nova Escola: a revista de quem educa, São Paulo, n. 24, p. 6, jul. 2009.

GUIMARÃES, A. A inclusão que funciona. Nova Escola: a revista do professor. São Paulo, ano xviii, n. 165, p. 42-47, set. 2003.

GURGEL, T. Inclusão, só com aprendizagem. Nova Escola: a revista de quem educa. São Paulo, ano xxii, n. 206, p. 38-45, out. 2007.

KRAUSE, M. A revista do professor está em transformação. Nova Escola, n. 326, out. 2019 (revista digital). Disponível em: https://novaescola.org.br/conteudo/18425/a-revista-do-professor-esta-em-transformacao . Acesso em: 27 jul. 2021.

MANTOAN, M. T. E. “Inclusão é o privilégio de conviver com as diferenças”. Nova Escola: a revista do professor. São Paulo, ano xx, n. 182, p. 24-26, maio 2005. Entrevista concedida a Meire Cavalcante.

MELLO, G. N. de; FIORE, E. de. Um compromisso com a qualidade. Nova Escola: a revista do ensino fundamental. São Paulo, ano xiv, n. 119, p. 3, fev. 1999.

MOÇO, A. Apresentação: agora, a qualidade. Nova Escola: a revista de quem educa. São Paulo, ano xxvi, n. 239, p. 106-111, jan.-fev. 2011.

MONROE, C. Apoio para aprender. Nova Escola: a revista de quem educa, São Paulo, ano xxv, n. 231, p. 76-79, abr. 2010.

NOVA ESCOLA. Há 25 anos, a revista de quem educa. Nova Escola: a revista de quem educa. São Paulo, ano XXVI, n. 239, jan.-fev. 2011.

O QUE VOCÊ precisa saber sobre a revista Nova Escola e a Fundação Victor Civita. Nova Escola: a revista de quem educa. São Paulo, ano XXVI, n. 245, p. 16, set. 2011.

POR QUE NOVA ESCOLA existe? In: ASSOCIAÇÃO NOVA ESCOLA. 2017. Disponível em: https://novaescola.org.br/conteudo/4944/por-que-nova-escola-existe .

RODRIGUES, C. Mente Estimulada. Nova Escola: a revista de quem educa. São Paulo, ano xxiv, n. 223, p. 92-94, jun./jul. 2009.

TODOS pela inclusão. Nova Escola: a revista de quem educa. São Paulo, ano XXI, n. 196, p. 6, out. 2006.

Downloads

Publicado

2022-06-15

Como Citar

BEZERRA, G. F. Inclusão escolar em revista (2001 a 2011): as (re)formulações discursivas do periódico Nova Escola. Educação e Filosofia, Uberlândia, v. 36, n. 77, p. 757–806, 2022. DOI: 10.14393/REVEDFIL.v36n77a2022-62888. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/EducacaoFilosofia/article/view/62888. Acesso em: 14 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos