Estratégias pedagógicas para estudantes com altas habilidades/superdotação: opinião de educadores

Autores

  • Verônica Limas dos Reis Universidade Estadual Paulista (Unesp-Araraquara)
  • Taís Crema Remoli Universidade Estadual Paulista (Unesp-Bauru)
  • Vera Lucia Messias Fialho Capellini Universidade Estadual Paulista (Unesp-Bauru)

DOI:

https://doi.org/10.14393/REPOD-v5n2a2016-45387

Palavras-chave:

Altas Habilidades, Superdotação, Estratégias pedagógicas

Resumo

A legislação brasileira prevê o aprofundamento e o enriquecimento de aspectos curriculares para alunos com Altas Habilidades/Superdotação (AH/SD) por meio de desafios suplementares nas classes comuns, em sala de recursos ou em outros espaços definidos pelos sistemas de ensino. Por este motivo, o objetivo deste estudo foi verificar o conhecimento de educadores, participantes de um curso lato sensu denominado "Especialização em Educação Especial na área de Altas Habilidades/ Superdotação" na modalidade semipresencial, sobre estratégias pedagógicas para estudantes com AH/SD. A coleta de dados ocorreu em três turmas e, para tanto, os participantes assistiram a duas animações que apresentavam situações no ambiente escolar e deveriam escolher uma delas para discutir quais mudanças poderiam ocorrer na animação, amparados legalmente pelas políticas nacional e estadual. Para compor a amostra, foi estabelecido como critério de inclusão somente os relatos que se reportaram à área do curso (AH/SD). Os dados foram analisados conforme Análise de Conteúdo de Bardin, com relatos quantificados e distribuídos entre categorias não mutuamente exclusivas. Os resultados mostraram que dos 33 participantes que compuseram a amostra, 21 (63,64%) se reportaram às estratégias pedagógicas conforme solicitava a comanda da atividade. Os relatos também discorreram sobre outras temáticas, como: legislação (13); características do estudante com AH/SD (9); necessidades do professor (9); e indicação do estudante à Sala de Recursos, ou para avaliação para ratificar o diagnóstico de AH/SD ou ainda para a equipe gestora providenciar um trabalho conjunto (8). Considera-se que estratégias pedagógicas diversificadas, motivadoras, criativas, desafiadoras e instigantes são exigências mínimas para estudantes com AH/SD; porém, cabe ao(s) professor(es) avaliar e planejar atividades condizentes com as habilidades de cada aluno.

 

 

 

 

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Verônica Limas dos Reis, Universidade Estadual Paulista (Unesp-Araraquara)

Doutoranda em Educação Escolar, Pós-Graduação em Educação Escolar na Universidade Estadual Paulista (Unesp-Araraquara).

 

Taís Crema Remoli, Universidade Estadual Paulista (Unesp-Bauru)

Mestranda em Psicologia do Ensino e Aprendizagem, Faculdade de Ciências na Universidade Estadual Paulista (Unesp-Bauru).

Vera Lucia Messias Fialho Capellini, Universidade Estadual Paulista (Unesp-Bauru)

Professora Adjunta do Departamento de Educação do programa de pós-graduação em Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem e do Programa de Docência para Educação Básica da Faculdade de Ciências na Universidade Estadual Paulista (Unesp-Bauru).

Referências

ANTIPOFF, C. A; CAMPOS, R. H. F. Superdotação e seus mitos. Revista Semestral da Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional, São Paulo, v. 14, n. 2, p. 301-309, jul./dez. 2010.

BRASIL. Lei Federal n. 12.796, de 4 de abril de 2013. Altera a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para dispor sobre a formação dos profissionais da educação e dar outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2013/lei/l12796.htm>. Acesso em: 2 mar. 2015.

_____. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Documento elaborado pelo Grupo de Trabalho nomeado pela Portaria nº 555/2007, prorrogada pela Portaria nº 948/2007, entregue ao Ministro da Educação em 07 de janeiro de 2008. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/politicaeducespecial.pdf>. Acesso em: 5 mar. 2015.

_____. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro 1996. Diário Oficial da União, Brasília, DF, dez. 1996. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/cci-vil_03/leis/l9394.htm>. Acesso em: 1 mar. 2015.

_____. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: adaptações curriculares. Estratégias para a educação de alunos com necessidades educacionais especiais. Brasília: MEC/SEF/SEESP, 1998. Disponível em: <http://www.conteudoescola.com.br/pcn-esp.pdf>. Acesso em: 18 abr. 2015.

_____. Conselho Nacional de Educação. Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica. Parecer normativo n. 17, de 03 de julho de 2001. Relatores: Kuno Paulo Rhoden e Sylvia Figueiredo Gouvêa. Diário Oficial da União, Brasília, DF, ago. 2001(a). Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CEB017_2001.pdf>. Acesso em: 1 mar. 2015.

_____. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CEB n. 2, de 11 de setembro de 2001(b). Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CEB0201.pdf>. Acesso em: 4 mar. 2015.

BRASIL/MEC/SEESP. Saberes e Práticas da Inclusão: desenvolvendo competências para o atendimento às necessidades educacionais especiais de alunos com altas habilidades/superdotação. Coordenação Geral SEESP/MEC. Brasília: MEC, Secretaria de Educação Especial, 2006. (Série: Saberes e Práticas da Inclusão).

DELOU, C. M. C. Educação do Aluno com Altas Habilidades/Superdotação: Legislação e Políticas Educacionais para a Inclusão. In: FLEITH, D. S. (Org.). A Construção de Práticas Educacionais para Alunos com Altas Habilidades/Superdotação. v. 1. Brasília: Ministério da Educação, Secreta-ria de Educação Especial, 2007.

FREITAS, S. N.; PÉREZ, S. G. P. B. Altas Habilidades/Superdotação: atendimento especializado. 2. ed. Marília: ABPEE, 2012.

GAMA, M. C. S. S. Educação de Superdotados: teoria e prática. São Paulo: EPU, 2006.

GUENTHER, Z. C. Caminhos para desenvolver potencial e talento. Lavras: Ed. UFLA, 2011.

_____. Aceleração, ritmo de produção e trajetória escolar: desenvolvendo o talento acadêmico. Revista Educação Especial, 22(35), Santa Maria, p. 281-298, set./dez. 2009.

GUENTHER, Z. C.; RONDINI, C. A. Capacidade, dotação, talento, habilidades: uma sondagem da conceituação pelo ideário dos educadores. Educação em Revista, 28(1), Belo Horizonte, p.237-266, 2012. Dispo-nível em: <http://www.scielo.br/pdf/edur/v28n1/a11v28n1.pdf>. Acesso em: 10 jun. 2014.

MARTINS, B. A.; CHACON, M. C. M. Identificação de características de altas habilidades/superdotação apresentadas por alunos matriculados em escolas de ensino regular. In: IX ANPED SUL, Seminário de Pesquisa da Região Sul, 2012.

NAKANO, T. C.; SIQUEIRA, L. G. G. Revisão de publicações periódicas brasileiras sobre superdotação. Revista Educação Especial, 25(43), Santa Maria, p. 249-266, mai./ago. 2012.

PEREIRA, V. L. P. Superdotação e currículo escolar: potenciais superiores e seus desafios da perspectiva da educação inclusiva. In: VIRGOLIM, A. M. R.; KONKIEWITZ, E. C. (Org.). Altas habilidades/superdotação, inteligência e criatividade. Campinas: Papirus, 2014. p. 373-388.

PÉREZ, S. G. P. B.; FREITAS, S. N. A Escolarização do Estudante com Altas Habilidades ou Superdotação. São Paulo: AVA Moodle Unesp [Edutec], 2015. [Trata-se de texto para a disciplina 12 do curso de Especialização em Educação Especial na área das Altas Habilidades/Superdotação do Programa Rede São Paulo de Formação Docente].

RANGNI, R. A.; COSTA, M. P. R. Aceleração de educandos com potencial superior: onde estão as barreiras? Revista Educação Pública Cuiabá, 23(54), p. 725-738, set./dez. 2014.

RENZULLI, J. S; REIS, S. M. The Schoolwide Enrichment Model: A Howto guide for educational excellence. Mansfield Center, CT: Creative Learning Press, 1997.

RENZULLI, J. S. A concepção de superdotação no modelo de desenvolvimento para a promoção da produtividade criativa. In: VIRGOLIM, A. M. R.; KONKIEWITZ, E. C. (Org.). Altas habilidades/superdotação, inteligência e criatividade. Campinas: Papirus, 2014. p. 219-264.

_____. Reexamining the Role of Gifted Education and Talent Development for the 21st Century: A Four-Part Theoretical Approach. Gifted Child Quarterly, 56(3), p. 150–159, 2012.

SãO PAULO. Conselho Estadual de Educação. Deliberação CEE n. 68, de 13 de junho de 2007. São Paulo, jun. 2007. Disponível em: <http://www.dersv.com/deliberacao_cee_77_08.htm>. Acesso em: 3 mar. 2015.

_____. Secretaria Estadual da Educação. Indicação CEE nº 12/99, de 15 de dezembro de 1999. Diário Oficial do Estado, São Paulo, SP, dez. 1999. Disponível em: <http://www.crmariocovas.sp.gov.br/pdf/diretrizes_p0924-0931_c.pdf>. Acesso em: 3 mar. 2015.

SÃO PAULO. Secretaria da Educação. Resolução SE-81, de 2012. Dispo-nível em: <http://siau.edunet.sp.gov.br/ItemLise/arquivos/81_11.HTM>. Acesso em: 4 mar. 2015.

VIRGOLIN, A. M. R. Altas Habilidades/Superdotação – encorajando potenciais. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial, 2007.

Downloads

Publicado

2016-12-20

Como Citar

Reis, V. L. dos, Remoli, T. C., & Capellini, V. L. M. F. (2016). Estratégias pedagógicas para estudantes com altas habilidades/superdotação: opinião de educadores. Revista Educação E Políticas Em Debate, 5(2), 184–197. https://doi.org/10.14393/REPOD-v5n2a2016-45387

Edição

Seção

Artigos