Poesia em sala de aula

(re)leituras e sentidos possíveis

Autores

  • Thiago André Rodrigues Leite Instituto Federal de Goiás (IFG)
  • Karine Rios de Oliveira Leite Instituto Federal de Goiás (IFG)

DOI:

https://doi.org/10.14393/DL31-v11n4a2017-6

Palavras-chave:

Linguagem, Poesia, Benveniste, Sentidos, Sala de Aula

Resumo

Assim como a linguagem, entendemos que a poesia está na natureza humana, acompanhando o homem desde o momento em que ele (re)cria uma espécie de “língua” dentro do próprio sistema linguístico, o qual é parte essencial da linguagem. Essa (re)criação pode emergir nos diferentes planos: fonológico, morfológico, sintático e semântico. Sob esse ponto de vista e fundamentados em teorizações de Émile Benveniste, compreendemos ser imperioso experienciarmos, em nossas práticas de aula, certa abordagem semântica da poesia, com a abertura a (re)leituras de diferentes “escolhas lexicais” presentes em poemas. Por isso, neste texto, objetivamos discorrer sobre a poesia no plano semântico, pensando certas “escolhas lexicais”, em detrimento de outras possíveis, presentes em alguns importantes poemas brasileiros, e possibilidades de (re)leituras dessas “escolhas” em momentos de sala de aula. Para tanto, embasamo-nos na teoria de Benveniste, especialmente quanto às noções de linguagem e de língua, relacionando tais noções a uma possível definição, aventada por nós, de poesia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

NDRADE, C. D. Reunião – 10 livros de poesia. Rio de Janeiro: José Olympio, 1969.

BANDEIRA, M. Belo, belo. São Paulo: Global Editora, 2014.

BARROS, M. Retrato do artista quando coisa. 3. ed. Rio de Janeiro: Record, 2002.

BENVENISTE, E. Problemas de lingüística geral I. 5. ed. Campinas, SP: Pontes Editores, 2005.

______. Problemas de lingüística geral II. 2. ed. Campinas, SP: Pontes Editores, 2006.

______. Baudelaire. Présentation et transcription de Chloé Laplantine. Limoges: Éditions Lambert-Lucas, 2011.

CANDIDO, A. O estudo analítico do poema. São Paulo: Terceira Leitura, FFLCH - USP, reimpressão, 1993.

CORALINA, C. Meu livro de cordel. 18. ed. São Paulo: Global, 2013.

FLORES, V. N. Introdução à teoria enunciativa de Benveniste. São Paulo: Parábola, 2013.

JAKOBSON, R. Lingüística e comunicação. 20. ed. São Paulo: Cultrix, 1995.

PAULINO, G. et al. Tipos de textos, modos de leitura. Belo Horizonte: Formato Editorial, 2001. Série: Educador em formação.

SAUSSURE, F. Curso de Lingüística Geral. São Paulo: Cultrix, 2006.

SEIXAS, R. A pedra do Gênesis. Rio de Janeiro: Copacabana, 1988.

Downloads

Publicado

07.11.2017

Como Citar

LEITE, T. A. R.; LEITE, K. R. de O. Poesia em sala de aula: (re)leituras e sentidos possíveis. Domínios de Lingu@gem, Uberlândia, v. 11, n. 4, p. 1194–1204, 2017. DOI: 10.14393/DL31-v11n4a2017-6. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/dominiosdelinguagem/article/view/37978. Acesso em: 10 dez. 2022.