“Filha do leiteiro”

a negociação de pistas de contextualização no contexto de ensino de português brasileiro como língua adicional

Autores

  • Rodrigo Albuquerque Universidade de Brasília

DOI:

https://doi.org/10.14393/DL30-v11n3a2017-22

Palavras-chave:

Pistas de contextualização, Atividade inferencial, Co-construção de sentidos, Ensino de português brasileiro como língua adicional

Resumo

A interação humana prevê, a todo instante, a negociação de sentidos entre os interagentes, a partir de suas enunci(ações). Estes, por sua vez, nem sempre revelam seus sentidos na superfície dos enunciados, o que demanda, assim, um exercício inferencial frente às ações do outro. Em relação a encontros interculturais, tal propriedade se torna ainda mais acentuada, em virtude das (possíveis) distintas convenções socioculturais. Este estudo visa a analisar como a professora de português brasileiro e as colaboradoras do estudo (colombianas) negociam, por meio de pistas de contextualização linguísticas e extralinguísticas, um enunciado irônico. Para a geração de dados, contamos com a participação da professora do curso e de duas estudantes (Laudiel e Mercedes), que permitiram o registro das imagens e se comprometeram com o visionamento das próprias ações e a reflexividade acerca destas. Por fim, constatamos que o enunciado irônico “filha do leiteiro”, proferido pela professora, foi adequadamente processado por Mercedes e pelos demais estudantes, com exceção de Laudiel, que sinalizou essa dificuldade com pistas de natureza não verbal e com posterior relato. O estudo de pistas de contextualização torna-se fundamental na prevenção de ruídos interacionais, provenientes da não partilha de sentido entre sujeitos de culturas distintas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rodrigo Albuquerque, Universidade de Brasília

Rodrigo Albuquerque é professor adjunto da Universidade de Brasília. Doutor em Linguística, especializou-se na área da Sociolinguística Interacional e Cognição Social, atuando também nas áreas de Linguística de Texto e Pragmática. Interessa-se por estudos sociointeracionais tanto no âmbito do ensino de português como segunda língua quanto na perspectiva dos processos de leitura e de escrita na universidade.

Referências

ALBUQUERQUE, R. O processamento de pistas de contextualização: um olhar voltado para os falantes de espanhol aprendizes de português. 2009. 220 f. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Programa de Pós-Graduação em Linguística, Universidade de Brasília, Brasília, 2009.

AUER, P. From Context to Contextualization. Links & Letters, v. 3, p. 11-28, 1996.

ATKINSON, J. M.; HERITAGE, J. Jefferson’s Transcript Notation. In: JAWORSKI, A.; COUPLAND, N. The Discourse Reader. 2nd ed. USA: Routledge, 2006 [1984].

BRAIT, B. Ironia em perspectiva polifônica. 2. ed. Campinas: Unicamp, 2008.

BRANDÃO, C. Discurso Acadêmico: estratégias de variação estilística em situações de aula. 2005. 157 f. Tese (Doutorado em Linguística) – Programa de Pós-Graduação em Linguística, Universidade de Brasília, Brasília, 2005.

BRYANT, G. A.; FOX TREE, J. E. Recognizing verbal irony in spontaneous speech. Metaphor and Symbol, v. 17, n. 2, p. 99-117, 2002. https://doi.org/10.1207/S15327868MS1702_2

______. Is there an ironic tone of voice? Language & Speech, v. 48, p. 257-277, 2005. https://doi.org/10.1177/00238309050480030101

CANÇADO, M. Um estudo sobre a pesquisa etnográfica em sala de aula. Trab. Ling. Apl., Campinas, v. 23, p. 55-69, jan/jul 1994.

CASTILHO, A. T. A conversação. In: ______. A língua falada no ensino de português. 7. ed. São Paulo: Contexto, 2006.

CHARAUDEAU, P.; MAINGUENEAU, D. Dicionário de Análise do Discurso. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2008.

COOK-GUMPERZ, J. & GUMPERZ, J. J. Frames and contexts: another look at the macro-micro link. Pragmatics, v. 21, n. 2, p. 283-286, 2011. https://doi.org/10.1075/prag.21.2.06coo

DUCROT, O.; TODOROV, T. Dicionário enciclopédico das ciências da linguagem. Tradução de Alice Kyoko Miyashiro et al. São Paulo: Perspectiva, 2010.

DURANTI, A. Ethnographic methods. In: Linguistic Anthropology. Cambridge: Cambridge University Press, 1997. https://doi.org/10.1017/CBO9780511810190.005

ERICKSON, F. Audiovisual Records as a Primary Data Source. In: GRIMSHAR, A. (Ed.). Sociological Methods and Research, Special Issue on Sound-Image Records in Social Interaction Research, v. 11, n. 2, p. 213-232, 1982. https://doi.org/10.1177/0049124182011002008

______. Ethnographic microanalysis. In: MCKAY, S. L.; HORNBERGER, N. H. (Eds.). Sociolinguistics and Language Teaching. USA: Cambridge University Press, 2013 [1996].

FETTERMAN, D. M. Ethnography: step by step. 2 ed. Applied Social Research Methods Series. v. 17. USA: Sage Publications, 1998.

FLICK, U. Uma introdução à pesquisa qualitativa. Tradução de Sandra Netz. Porto Alegre: Bookman, 2004.

GOFFMAN, E. Interaction Ritual: essays on face-to-face behavior. UK: Penguin University Books, 1967.

GOODWIN, C.; DURANTI, A. Rethinking context: an introduction. In: ______. Rethinking context: language as an interactive phenomenon. Cambridge: Cambridge University Press, 1997 [1992].

GREEN, J.; BLOOME, D. Ethnography and ethnographers of and in education: a situated perspective. In: FLOOD, J.; HEATH, S. B.; LAPP, D. (Orgs.). Handbook for literacy educators: research in the community and visual arts. New York: Macmillan, 1997.

GUMPERZ, J. J. Discourse strategies. Cambridge: Cambridge University Press, 1982a. https://doi.org/10.1017/CBO9780511611834

______. Fact and inference in courtroom testimony. In: _____. (Ed.). Language and social identity. Cambridge: Cambridge University Press, 1982b.

______. Communicative Competence. In: COUPLAND, N.; JAWORSKI, A. (Eds.). Sociolinguistics: A Reader and Coursebook. England: Palgrave, 1997. https://doi.org/10.1007/978-1-349-25582-5_6

______. On interactional sociolinguistic method. In: SARANGI, S.; ROBERTS, C. (Eds.). Talk, work and institutional order. Berlin: Mouton de Gruyter, 1999. https://doi.org/10.1515/9783110208375.4.453

______. Interactional Sociolinguistics: A Personal Perspective. In: SCHIFFRIN, D.; TANNEN, D.; HAMILTON, H. E. The Handbook of Discourse Analysis. MA: Blackwell, 2003.

______; COOK-GUMPERZ, J. Introduction: language and the communication of social identity. In: GUMPERZ, J. J. (Ed.). Language and social identity. Cambridge: Cambridge University Press, 1982. https://doi.org/10.1017/CBO9780511611834.003

______; SZYMANSKI, M. Collaborative Practices in Bilingual Cooperative Learning Classrooms. Santa Cruz, CA: CREDE, 1999.

HAMON, P. Le littéraire, la littérature, le social et la valeur. Cahiers de recherche sociologique, n. 12, p. 21-33, 1989. https://doi.org/10.7202/1002055ar

HANKS, W. F. O que é contexto. In: BENTES, A. C.; REZENDE, R. C.; MACHADO, M. R. (Orgs.). Língua como prática social: das relações entre língua, cultura e sociedade a partir de Bourdieu e Bakhtin. São Paulo: Cortez, 2008.

HANSELL, M.; AJIROTUTU, C. S. Negotiating interpretations in interethnic settings. In: GUMPERZ, J. J. (Ed.). Language and social identity. Cambridge: Cambridge University Press, 1982.

KNAPP, M. L. Nonverbal Communication in Human Interaction. New York: Holt, Rinehart and Winston, 1972.

______; HALL, J. A. Nonverbal Communication in Human Interaction. 3rd ed. USA: Harcourt Brace Jovanovich, 1992.

KRAMSCH, C. Language and Culture. Oxford: Oxford University Press, 1998.

LEVINSON, S. C. Contextualizing ‘contextualization cues’. In: EERDMANS, S. L.; PREVIGNANO, C. L.; THIBAULT, P. J. Language and Interaction: discussions with John J. Gumperz. Amsterdam: John Benjamins, 2003. https://doi.org/10.1075/z.117.04lev

MARCUSCHI, L. A. Cognição, linguagem e práticas interacionais. Rio de Janeiro: Lucerna, 2007.

OCHS, E. Transcription as theory. In: JAWORSKI, A.; COUPLAND, N. The Discourse Reader. 2nd ed. USA: Routledge, 2006 [1979].

OLBRECHTS-TYTECA, L. Le comique du discours. Bruxelles: Edition de l’Université de Bruxelles, 1974.

PRETI, D. (Org.). Normas para transcrição dos exemplos. In: ______. Cortesia verbal. São Paulo: Humanitas, 2008.

RIBEIRO, B. T.; GARCEZ, P. M. Sociolinguística Interacional: antropologia, linguística e sociologia em análise do discurso. Porto Alegre: AGE, 1998.

______; PEREIRA, M. G. D. A noção de contexto na análise do discurso. Veredas, v. 6, n. 2, p. 49-67, jul./dez. 2002.

SCHIFFRIN, D. Interactional Sociolinguistics. In: MCKAY, S. L.; HORNBERGER, N. H. (Eds.). Sociolinguistics and Language Teaching. USA: Cambridge University Press, 2013 [1996].

SEARLE, J. R. Indirect Speech Acts. In: COLE, P.; MORGAN, J. (Eds.). Speech Acts (Syntax and Semantics, volume 3). New York: Academic Press, 1975.

TANNEN, D. Interactional Sociolinguistics. In: AMMON, U.; DITTMAR, N.; MATTHEIER, K. J.; TRUDGILL, P. (Eds.). Sociolinguistics: An International Handbook of the Science of Language and Society. Berlin: Walter de Gruyter, 2004.

______. Interactional Sociolinguistics as a resource for Intercultural Pragmatics. Intercultural Pragmatics, v. 2, n. 2, p. 205-208, 2005.

VAN DIJK, T. A. Discurso e contexto: Uma abordagem sociocognitiva. Tradução de Rodolfo Ilari. São Paulo: Contexto, 2012.

______. Discurso e contexto: Uma abordagem sociocognitiva. Tradução de Rodolfo Ilari. São Paulo: Contexto, 2012. Resenhado por ALBUQUERQUE, R. Cadernos de Linguagem e Sociedade, v. 13, n. 1, p. 209-213, 2012.

WATSON-GEGEO, K. A. Ethnography in ESL: Defining the Essentials. TESOL Quarterly, v. 22, n. 4, p. 32-49, 1988. https://doi.org/10.2307/3587257

______; ULICHNY, P. Ethnographic Inquiry into Second Language Acquisition and Instruction. Working Papers in ESL, v. 7, n. 2, p. 75-92, 1988.

Downloads

Publicado

01.10.2017

Como Citar

ALBUQUERQUE, R. “Filha do leiteiro”: a negociação de pistas de contextualização no contexto de ensino de português brasileiro como língua adicional . Domínios de Lingu@gem, Uberlândia, v. 11, n. 3, p. 929–950, 2017. DOI: 10.14393/DL30-v11n3a2017-22. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/dominiosdelinguagem/article/view/37295. Acesso em: 5 dez. 2022.