Avanços e recuos presentes nas políticas nacionais de alfabetização no Brasil desde o século XX: a escrita como um código ou como um sistema?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/REPOD-v10n2a2021-62452

Palavras-chave:

Alfabetização, Leitura e escrita, Construtivismo, Didática, Formação de professores

Resumo

O presente trabalho acompanha o percurso pelo qual se estabeleceu a discussão acerca dos métodos de ensinar a ler e a escrever, ao longo do século XX. Trata-se de um período marcado por grande interesse em conquistar a melhor maneira de garantir a alfabetização. Verifica, por meio de revisão de literatura e pesquisa documental, como o Brasil passa pela teoria do déficit até chegar ao Construtivismo. O artigo visa também fazer uma breve análise sobre as implicações didáticas do revezamento entre os métodos nas políticas nacionais de alfabetização em diferentes momentos, entre os quais ganham destaque dois exemplos de adesão à teoria construtivista, e as consequências desastrosas das escolhas que envolvem a PNA (Política Nacional de Alfabetização) de 2019.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Marisa Garcia, Faculdade Messiânica - Brasil

Doutora  em  Educação  Pontifícia Universidade Católica de São Paulo; coordenadora e professora  do curso de Pedagogia da Faculdade Messiânica - SP.

Referências

BRASIL. MEC/SEB-Programa de Formação de Professores Alfabetizadores. (PROFA) M1U4T5 (2000).

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais língua portuguesa – 1ª a 4ª série. Brasília: MEC, SEF, 1997.

SÃO PAULO. Decreto n. 51.627, de 1o de março de 2007. Institui o Programa Bolsa Formação Escola Pública e Universidade. São Paulo. Secretaria de Estado da Educação. Projeto Bolsa Escola Pública e Universidade na Alfabetização. Regulamento 2012.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Educação é a Base. Brasília: MEC/CONSED/UNDIME, 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br. Acesso em: 09 abr. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Alfabetização. PNA: Política Nacional de Alfabetização. Secretaria de Alfabetização. Brasília: MEC, SEALF, 2019a. Disponível em: http://alfabetizacao.mec.gov.br. Acesso em: 12 abr. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Alfabetização. Caderno da Política Nacional da Alfabetização. - Brasília: MEC, SEALF, 2019b. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/images/banners/caderno_pna_final.pdf. Acesso em: 11 abr. 2021.

FERREIRO, Emilia; TEBEROSKY, Ana. A psicogênese da língua escrita. Tradução de Diana Myriam Lichtenstein et al. Porto Alegre: Artes Médicas, 1985.

FERREIRO, Emilia. O ingresso na escrita e na cultura do escrito. São Paulo: Cortez, 2013.

MORTATTI, Maria do Rosário Longo. “A Política Nacional de Alfabetização” (Brasil, 2019): uma “guinada” (ideo)metodológica para trás e pela direita. Revista Brasileira de Alfabetização - ABAlf, Belo Horizonte, MG, v. 1, n. 10 (Edição Especial), p. 26-31, jul./dez. 2019.

MORTATTI, Maria do Rosário Longo. Notas sobre a “política nacional de alfabetização”. Revista Olhares, v. 7, n. 3. Disponível em: https://periodicos.unifesp.br/index.php/olhares/article/view/9980. Acesso em: 13 abr.2021. DOI: https://doi.org/10.34024/olhares.2019.v7.9980.

SANTANA, J. S.; LUSTOSA, F. G. A política nacional de alfabetização e a reinstauração da querela dos métodos de ensino: premissas de uma perspectiva de inclusão ou de exclusão escolar? In: CARNEIRO, Éverton Nery; LUSTOSA, Francisca Geny; GONZÁLES, Pedro Francisco. Investigação, Engajamento e Emancipação Humana. Campina Grande: Realize Editora, 2020, p. 51-70. Disponível em: file:///D:/Meus%20Arquivos/Downloads/2020_capliv_jssantana_fglustosa.pdf. Acesso em: 20 abr. 2021.

SANTOS, Nalin Moura.; ZEN, Giovana Cristina. Professoras alfabetizadoras: desafios, experiências e práticas. Fólio. Revista de Letras. Vitória da Conquista, BA, v. 12, n. 2, jul./dez. 2020. Disponível em: https://periodicos2.uesb.br/index.php/folio/article/view/7294. Acesso em 10 abr. 2021. DOI: https://doi.org/10.22481/folio.v12i2.7294.

SOARES, Magda. Alfabetização: a questão de métodos. São Paulo: Editora Contexto, 2018.

WEISZ, Telma. O diálogo entre o ensino e a aprendizagem. São Paulo: Ática, 1999.

ZEN, Giovana. Cristina.; D'ÁVILA, Cristina. As relações entre formação, ensino e aprendizagem no contexto de práticas alfabetizadoras. Laplage em Revista, v. 4, n. especial, p. 122-134, 2018. Disponível em: https://www.laplageemrevista.ufscar.br/index.php/lpg/article/view/590. Acesso em: 14 abr. 2021.

ZEN, G. C.; FARIA, Marcelo Oliveira.; SÁ, Maria. Roseli. Projetos didáticos: uma concepção de formação e apropriação do mundo. Práxis Educacional, Vitória da Conquista, v.15, p.144 –160. 2019. Disponível em: https://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/5672. Acesso em: 15 abr. 2021. DOI: https://doi.org/10.22481/praxisedu.v15i35.5672.

Downloads

Publicado

2021-07-20

Como Citar

Garcia, M. . (2021). Avanços e recuos presentes nas políticas nacionais de alfabetização no Brasil desde o século XX: a escrita como um código ou como um sistema?. Revista Educação E Políticas Em Debate, 10(2), 543–557. https://doi.org/10.14393/REPOD-v10n2a2021-62452

Edição

Seção

Dossiê Diálogos sobre alfabetização: das políticas públicas ao cotidiano escolar