A interseccionalidade

Um estudo sobre a resistência das mulheres negras à opressão de gênero, de raça e de classe

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/LL63-v36n1-2020-14

Palavras-chave:

Resistência, Opressão, Interseccionalidade, Libertação, Feminismo negro

Resumo

O objetivo deste ensaio é destacar, nas bases epistemológicas do pensamento feminista negro, a resistência das mulheres negras às opressões vivenciadas, com base na seguinte problematização: como a formação da consciência crítica de classe, a identidade de gênero e o pertencimento étnico-racial têm constituído a resistência das mulheres negras contra a opressão interseccional de gênero, raça e classe no contexto da luta de classes? A metodologia utilizada foi a revisão bibliográfica. O ensaio apresenta a interseccionalidade, a resistência e a libertação, que compõem o feminismo negro e contribuem para que se compreenda a condição de opressão vivenciada pelas mulheres negras, sua luta contra essa opressão e sua consequente libertação desta. O ensaio contém: introdução; ideias básicas do materialismo histórico-crítico no contexto da resistência à opressão; feminismos, opressões e resistências; interseccionalidade da opressão de gêneros, raças e classe, e considerações finais.

PALAVRAS-CHAVE: Resistência. Opressão. Interseccionalidade. Libertação. Feminismo Negro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eunice Léa Moraes, Universidade Federal do Pará

Mestra da Faculdade de Educação (FAED) do Instituto de Ciências da Educação (ICED) da Universidade Federal do Pará (UFPA). Professora Adjunto 2. Membro do Grupo de Estudo e Pesquisa em Educação do Campo na Amazônia e do Grupo de Estudos e Pesquisa em Adolescência, juventude e fatores de vulnerabilidades e proteção/UFPA. Estudante do Doutorado em Educação do PPGED/ICED.

Referências

BAIRROS, Luiza. Lembrando Lélia Gonzalez. Salvador, abril, 1989. Original escrito para o primeiro número da Revista do CENUN-Ba-Coletivo Estadual de Negros(as) Universitários(as).

CARNEIRO, Sueli. Enegrecer o feminismo: A situação da mulher negra na América Latina a partir de uma perspectiva de gênero, 06 mar. 2003. Disponível em: https://www.geledes.org.br/enegrecer-o-feminismo-situacao-da-mulher-negra-na-america-latina-partir-de-uma-perspectiva-de-genero/. Acesso em: 10 jul. 2017.

COLLINS, Patricia Hill. Pensamento feminista negro. Conhecimento, Consciência e a Política do Empoderamento. Trad. de Jamile Pinheiro Dias. São Paulo: Boitempo, 2019.

CRENSHAW, Kimberle. Documento para o Encontro de Especialistas em Aspectos da Discriminação Racial Relativos ao Gênero. Tradução de Liane Schneider. Revisão de Luiza Bairros e Claudia de Lima Costa. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 10, n. 1, p. 171-188, jan. 2002. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ref/v10n1/11636.pdf. Acesso em: 20 jul. 2017. Doi: https://doi.org/10.1590/S0104-026X2002000100011.

DAVIS, Ângela. Mulher, raça e classe. Tradução livre. Plataforma Gueto, 2013.

DAVIS, Angela. Mulheres, cultura e política. Trad. de Heci Regina Candiani. São Paulo: Boitempo, 2017.

FRIGOTTO, Gaudêncio. Educação e a crise do capitalismo real. São Paulo: Cortez, 1996.

GELEDES. Feminismo negro: sobre minorias dentro da minoria. Mulher Negra, 14 jul. 2016. Disponível em: https://www.geledes.org.br/feminismo-negro-sobre-minorias-dentro-da-minoria/. Acesso em: 22 jun. 2018.

GONZALEZ, Lélia; HASENBALG, Carlos. Lugar de negro. Rio de Janeiro. Editora Marco Zero. 1982.

HIRATA, Helena. Gênero, classe e raça: interseccionalidade e consubstancialidade das relações sociais. Dados, v. 26, n. 1, p. 61-73, 2014. Doi: https://doi.org/10.1590/S0103-20702014000100005.

HOOKS, Bell. Mulheres negras: moldando a teoria feminista. Rev. Bras. Ciênc. Polít., Brasília, n. 16, p. 193-210, abr. 2015. Doi: https://doi.org/10.1590/0103-335220151608.

LÖWY, Michael. Ideologias e ciência social: elementos para uma análise marxista. São Paulo: Cortez, 1988.

MASSON, Gisele; FLACH, Simone. O materialismo histórico-dialético nas pesquisas em Políticas Educacionais. Revista de estudos teóricos y epistemológicos em política educativa, v. 3, p. 1-15, 2018. Disponível em: www.revista2.uepg.br. Acesso em: 10 jun. 2017. Doi: https://doi.org/10.5212/retepe.v.3.011.

MIGUEL, Luiz Felipe. Dominação e resistência: desafios para uma política emancipatória. São Paulo: Boitempo, 2018.

NASCIMENTO, Abdias. O Brasil na mira do pan-africanismo. Salvador: EDUFBA, 2002.

QUIJANO, Anibal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. Buenos Aires, CLACSO, Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales, 2005.

SILVEIRA. Viviane. Glossário. Diretrizes curriculares de gênero e diversidade sexual. Curitiba: Secretaria de Estado da Educação do Paraná, 2010.

SOUSA. Neusa Santos. Tornar-se negro. Rio de Janeiro: Graal, 1883.

TONET, Ivo. Método Científico: uma abordagem ontológica. São Paulo: Instituto Lukács, 2013.

TRIVIÑOS, Augusto Nibaldo Silva. Introdução a pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.

UNIÃO DOS COLETIVOS PAN-AFRICANISTAS Lélia Gonzalez: primavera para as rosas negras. São Paulo: UCPA Editora, 2018.

Downloads

Publicado

2020-06-29

Como Citar

MORAES, E. L. A interseccionalidade: Um estudo sobre a resistência das mulheres negras à opressão de gênero, de raça e de classe. Letras & Letras, [S. l.], v. 36, n. 1, p. 261–276, 2020. DOI: 10.14393/LL63-v36n1-2020-14. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/letraseletras/article/view/50792. Acesso em: 8 dez. 2022.