O humor da antroponímia nordestina

Autores

  • Shara Lylian Castro Lopes

DOI:

https://doi.org/10.14393/DL46-v15n2a2021-9

Palavras-chave:

Análise do Discurso, Humor, Identidade Nordestina, Antroponímia

Resumo

A proposta desse artigo é analisar o funcionamento dos nomes próprios nordestinos como elementos de humor em textos virtuais. O corpus de análise dessa pesquisa são duas postagens de perfis de humor nordestinos da rede social Instagram: Suricate Seboso e Bode Gaiato. O processo analítico considera premissas teóricas da Análise do Discurso e leva em conta conceitos como memória discursiva, como em Courtine (1999, 2014), Robin (2016) e Paveau (2005) e ethos discursivo, como em Maingueneau (2008a, 2018, 2020). Essas noções estão diretamente ligadas à Onomástica antroponímica no que tange aos fatos históricos e sociais relacionados à língua e, por isso, também considero aqui o trabalho de Leite de Vasconcelos (1928) como organizado em Carvalhinhos (2007). As conclusões apontam para um funcionamento dos nomes nordestinos apresentados nesse tipo de discurso como elementos de humor ligados a memórias diversas, que apresentam deslizamento dos processos de nomeação, por exemplo por atualização dos patronímicos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AMOSSY, R. (org.) Imagens de si no discurso: a construção do ethos. São Paulo: Contexto, 2005.

CARVALHINHOS, P. J. As origens dos nomes de pessoas. Domínios de Lingu@gem, n 1, 1º semestre 2007, 1996. DOI https://doi.org/10.14393/DL1-v1n1a2007-9

CHAMBERS, J. K.; TRUDGILL, P. (1998) Dialectology. 2 ed. Cambridge: Cambridge University Press, 2004. DOI https://doi.org/10.1017/CBO9780511805103

COURTINE, J. J. (1981). Análise do discurso político: o discurso comunista endereçado aos cristãos. São Carlos: EdUFSCar, 2014.

COURTINE, J. J. O chapéu de Cleméntis. Observações sobre a memória e o esquecimento na enunciação do discurso político. In: INDURSKY, F.; FERREIRA, M. C. L. (org.). Os múltiplos territórios da Análise do Discurso. Porto Alegre: Editora Sagra Luzzatto, 1999. p. 15-22.

DUCROT, O. O dizer e o dito. Trad. Eduardo Guimarães. Campinas, SP: Pontes, 1987.

GLOBO PLAY. Chico Anysio e a Criação de Personagens. In: Viver do Riso. Disponível em: https://globoplay.globo.com/v/7505028/programa/ Acesso em: 10 jun 2020.

FOUCAULT, M. (1969). A arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2004.

LOPES, S. L. C. A construção do humor pela identidade nordestina em Suricate Seboso. 2020. Tese (doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Estudos da Linguagem, Campinas, SP, 2020. Disponível em: http://repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/355921. Acesso em: 20 mar 2021.

MAINGUENEAU, D. (2006). Cenas da enunciação. Org. Sirio Possenti; Maria Cecília Pérez de Souza-e-Silva. São Paulo: Parábola Editorial, 2008a.

MAINGUENEAU, D. (2004). Discurso literário. Trad. Adail Sobral. 2 ed. 2ª reimpressão. São Paulo: Contexto, 2018.

MAINGUENEAU, D. (1995) Gênese dos discursos. Trad. Sirio Possenti. São Paulo: Parábola Editorial, 2008b.

MAINGUENEAU, D. Variações sobre o ethos. Trad. Marcos Marcionilo. São Paulo: Parábola, 2020.

PAVEAU, M. A. Reencontrar a memória. Percurso epistemológico e histórico. In: Anais do II SEAD, Porto Alegre, UFRGS, 2005. p. 01-09.

PÊCHEUX, M. (1982). Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 1988.

POSSENTI, S. Os humores da língua: análises linguísticas de piadas. Campinas, SP: Mercado de Letras, 1998.

ROBIN, R. (2003). A memória saturada. Trad. Cristiane Dias; Greciely Costa. Campinas: Editora da Unicamp, 2016

Publicado

16.06.2021

Como Citar

CASTRO LOPES, S. L. O humor da antroponímia nordestina. Domínios de Lingu@gem, Uberlândia, v. 15, n. 2, p. 501–524, 2021. DOI: 10.14393/DL46-v15n2a2021-9. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/dominiosdelinguagem/article/view/56988. Acesso em: 28 maio. 2024.