Concepção de gramática e de ensino de gramática nas obras de Neves

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/DL50-v16n2a2022-15

Palavras-chave:

Gramática, Ensino de gramática, Ensino de língua portuguesa, A Gramática do Português Revelada em Textos

Resumo

Este trabalho, fruto de uma pesquisa para dissertação de mestrado e abrigado nos estudos de um grupo de pesquisa e estudos linguísticos no Pará, objetivou analisar a mais recente gramática da linguista Maria Helena de Moura Neves, “A Gramática do Português Revelada em Textos” (GPRT), publicada em 2018, a fim de verificar qual a concepção de gramática e de ensino de gramática que emerge da referida obra. A partir de pesquisa bibliográfica, constituída por cinco livros de Neves, foi feita a análise e o desenvolvimento de possíveis respostas a quatro perguntas norteadoras que constituem os objetivos específicos deste trabalho, a saber, que é gramática?; que é ensinar gramática?; para que ensinar gramática?; e como ensinar gramática?. Estas perguntas norteadoras constituem perguntas do subprojeto, desenvolvido, desde 2017, “Análise de gramáticas escritas por linguistas brasileiros”, abrigado dentro de um projeto mais amplo, “Língua, gramática e variação”. Assim, para a GPRT, gramática é um sistema adaptável e sensível às pressões do uso, por isso ajustáveis; e ensinar gramática é olhar a língua e as suas inter-relações de forma reflexiva. O ensino de gramática deve mostrar como a gramática organiza as relações, produz as significações e os efeitos pragmáticos dentro de um contexto. O ensino de gramática não deve se dissociar das vivências de linguagem: para refletir sobre a língua, deve-se levar em conta o contexto em que se produziu aquele texto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ediene Pena Ferreira, UFOPA

Doutora em Linguística pela Universidade Federal do Ceará, Professora de Língua Portuguesa da Universidade Federal do Oeste do Pará.

Thaiza Oliveira da Silva, SEDUC-PA

Mestre em Educação pela Universidade Federal do Oeste do Pará, Professora de Língua Portuguesa da Secretaria de Educação do Estado do Pará (SEDUC-PA).

Referências

ANTUNES, I. Aula de português: encontro & interação. São Paulo: Parábola Editorial, 2003.

ANTUNES, I. Gramática contextualizada: limpando “o pó das ideias simples”. São Paulo: Parábola Editorial, 2014.

BAGNO, M. Nada na língua é por acaso: por uma pedagogia da variação linguística. São Paulo: Parábola Editorial, 2007.

BARROS, D. L. P. O papel histórico, social e político do discurso da gramática. In: NEVES, M. H. de M. (org.). As Interfaces da Gramática. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2010. p. 35-55.

BARROSO, A. G. O ensino de gramática na perspectiva da Nova Gramática do Português Brasileiro de Ataliba Teixeira de Castilho. 2020. 88 f. Dissertação (Mestrado em Educação) Instituto de Ciências da Educação, Universidade Federal do Oeste do Pará, Santarém – PA, 2020.

BRITTO, L. P. L. A sombra do caos: ensino de língua x tradição gramatical. Campinas, SP: Mercado de Letras, 1997.

BRITTO, L. P. L. Que fazer? – Indagações sobre o ensino de Língua Portuguesa na perspectiva de formação omnilateral. In: LIMA, A. F.; NASCIMENTO, M. F. Pesquisa, ensino e formação docente – experiências do Profletras/UFPA. Campinas: Pontes, 2017. p. 7-16.

CAVALIERE, R. Ato Linguístico e Controle Estatal. In: NEVES, M. H. de M. (org.). As Interfaces da Gramática. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2010. p. 57-72.

CUNHA, A. F. Funcionalismo. In: MARTELOTTA, M. E. Manual de Linguística. São Paulo: Contexto, 2009. p. 157-176.

FARACO, C. A. Norma Culta Brasileira: desatando alguns nós. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

FARACO, C. A. História Sociopolítica da Língua Portuguesa. São Paulo: Parábola Editorial, 2016.

FARACO, C. A.; VIEIRA, F. E. (org.). Gramáticas brasileiras: com a palavra, os leitores. São Paulo: Parábola Editorial, 2016.

FRANCHI, C. Mas o que é mesmo “Gramática”? São Paulo: Parábola Editorial, 2006.

GERALDI, J. W. Concepções de Linguagem e Ensino de Português. In: GERALDI, J. W. (org.). O texto na sala de aula. Cascavel: Assoeste, 1984.

GERALDI, J. W. Aula como acontecimento. São Carlos: Pedro & João Editores, 2010.

GERALDI, J. W. (org.). O texto na sala de aula [livro eletrônico]. São Paulo: Ática, 2011.

GOMES, M. S. A Gramática Pedagógica do Português Brasileiro (BAGNO, 2012) e o ensino de gramática. 2019. 86 f. Dissertação (Mestrado em Educação) Instituto de Ciências da Educação, Universidade Federal do Oeste do Pará, Santarém – PA, 2019.

HELLER, A. O Cotidiano e a História. 11 ed. Tradução de Carlos Nelson Coutinho e Leandro Konder. São Paulo/Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2016.

KATO, M. Apresentação. In: KATO, M.; ROBERTS, I. (org.). Português brasileiro: uma viagem diacrônica. 2. ed. Campinas: Editora da UNICAMP, 1993. p. 15-27.

KENEDY, E. Gerativismo. In: MARTELOTTA, M. E. Manual de Linguística. São Paulo: Contexto, 2009. p. 127-140.

LAGARES, X. C. Qual política linguística? Desafios glotopolíticos contemporâneos. São Paulo: Parábola, 2018.

LIMA, A. Gramática de usos do português: metalinguagem em função. In: FARACO, C. A.; VIEIRA, F. E. (org.). Gramáticas brasileiras: com a palavra, os leitores. São Paulo: Parábola Editorial, 2016. p. 215-236.

LUCCHESI, D. Língua e Sociedade Partidas: a polarização sociolinguística do Brasil. São Paulo: Contexto, 2015.

LUFT, C. P. Língua e Liberdade. 8 ed. São Paulo: Editora Ática, 2006.

MARCUSCHI, L. A. O papel da linguística no ensino de línguas. Diadorim, Rio de Janeiro, Revista 18 volume 2, p.12-31, Jul-Dez 2016. Disponível em: https://revistas.ufrj.br/index.php/diadorim/article/view/5358 Acesso em: 21 set. 2020. DOI https://doi.org/10.35520/diadorim.2016.v18n2a5358

MATTOS e SILVA, R. V. “O português são dois...”: novas fronteiras, velhos problemas. São Paulo: Parábola Editorial, 2004.

MÉSZÁROS, I. A Educação para além do Capital. 2 ed. São Paulo: Boitempo, 2008.

NEVES, M. H. M. Gramática na Escola. 2 ed. São Paulo: Contexto, 1991.

NEVES, M. H. M. A gramática: história, teoria e análise, ensino. São Paulo: Editora UNESP, 2002.

NEVES, M. H. M. A gramática passada a limpo: conceitos, análises e parâmetros. São Paulo: Parábola Editorial, 2012.

NEVES, M. H. M. Texto e Gramática. 2 ed. São Paulo: Contexto, 2013.

NEVES, M. H. M. Que gramática estudar na escola? Norma e uso na Língua Portuguesa. 4 ed. São Paulo: Contexto, 2014.

NEVES, M. H. M. A Gramática do Português revelada em Textos. São Paulo: Editora Unesp, 2018.

OLIVEIRA, R. P.; QUAREZEMIN, S. Gramáticas na escola. Petrópolis, RJ: Vozes, 2016.

POSSENTI, S. Por que (não) ensinar gramática na escola? Campinas, SP: Mercado de Letras, 1996.

SAUSSURE, F. Curso de Linguística Geral. 27 ed. São Paulo: Cultrix, 2006.

SAVIANI, D. Sobre a natureza e especificidade da educação. Pedagogia Histórico-Crítica: Primeiras Aproximações. 11 ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2013.

SEVERINO, A. J. Fundamentos ético-políticos da educação no Brasil de hoje. In: LIMA, J. F.; NEVES, L. W. (org.). Fundamentos da educação escolar do Brasil contemporâneo. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2006. p. 289-320. Disponível em: http://www.epsjv.fiocruz.br/upload/d/CAPITULO_8.pdf. DOI https://doi.org/10.7476/9788575416129.0010

TRAVAGLIA, L. C. Gramática e interação: uma proposta para o ensino de gramática. 14 ed. São Paulo: Cortez, 2009.

VIEIRA, F. E. Gramatização brasileira contemporânea do português: novos paradigmas?. In: FARACO, C. A.; VIEIRA, F. E. (org.). Gramáticas brasileiras: com a palavra, os leitores. São Paulo: Parábola Editorial, 2016, p. 19-69.

VIEIRA, F. E. A Gramática Tradicional: história crítica. São Paulo: Parábola, 2018.

VIEIRA, S. R. Ensino de gramática em três eixos: uma questão de ciência, cidadania e respeito linguístico. 2020. (2h 2min 45s). Disponível em : https://www.youtube.com/watch?v=ypVJ2tVT3Yw&t=1028s. Acesso em: 16 jul. 2020.

Downloads

Publicado

01-02-2022

Como Citar

FERREIRA, E. P.; SILVA, T. O. da. Concepção de gramática e de ensino de gramática nas obras de Neves. Domínios de Lingu@gem, [S. l.], v. 16, n. 2, p. 794–842, 2022. DOI: 10.14393/DL50-v16n2a2022-15. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/dominiosdelinguagem/article/view/61994. Acesso em: 26 maio. 2022.