Ações afirmativas no Ensino Superior: o caso do Programa de Pós-graduação em Ensino, da Universidade Federal Fluminense

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/REPOD-v11n1a2022-64905

Palavras-chave:

Ensino, Mestrado, Políticas Afirmativas, Pós-Graduação

Resumo

Em face à baixa representatividade de determinados grupos sociais nos cursos de pós-graduação no Brasil, este artigo – inscrito com base na pesquisa qualitativa de abordagem descritiva – explora a implementação de ações afirmativas a partir da experiência da “Comissão para inserção de cotas no edital de seleção” do Programa de Pós-graduação em Ensino, da Universidade Federal Fluminense (UFF). Reforça, portanto, os debates sobre a importância dos programas de pós-graduação materializando critérios para o acesso e permanência de representantes de grupos sociais, tradicionalmente excluídos do sistema educacional brasileiro. Ademais, o artigo apresenta um conjunto de recomendações que podem ajudar no amadurecimento dessa discussão no próprio programa e para além dele.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Francisca Marli Rodrigues de Andrade, Universidade Federal Fluminense - Brasil

Doutora em Educação, Cultura da Sustentabilidade e Desenvolvimento pela Universidade de Santiago de Compostela (USC) – Espanha. Professora Adjunta vinculada ao Departamento de Ciências Humanas (PCH) e ao Programa de Pós-Graduação em Ensino da Universidade Federal Fluminense (UFF).

Jacqueline de Souza Gomes, Universidade Federal Fluminense - Brasil

Doutora em Filosofia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), com pesquisa de pós-doutorado concluída pelo PPGBIOS. Professora Adjunta vinculada ao Departamento de Ciências Humanas (PCH) e ao Programa de Pós-Graduação em Ensino da Universidade Federal Fluminense (UFF).

Marcelo Nocelle de Almeida, Universidade Federal Fluminense - Brasil

Doutor em Ciências pelo Programa de Pós-Graduação em Biotecnologia Vegetal da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Professor Adjunto vinculado ao Departamento de Ciências Exatas, Biológicas e da Terra (PEB) e ao Programa de Pós-Graduação em Ensino da Universidade Federal Fluminense (UFF).

Yuri Marx Silva Milagres, Universidade Federal Fluminense - Brasil

Mestrando em Ensino pela Universidade Federal Fluminense (UFF).

Referências

ANDRADE, F.M.R.; Nogueira, L.P.M. Povos Indígenas e desafios atuais: percepções decoloniais na formação de educadores do campo. Interfaces da Educação, v. 12, n. 34, p. 408–437, 2021.

ARTES, A. Dimensionando as desigualdades por sexo e cor/raça na pós-graduação brasileira. Educação em Revista, v. 34, p. 23, 2018.

BANIWA, G. Educação escolar indígena no século XXI: encantos e desencantos. Rio de Janeiro: Mórula, Laced, 2019.

BEZERRA, T.O.C.; Gurgel, C. A política pública de cotas em universidades, desempenho acadêmico e inclusão social. Sustainable Business International Journal, v. 9, p. 1-22, 2011.

BRASIL. Lei n. 12.711, de 29 de agosto de 2012. Diário Oficial da União, Seção 1, 30/8/2012, p. 1.

BRASIL. Portaria Normativa MEC n. 13, de 11 de maio de 2016. Diário Oficial da União, Seção 1, 12/05/2016, p. 47.

BRASIL. Lei n. 13.409, de 28 de dezembro de 2016. Diário Oficial da União, Seção 1, 29/12/2016, p. 3.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. – 4. ed. – Brasília, DF: Senado Federal, Coordenação de Edições Técnicas, 2020. 59 p.

Davis, A. Mulheres, raça e classe. Trad. Heci Regina Candiani. São Paulo: Boitempo, 2016.

FACCHINI, R. Sopa de letrinhas? movimento homossexual e produção de identidades coletivas nos anos 1990. Rio de Janeiro: Guaramond, 2005.

FAUSTINO, R.C.; Novak, M.S.J.; Rodrigues, I.C. O acesso de mulheres indígenas à universidade: trajetórias de lutas, estudos e conquistas. Tempo e Argumento, v. 12, n. 29, p. 1-30, 2020.

FERREIRA, N.T. Como o acesso à educação desmonta o mito da democracia racial. Ensaio: aval. pol. públ. Educ., v. 27, n. 104, p. 476-498, 2019.

FREITAS, D.A.; Caballero, A.D.; Marques, A.S.; Hernández, C.I.V.; Antunes, S.L.N.O. Saúde e comunidades quilombolas: uma revisão da literatura. Rev. CEFAC, v. 13, n. 5, p 937-943, 2011.

GONZALEZ, L. Por um feminismo afro-latino-americano: ensaios, intervenções e diálogos. Rio de Janeiro: Zahar, 2020.

HOOKS, B. O feminismo é para todo mundo: políticas arrebatadoras. Trad. Bhuvi Libanio. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 2020.

LOCATELLI, C. A pós-graduação para os professores da educação básica: um estudo a partir dos planos estaduais de educação. Educar em Revista, v. 37, p. 1-21, 2021.

MAHER, T.M. Formação de professores indígenas: uma discussão introdutória. In: Grupioni, L.D.B. (Org.). Formação de professores indígenas: repensando trajetórias. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, 2006, p. 11- 37.

MARACCI, M.T. Povos Indígenas. In: Caldart, R.S. et al. (Org.). Dicionário da Educação do Campo. Rio de Janeiro, São Paulo: Escola politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, Expressão Popular, 2012, p. 600-612.

MARQUES, E.P.S. O acesso à educação superior e o fortalecimento da identidade negra. Revista Brasileira de Educação, v. 23, p. 1-23, 2018.

MATIJASCIC, M. Texto para discussão/Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Brasília/Rio de Janeiro: Ipea. 2017. Disponível em: http://repositorio.ipea.gov.br/bitstream/11058/7929/1/td_2304.pdf. Acesso em: 27 nov. 2021.

PATEMAN. C. O Contrato Sexual. Trad. Marta Avancini. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1993.

RAWLS, J. Uma Teoria da Justiça. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

RIO DE JANEIRO. Lei estadual n. 6.914, de 06 de novembro de 2014. Diário Oficial do Estado do Rio de Janeiro (DOERJ), Parte I (Poder Executivo), 07/11/2014, p. 1.

RIO DE JANEIRO. Lei estadual n. 6.959, de 14 de janeiro de 2015. Diário Oficial do Estado do Rio de Janeiro (DOERJ), Parte I (Poder Executivo), 15/01/2015, p. 1.

SANTOS, T.C. Universidade, Território e Emancipação: quilombolas estudantes no ensino superior. Dissertação de Mestrado – ao Programa de Pós-graduação Estudos Interdisciplinares sobre a Universidade, Universidade Federal da Bahia (UFBA), 2017. p.198.

STEINEM, G. e outras. Vamos falar a verdade sobre o feminismo? Revista Estudos Feministas, v. 2, n. 3, p. 162-177, 1994. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/16295. Acesso em: 27 nov. 2021.

TRIVIÑOS, A.N.S. Três enfoques na pesquisa em ciências sociais: o positivismo, a fenomenologia e o marxismo. In: ______. Introdução à pesquisa em ciências sociais. São Paulo: Atlas, 1987. p. 31-79.

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Programa de Pós-Graduação em educação. Disponível em: http://www.proped.pro.br/arquivos/editais/Edital_01_2021.pdf. Acesso em: 27 nov. 2021.

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE. Regimento Interno do Programa de Pós-graduação Stricto Sensu em Ensino – PPGEn. Disponível em: http://infes.uff.br/mestrado-em-ensino-documentos/. Acesso em: 27 nov. 2021.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. Programas de pós-graduação da UFPR divulgam resultados de suas primeiras seleções com cotas para minorias. Disponível em: https://www.ufpr.br/portalufpr/noticias/programas-de-pos-graduacao-da-ufpr-divulgam-resultados-de-suas-primeiras-selecoes-com-cotas-para-minorias/. Acesso em 27 nov. 2021.

VENTURINI, A.C.; Feres Júnior, J. Políticas de ação afirmativa na Pós-graduação: o caso das universidades públicas. Cadernos de Pesquisa, v. 50, n. 177, p. 882-909, 2020.

Publicado

2022-03-01

Como Citar

Andrade, F. M. R. de ., Gomes, J. de S. ., Almeida, M. N. de ., & Milagres, Y. M. S. . (2022). Ações afirmativas no Ensino Superior: o caso do Programa de Pós-graduação em Ensino, da Universidade Federal Fluminense. Revista Educação E Políticas Em Debate, 11(1), 122–141. https://doi.org/10.14393/REPOD-v11n1a2022-64905

Edição

Seção

DOSSIÊ - POLÍTICA DE AÇÕES AFIRMATIVAS EM INSTITUIÇÕES DO ENSINO SUPERIOR (IES): EM DEBATE O ACESSO E A EQUIDADE