Nomenclatura Gramatical Brasileira sob a perspectiva da Política Linguística

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/DL50-v16n2a2022-7

Palavras-chave:

NGB, Língua Portuguesa, Ensino de língua portuguesa, Categorias metalinguísticas, Política Linguística

Resumo

A Nomenclatura Gramatical Brasileira, também denominada pela sigla correspondente, NGB, foi instituída em 1959 pela Portaria Ministerial nº 36 de 28 de janeiro do mesmo ano, com o objetivo declarado de simplificar e uniformizar a metalinguagem utilizada no espaço educacional face à diversidade terminológica existente, à época. Sendo produto de uma política linguística voltada para o ensino, a NGB repercutiu de modo significativo não apenas nas práticas pedagógicas dos professores de Língua Portuguesa, em sala de aula, como também na reconfiguração dos materiais gramaticográficos. Considerando os resultados dessa política, ecoados até hoje, buscamos observer como se procedeu o processo sócio-político-ideológico de criação da NGB, pelas lentes do campo disciplinar da Política Linguística, notadamente a partir da noção de Política Linguística de Johnson (2009), dada a compreensão de que a implantação de uma política linguística é, também, fruto de uma atmosfera intelectual sócio-política do período do qual emerge. Metodologicamente, este estudo guia-se pelos parâmetros da pesquisa documental, qualitativa e interpretativista (LIN, 2015). A análise aponta para os seguintes achados: (i) o contexto macrossocial foi fundamental para o delineamento do projeto que culminou na elaboração da NGB; (ii) a criação da nomenclatura teve a atuação de agentes políticos, como o ministro Clóvis Salgado e, notadamente, agentes intelectuais, a saber, professores de formação filológica e atuantes no Colégio Pedro II; (iii) a unificação terminológica deixa de ser entendida em uma perspectiva estrita e puramente linguístico-pedagógica para ser compreendida, neste estudo, como uma política linguística que confere concretude a políticas do Estado Nacional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lucielma de Oliveira Batista, UFPB

Doutoranda em Linguística pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB).

Tamires de Lima Santiago, UFPB

Graduada em Letras- Habilitação em Língua portuguesa pela UFPB (2017) e Mestranda em Linguística pelo Programa de Pós-graduação em Linguística (PROLING) da mesma instituição.

Referências

AMORIM, M. da S. NGB e NGP: uma comparação entre nomenclaturas. Domínios de Lingu@gem, v. 2, n. 2, fev. 2011.

ARNULFO, I. Gramática resumida: de acordo com a nova nomenclatura gramatical. Porto Alegre: Editora Globo, 1960.

AUROUX, S. A revolução tecnológica da gramatização. Campinas: Editora da Unicamp, 1992.

BRASIL. Nomenclatura Gramatical Brasileira. Rio de Janeiro: 1959. Disponível em: https://docs.ufpr.br/~borges/publicacoes/notaveis/NGB.pdf

BALDINI, L. J. S. A Nomenclatura Gramatical Brasileira interpretada, definida, comentada e exemplificada. 1999. 112 f. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Estudos da Linguagem. Campinas, SP, 1999.

CALVET, L-J. Nas origens da Política Linguística. In: CALVET, L-J. As políticas linguísticas. São Paulo: Parábola Editorial, 2007. Cap. I, p. 11-36.

FAUSTO, B. História do Brasil. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2019.

FRANCO, M. I. S. M; ALMEIDA, M. E.; ZANON, M. A. de A. T. O porta-voz da NGB. In: BASTOS, N. M.; PALMA, D. V. História entrelaçada 3: a construção de gramáticas e o ensino de língua portuguesa na segunda metade do século XX. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2008.

GONÇALVES, A. Métodos e Técnicas de Investigação Social I. Braga, Universidade do Minho, Instituto de Ciências Sociais, 2004.

GUIMARÃES, E. Apresentação: Maximiano e um pouco de História. Relatos nº3. História das ideias linguísticas no Brasil. Disponível em https://www.unicamp.br/iel/hil/publica/relatos_03.html. Acesso em: 5 out. 2020.

HENRIQUES, C. C. Nomenclatura gramatical brasileira: 50 anos depois. São Paulo: Parábola Editorial, 2009.

JOHNSON, D. C. Ethnography of language policy. Language policy, v. 8, n. 2, p. 139-159, maio, 2009. DOI https://doi.org/10.1007/s10993-009-9136-9

JOHNSON, E. J. Arbitrating repression: language policy and education in Arizona. Language and Education, vol. 26, no. 1, p. 53-76, January, 2012. DOI https://doi.org/10.1080/09500782.2011.615936

JOHNSON, D. C.; RICENTO, T. Conceptual and theoretical perspectives in language planning and policy: situating the ethnography of language policy. International Journal of the Spciology of Language, n. 219, p. 7-21, 2013. DOI https://doi.org/10.1515/ijsl-2013-0002

JOHNSON, D.C.; JOHNSON, E. J. Power and agency in language policy appropriations. Language Policy, v. 14, n. 3, p. 221-243, 2015. DOI https://doi.org/10.1007/s10993-014-9333-z

KENEDY, E. Rudimentos para uma nova sintaxe na NGB. Revista do Curso de Letras da UNIABEU. Nilópolis, v. 1, número 1, jan. - abr. 2010.

KURY, A. G. Pequena gramática: para a explicação da nova nomenclatura gramatical. Rio de Janeiro: Livraria Agir Editora, 1959.

LIN, A. M. Y. Researcher positionality. In: HULT, F. M.; JOHNSON, D. C. (org.). Research methods in Language Policy and Planning: a pratical guide. UK: Wiley Blackwell, p. 21-32, 2015. DOI https://doi.org/10.1002/9781118340349.ch3

NEVES, M. H. M. O legado grego na terminologia gramatical brasileira. Alfa: Revista de linguística. São José Rio Preto, v. 55, n. 2, p. 641-664, dez. 2011. DOI https://doi.org/10.1590/S1981-57942011000200013

RAZZINI, M. P. G. O espelho da nação: a Antologia nacional e o ensino de português e literatura (1838-1971). 2000. 442 f. Tese (Doutorado em Teoria Literária) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade de Campinas, Campinas, 2000.

RETONDAR, H. C. et al. Tradição e atualidade: uma tarde na ABL com Evanildo Bechara. In: CÂMARA, T. M. N. L. et al. (org.). Evanildo Bechara e os bastidores da NGB. Rio de Janeiro: Dialogarts, 2020.

RICENTO, T. Historical and Theoretical Perspectives in Language Policy and Planning. Journal of Sociolinguistics, [S.l.], v. 4, n. 2, p. 196-213, 2000. DOI https://doi.org/10.1111/1467-9481.00111

RICENTO, T. K.; HORNEMBERG, N. H. Unpeeling the Onion: Language Planning and Policy and the ELT Professional. Tesol Quarterly, vol. 30, n. 3, p. 401-427, out. 1996. DOI https://doi.org/10.2307/3587691

SCHWARCZ, L. M.; STARLING, H. M. Brasil: uma biografia. São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

SCHWARTZMAN, S. Gustavo Capanema e a Educação Brasileira: uma interpretação. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, v. 66, n. 153, maio - ago., p. 265-272, 1985.

SILVA, A. M. M. A classificação dos verbos e das vozes verbais no português brasileiro: uma proposta de revisão da nomenclatura gramatical brasileira a partir da teoria da regência e ligação. 2011. 118 f. Tese (Doutorado) – Programa de Pós- graduação em Letras, Faculdade de Letras, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande Sul, Porto Alegre, 2011.

SILVA, F. S. P. A Nomenclatura Gramatical Brasileira na sala de aula. 2017. 125 f. Dissertação (Mestrado profissional em Letras). Departamento de Letras Clássicas e Vernáculos, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, 2017.

SOUSA, S. C. T.; PEREIRA, A. C. V. B.; VILAR, J. H. B. A redação do Enem sob a ótica da Política Linguística: um estudo da competência 5. Revista Muitas Vozes. Ponta Grossa, v. 8, n. 2, p. 196-215, 2019. DOI https://doi.org/10.5212/MuitasVozes.v.8i2.0007

SOUSA, S. C. T de.; PONTE, A. S.; SOUSA-BERNINI, E. N. B. A área de política e planejamento linguístico no cenário internacional e nacional. In: SOUSA, S. C. T de.; PONTE, A. S.; SOUSA-BERNINI, E. N. B. (org.) Fotografias da política linguística na pós-graduação no Brasil [recurso eletrônico]. João Pessoa: Editora UFPB, 2019.

VIDAL NETO, J. B. C. A formação do pensamento linguístico brasileiro: entre a gramática e novas possibilidades de tratamento da língua (1900-1940). 2020. 326 f. Tese (Doutorado em Letras). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2020.

VIEIRA, F. E. A gramática tradicional: história crítica. São Paulo: Parábola Editorial, 2018.

Downloads

Publicado

29-10-2021

Como Citar

BATISTA, L. de O. .; SANTIAGO, T. de L. Nomenclatura Gramatical Brasileira sob a perspectiva da Política Linguística. Domínios de Lingu@gem, [S. l.], v. 16, n. 2, p. 554–588, 2021. DOI: 10.14393/DL50-v16n2a2022-7. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/dominiosdelinguagem/article/view/62082. Acesso em: 17 ago. 2022.