PERSPECTIVA EPISTEMOLÓGICA DA REALIDADE: 'INDEPENDÊNCIA - COEXISTÊNCIA' NAS FORMAS DE CONHECIMENTO

Autores

  • Ernesto Candeias Martins Instituto Politécnico de Castelo Branco

DOI:

https://doi.org/10.14393/REVEDFIL.issn.0102-6801.v26n51a2012-p263a288

Palavras-chave:

epistemologia educativa, paradigmas científicos, conhecimento quotidiano, conhecimento científico e escolar, conhecimento multidisciplinar.

Resumo

A discussão epistemológica que atravessa o campo de educação em relação ao conhecimento quotidiano, científico e escolar merece ser retomada na actualidade. O autor analisa a relação da 'continuidade - descontinuidade' dos conhecimentos quotidiano e científico, sendo o conhecimento escolar o resultado da transposição didáctica do conhecimento científico em contexto de aprendizagem em sala de aula. Num primeiro ponto aborda-se as opções epistemológicas do conhecimento quotidiano e científico em três perspectivas diferentes. O segundo ponto parte da diversidade das formas de conhecimento, insistindo na (des) construção do conhecimento escolar, orientada à integração didáctica das várias formas de conhecer. A visão do mundo, desde dos seus paradigmas científicos, actua como marco referencial da conceptualização escolar e da evolução do conhecimento. Pretende-se clarificar o estado da arte da epistemologia das formas de conhecimento.

Referências

BACHELARD, G. La formation à une psychanalyse de la connaissance objective. Paris: VRIN, 1938.

______. Filosofia do Novo Espírito Científico - A filosofia do 'Não'. Lisboa: Biblioteca das Ciências Humanas; Editorial Presença, 1972.

BALLESTER, L.; COLOM, A. J. El concepto de explicación en las ciências sociales. Papers. Revista de Sociologia, Barcelona, n. 77, p. 181- 204, Mayo/Ago. 2005.

BOAVIDA, J. Filosofia - do Ser e do Ensinar. Coimbra: Instituto Nacional de Investigação Científica, 1991.

BOCHENSKY, I. M. La Philosophie Contemporaine en Europe. Paris: Petite Bibliothèque Payot, 1962.

BUNGE, M. A world of systems. Dordrecht: Reidel, 1979.

______. Epistemología. Barcelona: Ariel, 1980.

CARR, W. For Education. Towards Critical Educational Inquiry. Buckingham: Open University Press, 1998.

CASTORINA, J. A. Problemas epistemológicos de las teorías del aprendizaje en su transferencia a la educación. Perfiles Educativos, México, v. 65, n. 3, p. 3-16, Jul./Sept., 1994.

CLAXTON, G. Live and Learn. Na Introduction to the Psychology of Growth ad Change in Everyday Life. London: Harper & Row, 1984.

______. Educating the inquiring mind: The challenge for school science. London: Harvester, 1991.

COLE, M. Comments on everyday science. British Journal of Development Psychology, Londres, v. 8, n. 3, p. 289-294, Sept. 1990.

CUBERO, R. Concepciones alternatives, reconceptos, errors conceptuales, distinta terminologia y un mismo significado? Investigación en la Escuela, Sevilla, v. 23, n. 2, p. 33-42, Mayo-Jun.-Jul.-Ago. 1994.

DELATTRE, P. Teoria dos Sistemas e Epistemologia. Lisboa: Regra do Jogo, 1981.

DELVAL, J. Los contenidos escolares cantidad o calidad?. Cuadernos de Pedagogía, Barcelona, v. 225, n. 6, p. 15-18, Jun. 1994.

DRIVER, R.; ASOKO, H.; LEACH, J.; MORTIMER, E.; SCOTT, P. Constructing Scientific Knowledge in the Classroom. Educational Researcher, Washington, v. 23, n. 7, p. 5-12, Oct. 1994.

EYLON, B.; LINN, M. C. Learning and instruction an examination of four research perspectives in science education. Review of Educational Research, Washington, v.58, n. 3, p. 251-301, Jul./Sept. 1988.

FINKIELKRAUT, A. La derrota del pensamiento. Madrid: Anagrama, 1990.

GALLISTEL, C. R.; GELMAN, R. Preverbal and verbal counting and computation. Cognition, Califórnia, v. 44, n. 2, p. 43-74, Apr./Jul. 1992.

HABERMAS, J. Teoria de la acción comunicativa. Madrid: Taurus, 1992.

GARCÃA, J. E. El conocimiento escolar como un proceso evolutivo: aplicación al conocimiento de nociones ecológicas. Investigación en la Escuela, Sevilla, v. 23, n. 2, p. 65-76, Mayo/Ago. 1994.

______; GARCÃA, F. F. Investigando nuestro mundo. Cuadernos de Pedagogia, Barcelona, v.209, n.11, p. 10-13, Dic. 1992.

LONERGAN, Bernard. Insignht: A Study of Human Understanding. New York: Philosophie Library, 1970.

KANT, E. Réflexions sur education. Paris: Librarie Philosophique J. Vrin, 1996.

KÃœHN, T. S. La Struture des révolutions scientifques. Paris: Flammarion, 1972.

______. A função do dogma na investigação científica. Lisboa: Regra do Jogo, 1979.

MARTINS, E. C. O Olhar da Educação nos contextos da complexidade. In: ______. (Coord.). (R)evolução das Ideias e Teorias Pedagógicas. Coimbra: Alma Azul, 2006. p. 307-330.

______. (Des) Construção epistemológica: o conhecimento quotidiano, científico e escolar. In: PAIXÃO, F.; JORGE, F. R. (Coord.). Educação e Formação: Ciência, Cultura e Cidadania - Actas do ENEC. Castelo Branco: IPCB/ESECB, 2009. p. 504-514.

MEDEIROS, E. A filosofia como centro do currículo na educação ao longo da vida. Lisboa: Instituto Piaget, 2005.

MORIN, E. Introducción al pensamiento complejo. Barcelona: Gedisa, 1995.

PERNER, J. Comprender la mente representacional. Barcelona: Paidós, 1994.

PIAGET, J. Epistémologie des sciences de l' homme. Paris: Gallimard, 1994.

POPPER, K. A Vida é aprendizagem. Epistemologia evolutiva e Sociedade Aberta. Lisboa: Edições 70, 2001.

RODRIGO, M. J.; ARNAU, J. (Comp. ). La construcción del conocimiento escolar. Barcelona: Paidós, 1997.

VATTIMO, G. (Comp. ). En torno a la posmodernidad. Barcelona: Anthropos, 1994.

Data de registro: 18/03/2010

Data de aceite: 24/11/2010

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ernesto Candeias Martins, Instituto Politécnico de Castelo Branco

partamento de Ciências Sociais e da Educação -

Downloads

Publicado

2012-07-18

Como Citar

Martins, E. C. (2012). PERSPECTIVA EPISTEMOLÓGICA DA REALIDADE: ’INDEPENDÊNCIA - COEXISTÊNCIA’ NAS FORMAS DE CONHECIMENTO. EDUCAÇÃO E FILOSOFIA, 26(51), 263–288. https://doi.org/10.14393/REVEDFIL.issn.0102-6801.v26n51a2012-p263a288