Parkatêjê língua de herança

ma reflexão no contexto da Educação Escolar Indígena

Autores

  • Maria de Nazaré Moraes da Silva Universidade Federal do Pará
  • Marília de Nazaré de Oliveira Ferreira Universidade Federal do Pará

DOI:

https://doi.org/10.14393/DL30-v11n3a2017-1

Palavras-chave:

Língua de Herança, Ensino/aprendizagem do Parkatêjê, Educação Escolar Indígena

Resumo

A Constituição Brasileira de 1988 promoveu os direitos dos povos indígenas, entre os quais, o ensino formal bilíngue, intercultural, específico e diferenciado. Nesse contexto, as ações em favor da preservação de línguas indígenas visam inseri-las como Primeira Língua ou como Primeira e Segunda Língua em ambientes pedagógicos. O presente artigo defende que essas línguas devam ser interpretadas como Língua de Herança na escola indígena. Apresenta-se uma discussão sobre o histórico da implantação da escola indígena na aldeia Parkatêjê, consubstanciada em alguns apontamentos sobre Língua de Herança que podem contribuir com o ensino/aprendizagem formal do Parkatêjê assentado no respeito ao lugar dos falantes dessa língua, na inter-relação entre língua, cultura, identidade. Em termos metodológicos, este artigo configura-se como uma pesquisa bibliográfica qualitativa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria de Nazaré Moraes da Silva, Universidade Federal do Pará

Doutoranda em Linguística vinculada ao Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal do Pará. Mestre em Linguística pela
mesma Universidade.

Marília de Nazaré de Oliveira Ferreira, Universidade Federal do Pará

Professora Associada III vinculada ao Programa de Pós-Graduação em Letras e à Faculdade de Letras da Universidade Federal do Pará.

Referências

ARAÚJO, L. M. S. de. Parkatêjê x Português: caminhos de resistência. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DA "BRAZILIAN STUDIES ASSOCIATION", 9., 2008. Tulane University em New Orleans. Anais... Tulane, 1-8. Disponível em: http://www.brasa.org. Acesso em 10 de setembro 2012.

BARBOSA, P.; FLORES, C. Clíticos no português de herança de emigrantes bilíngues de segunda geração. In: XXVI ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE LINGUÍSTICA. Textos selecionados, Lisboa: APL, 2011. p. 81-98. Disponível em: http://www.apl.org.pt/docs/26-textos-seleccionados/Barbosa_Flores.pdf. Acesso em 20 de novembro 2016.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Referencial Curricular Nacional para as Escolas Indígenas. Brasília: MEC/SEF, 2005.

BRASIL. Ministério da Educação. Diretrizes para a Política Nacional de Educação Escolar. Em Aberto, Brasília, ano 14, n. 63, jul./set., 1994.

BRASIL. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei n. 6.001, de 19 de dezembro de 1973. Dispõe sobre o Estatuto do Índio. Brasília, 1973.

CAVALCANTI, M. Estudos sobre educação bilíngue e escolarização em contextos de minorias linguísticas no Brasil. DELTA, São Paulo, v. 15, p. 385-417, 1999. Número especial. https://doi.org/10.1590/s0102-44501999000300015

CUMMINS, J. A proposal for action: strategies for recognizing heritage language competence as a learning resource within the mainstream classroom. Modern Language Journal, v. 89, n. 4 (Winter), p. 585-92, 2005.

D’ANGELIS, W. R. Línguas indígenas no Brasil: urgência de ações para que sobrevivam. In: BOMFIM, A. B.; COSTA, F. V. F. da (Org.). Revitalização de língua indígena e educação escolar indígena inclusiva. Salvador: Empresa Gráfica da Bahia, 2014, p. 93-118.

FERGUSON, C A. Diglossia. Word, vol. 15, 1959, p. 232-251. Disponível em: http://www.mapageweb.umontreal.ca/tuitekj/cours/2611pdf/Ferguson-Diglossia.pdf. Acesso em 23 de dezembro de 2016.

FERRAZ, I. Lições da escola parkatêjê. In: SILVA, A. L. da; FERREIRA, M. K. L. (Org.). Antropologia, história e educação: a questão indígena e a escola. 2. ed. São Paulo: Global, 2001, p. 275-299.

FISHMAN, J. A. 300-plus. years of heritage language education in the United States. In: PEYTON, J. K.; RANARD, D. A.; McGINNIS, S. (Ed.), Heritage, languages in America: preserving a national resource. Washington DC: Center for Applied Linguistics/Delta Systems, 2001, p. 81-97.

FLORES, C.; MELO-PFEIFER, S. O conceito ‘Língua de Herança’ na perspectiva da Linguística e da Didática de Línguas: considerações pluridisciplinares em torno do perfil linguístico das crianças lusodescendentes na Alemanha. Domínios de Lingu@gem, Uberlândia, v. 8, n. 3, p. 16-45, jul./dez., 2014.

MAHER, T. M. A formação de professores indígenas: uma discussão introdutória. In: GRUPIONI, L. D. B. (Org.). Formação de professores indígenas: repensando trajetórias. Brasília: MEC, 2006, p. 11-38.

MONSERRAT, R. M. F. Política e planejamento linguístico nas sociedades indígenas do Brasil hoje: o espaço e o futuro das línguas indígenas. In: GRUPIONI, L. D. B. (Org.). Formação de professores indígenas: repensando trajetórias. Brasília: MEC, 2006, p. 131-154.

MONTRUL, S. Introduction: Spanish heritage speakers: bridging formal linguistics, psycholinguistics and pedagogy. Heritage Language Journal, v. 8, n. 1, Spring, i-vi, 2010. https://doi.org/10.1016/b978-2-294-70469-7.00029-0

MORONI, A.; GOMES, J. A. O português como língua de herança hoje e o trabalho da Associação de pais de brasileirinhos da Catalunha. Revista de Estudios Brasileños..., España, v. 2, n. 2, p. 21-35, jul./dez., 2015.

POLINSKY, M. Heritage languages natives. In: BRINTON, D. M.; KAGAN, O.; BAUCKUS, S. (Ed.). Heritage language education: a new field emerging. New York: Routledge, 2008, 149-169.

SILVA, M. de N. M. da. A tradição oral no ensino de línguas indígenas: uma proposta para o povo Parkatêjê. Belém: GAPTA/UFPA, 2014, 203p.

SILVA-CORVALÁN, C. Langue contact and change: Spanish in Los Angeles. Clarendon Press: Oxford, 1994. 255 p.

SIMAS, H. C. P.; PEREIRA, R. C. M. Desafios da educação escolar indígena. Revista Escrita, Rio de Janeiro, n. 11, p. 1-13, 2010. Disponível em http://www.maxwell.vrac.puc-rio. Acesso em 28 de setembro 2011.

SOARES, S. M. de C. C. D. Português língua de herança: da teoria à prática. 2012. 210f. Dissertação (Mestrado em Português Língua Segunda/Língua Estrangeira). Faculdade de Letras, Universidade do Porto, 2012. Disponível em https://repositorio-aberto.up.pt/bitstream/10216/66481/2/71122.pdf. Acesso em 28 de novembro 2016.

VALDÉS, G. Heritage languages students: profiles and possibilities. In: PEYTON, J. K.; RANARD, D. A.; McGINNIS, S. (Ed.) Heritage Languages in America: preserving a national resource. Washington, DC: Center for Applied Linguistics/Delta systems, 2001, p. 37-77.

______. Bilingualism, heritage language learners, and SLA research: opportunities lost or seized? The modern language journal, v. 89, n. 3, p. 410-426, Autumn, 2005. Special Issue: Methodology, Epistemology, and Ethics in Instructed SLA Research. https://doi.org/10.1111/j.1540-4781.2005.00314.x

VAN DEUSEN-SCHOLL, N. Towards a definition of heritage language: sociopolitical and pedagogical considerations. Journal of Language, Identity, and Education, v. 2, n. 3, p. 211-230, 2003. https://doi.org/10.1207/S15327701JLIE0203_4

Downloads

Publicado

05.06.2017

Como Citar

DA SILVA, M. de N. M.; FERREIRA, M. de N. de O. Parkatêjê língua de herança: ma reflexão no contexto da Educação Escolar Indígena. Domínios de Lingu@gem, Uberlândia, v. 11, n. 3, p. 455–467, 2017. DOI: 10.14393/DL30-v11n3a2017-1. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/dominiosdelinguagem/article/view/36910. Acesso em: 7 dez. 2022.