Percepção dos Usuários Quanto à Avaliação Indireta da Qualidade de Conjuntos de Dados Geoespaciais

Conteúdo do artigo principal

Taís Virgínia Gottardo
http://orcid.org/0000-0003-4234-8569
Ivanildo Barbosa
https://orcid.org/0000-0003-4164-0875

Resumo

A crescente disseminação de conjuntos de dados geoespaciais (CDG) por meio de serviços Web viabilizou o acesso a conteúdo cuja existência era, na maioria das vezes, desconhecida ou restrita a profissionais especializados. Com a implementação de serviços de catálogos Web (Catalog Services for Web – CSW), os metadados são preenchidos e disponibilizados de forma estruturada, facilitando a consulta por parte dos usuários aos repositórios de Infraestruturas de Dados Espaciais (IDE) e o acesso aos CDG disponibilizados. Elementos de metadados relacionados à qualidade podem auxiliar os usuários a decidir quanto à adequação do CDG à sua aplicação, seja por meio da avaliação direta dos relatórios de elementos de qualidade ou por meio de avaliação indireta baseada em outros elementos, que depende da experiência do usuário e do domínio de aplicação dos dados. Consequentemente, a avaliação da qualidade deixa de avaliar valores objetivos e definidos para considerar conceitos propensos a algum nível de subjetividade no preenchimento. O objetivo deste trabalho é identificar quais elementos de metadados remetem ao conceito de qualidade de dados geoespaciais, podendo ser usados para subsidiar o processo de avaliação indireta de qualidade. Foram avaliados os elementos Objetivo, Declaração da Linhagem, Etapas de Produção, Insumos e Nome da Organização, empregando o processo analítico hierárquico (AHP) sobre respostas de usuários com diferentes perfis. Resultados preliminares destacam a importância dos elementos de metadados Etapas de Produção, Insumos e Objetivo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Detalhes do artigo

Como Citar
GOTTARDO, T. V.; BARBOSA, I. Percepção dos Usuários Quanto à Avaliação Indireta da Qualidade de Conjuntos de Dados Geoespaciais. Revista Brasileira de Cartografia, [S. l.], v. 73, n. 3, p. 855–869, 2021. DOI: 10.14393/rbcv73n3-57640. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/revistabrasileiracartografia/article/view/57640. Acesso em: 18 maio. 2022.
Seção
Artigos Originais