Zaratustra e o Fracasso Pedagógico

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/REVEDFIL.v34n70a2020-52447

Palavras-chave:

Zaratustra, Formação, Fracasso pedagógico

Resumo

Zaratustra e o fracasso pedagógico 

Resumo: O presente texto toma o Prólogo da obra Assim Falou Zaratustra, precisamente, aquilo que se pode chamar de fracasso pedagógico. O argumento é que Zaratustra não fracassa ao dialogar com o povo na praça do mercado, mas faz desse encontro o seu primeiro ato fundamental de formação e aprendizado.

Palavras-chave: Zaratustra; Formação; Fracasso Pedagógico.

Zaratustra y el fracaso pegagogico

Resumen: El presente texto toma el prólogo de la obra Así habló Zaratustra, precisamente, lo que podría llamarse el fracaso pedagogico. El argumento es que Zaratustra no fracasa deja de diálogo con las personas en la plaza del mercado, pero este encuentro su primer acto fundamental de la formación y el aprendizaje.

Palabras clave: Zaratustra; Formación; El fracaso pedagógico.

Zarathustra and the pedagogical failure 

 Abstract: The following text takes the prologue of Thus Spoke Zarathustra, precisely, that which may be called a pedagogical failure. The argument herein is that Zarathustra does not fail when he dialogues with people in the market square; instead he turns this encounter into his first fundamental act of formation and learning.

Keywords : Zarathustra; Formation; Pedagogical Failure.

Data de registro: 30/01/2020

Data de aceite: 27/05/2020

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria dos Remédios de Brito, Universidade Federal do Pará (UFPA)

* Doutora em Educação pela Universidade Metodista de Piracicaba (UNIMEP). Professora na Universidade Federal do Pará (UFPA). E-mail: mrb@ufpa.br  ORCID: https://orcid.org/0000-0002-0478-5285

Referências

ARALDI, C. L.. Niilismo, criação, aniquilamento: Nietzsche e a filosofia dos extremos. São Paulo: Discurso editorial; Ijuí, RS: Editora UNIJUÍ, 2004.

DICIONÁRIO: Hauaiss da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001. https://doi.org/10.5628/rpcd.01.03.03

GIACOIA JUNIOR, O. Nietzsche. São Paulo: Publifolha, 2000.

______. Labirintos da alma: Nietzsche e auto-supressão da moral. Campinas/ SP: Editora da UNICAMP, 1997.

JANZ, C, P.. Friedrick Nietzsche; infância y juventude. Tradução. Jacob Muños. Madrid: Alianza Editorial, 1994.

______. Friedrick Nietzsche; los diez años de Basiléia. 1869/1879. Tradução. Jacob Muños. Madrid: Alianza editorial, 1987.

______. Friedrick Nietzsche; los diez años como filósofo errante 1879/1888. Tradução. Jacob Muños. Madrid: Alianza editorial, 1994.

LAÜTER-MÜLLER. W. Décadence artística enquanto décadence fisiológica: A propósito da crítica tardia de Friefdrich Nietzsche a Richard Wagner. Tradução: Scarlett Marton. Cadernos Nietzsche. n. 6, 1999.

______. The Way To the Overman. In: Nietzsche his philosophy of contradictions and the contradictions of his philosophy. Translated from the Germasn by David J. Parent. University of Illinois Press. Urbana and Chicago, 1999.

MACHADO, R. Zaratustra: tragédia nietzscheana. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed, 1997.

MARTON, S. Em busca do discípulo tão amado: Uma análise conceitual do prólogo de Assim Falou Zaratustra. In: Revista Impulso. vol. 12, n. 28. Piracicaba: Editora UNIMEP, 2001.

NIETZSCHE, F. Así habló Zaratustra: Un libro para todos y para nadie. Introducción, traducción y notas de Andrés Sánchez Pascual. Madrid: Alianza Editorial, 2002.

______. Assim Falou Zaratustra: um livro para todos e para ninguém. Tradução, notas e posfácio: Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

______. O caso Wagner: Um problema para músicos. Tradução, notas e posfácio de Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das letras, 1999.

SILVA, A. B. S. da. O saber do Declínio: A filosofia de Nietzsche à luz de Zaratustra. Departamento de Filosofia da PUC/Rio de Janeiro: 1996. (tese de doutorado).

SUFFRIN-HÈBER, P. O Zaratustra de Nietzsche. Tradução. Lucy Magalhães. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed, 1994.

TÜRCKE. C.. O louco: Nietzsche e a mania da razão. São Paulo: Vozes, 1993. https://doi.org/10.1021/jo00069a026

YAFAR, A. R. O ateísmo como vontade de ocaso. Cadernos Nietzsche. São Paulo: n. 11, 2001.

Downloads

Publicado

2021-02-22

Como Citar

de Brito, M. dos R. (2021). Zaratustra e o Fracasso Pedagógico. EDUCAÇÃO E FILOSOFIA, 34(70), 403–423. https://doi.org/10.14393/REVEDFIL.v34n70a2020-52447