Um estudo sobre a construção [por X tempo] à luz da Linguística Funcional Centrada no Uso

sintaxe e aspecto

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/DL48-v15n4a2021-7

Palavras-chave:

Sintaxe e aspecto, Construção [por X tempo], Linguística Funcional Centrada no Uso

Resumo

Neste trabalho, temos como objetivo descrever as propriedades da forma e da função da construção [por X tempo], um subesquema em que X é um slot preenchido pelos pronomes indefinidos tanto, muito, pouco e algum. Nosso particular interesse por esse objeto está no seu valor aspectual imanente. Mesmo nas ocorrências em que temos um verbo télico, em tempo perfectivo, o emprego de [por X tempo] agrega-lhe uma trajetória cursiva e/ou iterativa, como podemos notar, por exemplo, na contraposição das frases: a) “Ele leu o livro” e “Ele leu o livro por muito tempo”; b) “Sonhei com isso” e “Sonhei com isso por muito tempo”. Para nosso estudo, selecionamos 400 ocorrências do Corpus Now (www.corpusdoportugues.org/now/) e analisamo-las à luz dos pressupostos teóricos da Linguística Funcional Centrada no Uso (OLIVEIRA; ROSÁRIO, 2016; CUNHA; BISPO; SILVA, 2013; TRAUGOTT; TROUSDALE, 2013; entre outros), também conhecida sob o rótulo Linguística Cognitivo-Funcional. Os resultados mostram-nos que a cursividade e a iteratividade devem ser interpretadas como categorias gradientes, em que as construções podem assumir valores aspectuais mais ou menos durativos/iterativos, dependentes de fatores de natureza diversa, dentre os quais destacamos: a) a semântica dos pronomes indefinidos que ocupam o slot X; b) as classes acionais dos verbos (que envolvem as noções da telicidade, da duratividade e da estaticidade); c) o contexto linguístico imediato em que o evento ocorre.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Monclar Guimarães Lopes, UFF

Doutor em estudos linguísticos e mestre em língua portuguesa pela Universidade Federal Fluminense. Professor adjunto do Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas e do Programa de Pós-Graduação em Estudos da Linguagem na Universidade Federal Fluminense.

Mara Cristina Machado Ladeira Martins, Universidade Federal Fluminense

Mestranda em estudos da linguagem na Universidade Federal Fluminense. Tem experiência na área de Letras e Educação.

Referências

ALI, M. S. Dificuldades da Língua Portuguesa. 7. ed. Rio de Janeiro: Biblioteca Nacional, 2008 [1957].

BASSO, R. M. Telicidade e detelicização. Revista Letras, Curitiba, n. 72, p. 215-232, 2007. DOI https://doi.org/10.5380/rel.v72i0.7542

CÂMARA JR., J. M. Estrutura da Língua Portuguesa. São Paulo: Editora Vozes, 1970.

CÂMARA JR., J. M. Princípios de Linguística Geral. Rio de Janeiro: Livraria Acadêmica, 1971.

CÂMARA JR., J. M. História e Estrutura da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Editora Padrão, 1985.

CASTILHO, A. T. Gramática do Português Brasileiro. São Paulo: Contexto, 2014.

CROFT, W. Radical Construction Grammar. Nova Iorque: Oxford University Press, 2001. DOI https://doi.org/10.1093/acprof:oso/9780198299554.001.0001

CUNHA, C; CINTRA, L. Nova Gramática do Português Contemporâneo. 3. ed. São Paulo: Nova Fronteira, 2001.

CUNHA, M. A. F.; BISPO, E. B.; SILVA, J. R. Linguística Funcional Centrada no Uso: conceitos básicos e categorias analíticas. In: CEZARIO, M. M.; CUNHA, M. A. F. (org.). Linguística centrada no uso: uma homenagem a Mário Martelotta. Rio de Janeiro: Mauad-Faperj, 2013. p. 13-39.

GOLDBERG, A. A Construction Grammar Approach to Argument Structure. Chicago: Chicago University Press, 1995.

ILARI, R.; BASSO, R. M. O Verbo. In: ILARI, R. (org.). Palavras de Classe Aberta. Coleção Gramática do Português Culto Falado no Brasil. São Paulo: Contexto, 2014. p. 65-242.

LACERDA, P. F. A. da C. O papel do método misto na análise de processos de mudança em uma abordagem construcional: reflexões e propostas. Revista Linguística, volume Especial, p. 83-101, 2016.

LUFT, C. P. Moderna Gramática Brasileira. Rio de Janeiro: Editora Globo, 1986.

OLIVEIRA, M. R.; ROSÁRIO, I. da C.. Funcionalismo e abordagem construcional da gramática. Revista Alfa, São Paulo, n. 60, v. 2, p. 233-259, 2016. DOI https://doi.org/10.1590/1981-5794-1608-1

SANTOS, L. W.; RICHE, R. C.; TEIXEIRA, C. S. Análise e produção de textos. São Paulo: Contexto, 2015.

TRAUGOTT, E. C.; DASHER, R. B. Regularity in Semantic Change. Cambridge: Cambridge University Press, 2002. DOI https://doi.org/10.1017/CBO9780511486500

TRAUGOTT, E. C.; TROUSDALE, G. Constructionalization and constructional changes. Cambridge: Cambridge University Press, 2013. DOI https://doi.org/10.1093/acprof:oso/9780199679898.001.0001

VENDLER, Z. Linguistics in Philosophy. Ithaca, New York: Cornell, 1967. DOI https://doi.org/10.7591/9781501743726

WACHOWICZ, T. C.; FOLTRAN, M. J. Sobre a noção de aspecto. Cadernos Estudos da Linguagem, Campinas, n. 48, v.2, p. 211-232, 2006. DOI https://doi.org/10.20396/cel.v48i2.8637179

Downloads

Publicado

21-12-2021

Como Citar

LOPES, M. G.; MARTINS, M. C. M. L. Um estudo sobre a construção [por X tempo] à luz da Linguística Funcional Centrada no Uso: sintaxe e aspecto. Domínios de Lingu@gem, [S. l.], v. 15, n. 4, p. 1090–1127, 2021. DOI: 10.14393/DL48-v15n4a2021-7. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/dominiosdelinguagem/article/view/58338. Acesso em: 21 maio. 2022.

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.