Bruxas, feiticeiras e os objetos mágicos em A escolhida

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/LL63-v40-2024-04

Palavras-chave:

Mulher, Bruxa, Tecelã, Poderes, Magia

Resumo

Este artigo pensa a atuação das bruxas e das feiticeiras, assim como de seus objetos mágicos, no livro A escolhida (2014), de Lois Lowry. O artigo contempla representações sobre as mulheres bruxas e perseguições sofridas por elas principalmente no período da Idade Média. Ao longo da história, foram acusadas, torturadas e exterminadas, em função da suposta bruxaria praticada por elas e dos seus inúmeros e vastos saberes. A análise do livro conjuga as figuras da feiticeira e da tecelã, entrelaçadas às experiências de sedução e de magia, situando importantes figuras mitológicas femininas no contexto de análise. A protagonista de A escolhida, seguindo a linhagem de suas irmãs ancestrais feiticeiras e tecelãs, abre um novo ciclo cosmogônico e histórico com sua arte mágica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marisa Martins Gama-Khalil, Universidade Federal de Uberlândia

Possui doutorado em Estudos Literários pela UNESP/Araraquara e pós-doutorado pela Universidade de Coimbra. É professora titular aposentada da Universidade Federal de Uberlândia; líder do Grupo de Pesquisas em Espacialidades Artísticas (GPEA); investigadora do Centro de Literatura Portuguesa da Universidade de Coimbra; líder do GT da ANPOLL Vertentes do Insólito Ficcional; pesquisadora Produtividade em pesquisa do CNPq.

Léa Evangelista Persicano, Universidade Federal de Uberlândia

Doutora em Estudos Literários pela Universidade Federal de Uberlândia, integrante do Grupo de Pesquisas em Espacialidades Artísticas (GPEA) e do GT da ANPOLL Vertentes do Insólito Ficcional. Tem mais de vinte anos de experiência como revisora.

Francisco de Assis Ferreira Melo, Universidade Federal de Uberlândia

Doutorando em Estudos Literários pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU), com financiamento da CAPES, e doutorando em Estudos da Linguagem pela Universidade Federal de Catalão (UFCAT). É Mestre em Estudos da Linguagem pela Universidade Federal de Goiás/Regional Catalão e Mestre em Teoria Literária pela UFU. Participa do Grupo de Pesquisas em Espacialidades Artísticas (GPEA), dos Estudos do Gótico e do GT da ANPOLL Vertentes do Insólito Ficcional.

Referências

BRUNEL, P. (org.). Dicionário de mitos literários. Tradução de Carlos Sussekind et al. Rio de Janeiro: José Olympio, 2005.

CHEVALIER, J.; GHEERBRANT, A. Dicionário de símbolos: mitos, sonhos, costumes, gestos, formas, figuras, cores, números. Tradução de Vera da Costa e Silva et al. Rio de Janeiro: José Olympio, 2018.

CLARK, S. Pensando com os demônios: a ideia de bruxaria no princípio da Europa Moderna. Tradução de Celso Mauro Paciornik. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2006.

COLASANTI, M. Mais de 100 histórias maravilhosas. São Paulo: Global, 2015.

CUNNINGHAM, S. Guia essencial da bruxa solitária. Tradução de Cláudio Quintino. São Paulo: Gaia, 2001

DÉTIENNE, M.; VERNANT, J.-P. Métis: As astúcias da inteligência. Tradução de Filomena Hirata. São Paulo: Odysseus Editora, 2008.

FEDERICI, S. Mulheres e caça às bruxas: da Idade Média aos dias atuais. São Paulo: Boitempo, 2019.

GAMA-KHALIL, M. M. J. J. Veiga e seus turbulentos objetos: Espaços de inquietação e de medo. In: GARCÍA, F.; PINTO, M. de O.; MICHELLI, R. (org.). Vertentes do fantástico no Brasil: tendências da ficção e da crítica. Rio de Janeiro: Dialogarts, 2015. p. 171-188.

GAMA-KHALIL, M. M.; MILANEZ, N. Corpo-espaço organização e funcionamento de uma noção discursiva. MOARA – Revista Eletrônica do Programa de Pós-Graduação em Letras, v. 1, n. 57, p. 143-162, dez. 2020. https://doi.org/10.18542/moara.v1i57.9479.

HOMERO. Odisseia. Tradução de Trajano Vieira. São Paulo: Editora 34, 2013.

KOLTUV, B. A tecelã. Tradução de Eliane Fittipaldi Pereira. São Paulo: Cultrix, 1990.

KRAMER, H.; SPRENGER, J. O Martelo das Feiticeiras (Malleus Maleficarum). Tradução de Paulo Fróes. Rio de Janeiro: BestBolso, 2021.

LARREULA, E.; CAPDEVILA, R. As memórias da Bruxa Onilda. São Paulo: Scipione, 1995.

LEVACK, B. P. A caça às bruxas: na Europa no limiar da Idade Moderna. Tradução de Ivo Korytowsk. Rio de Janeiro: Campus, 1988.

LOWRY, L. A escolhida. Tradução de Fabiano Morais. São Paulo: Arqueiro, 2014. (O doador de memórias, v. 2).

MICHELET, J. Sobre as feiticeiras. Tradução de Manuel João Gomes. Lisboa: Afrodite, 1974.

MURPHY-HISCOCK, A. Bruxa natural. Tradução de Stephanie Borges. São Paulo: Darkside, 2021.

PALOU, J. A feitiçaria. Tradução de Maria Julia Goldwasser. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1985.

PEREIRA, K. M. de A. Corpos monstruosos na Inquisição: metáforas das bruxas em Obras do Diabinho da Mão Furada, de Antônio José da Silva. In: GAMA-KHALIL, M. M.; BORGES, L. A.; PIMENTA, T. A. (org.). O corpo em cena. Rio de Janeiro: Dialogarts, 2022. p. 199-215.

PERSICANO, L. E. As espacialidades do viver-morrer no ciclo utópico-distópico da série literária O doador de memórias. 2023. 355 f. Tese (Doutorado em Estudos Literários) – Programa de Pós-Graduação em Estudos Literários, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2023.

QUEIRÓS, B. C. Onde tem bruxa tem fada. São Paulo: Moderna, 2002.

Downloads

Publicado

2024-05-23

Como Citar

MARTINS GAMA-KHALIL, M.; PERSICANO, L. E.; MELO, F. de A. F. Bruxas, feiticeiras e os objetos mágicos em A escolhida. Letras & Letras, Uberlândia, v. 40, n. único, p. e4004 | p. 1–19, 2024. DOI: 10.14393/LL63-v40-2024-04. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/letraseletras/article/view/71348. Acesso em: 18 jul. 2024.