A necessidade de uma política linguística inclusiva para o multilinguismo em Moçambique

Autores

  • Maria Helena de Paula Universidade Federal de Goiás http://orcid.org/0000-0002-7422-327X
  • Zacarias Alberto Sozinho Quiraque Universidade Eduardo Mondlane-Moçambique; Universidade Federal de Goiás

DOI:

https://doi.org/10.14393/DL27-v10n4a2016-1

Palavras-chave:

Política linguística, Multiculturas, Línguas moçambicanas

Resumo

Em sociedades livres, a habilidade do ser humano para usar as variadas formas da sua língua materna como diferentes estratégias de interação é inquestionável. Todavia, em outros tipos de sociedade, como Moçambique, esse direito é limitado a apenas algum grupo (dominante) e vedado a outro/s grupo/s (dominado/s) (NGUNGA, 2009). O presente artigo tem como objetivo descrever o percurso das políticas e planificação linguísticas, vigentes em Moçambique nos períodos antes e pós-independência, demonstrando a importância de se traçarem políticas linguísticas inclusivas que respeitem as línguas maternas e as culturas da população. Para materializar este trabalho e atingir o objetivo mencionado, realizamos pesquisa de revisão bibliográfica, em documentos impressos e digitais que se debruçam sobre os conceitos de políticas e planificação linguística e sua importância na educação de um determinado país. Concluímos que para que uma política linguística seja inclusiva é preciso valorizar as línguas maternas e a cultura da população, seja português ou línguas bantu, a partir de documentos fundamentais do país como, por exemplo, a Constituição da República, definindo leis com uma política linguística que valoriza tanto as línguas faladas pela minoria, como as faladas pela maioria do país.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Helena de Paula, Universidade Federal de Goiás

Doutora em Linguística e Língua Portuguesa pela UNESP/Araraquara (2007).

Zacarias Alberto Sozinho Quiraque, Universidade Eduardo Mondlane-Moçambique; Universidade Federal de Goiás

Moçambicano, natural de Chimoio/Manica.

Referências

BAMGBOSE, A. Language and the Nation: The Language Question in Sub-Saharan Africa. Edinburgh University Press, 1991.

CHIMBUTANE, F. Línguas Bantu ou Línguas Bantas? Revista Tempo. Maputo-Moçambique. n. 1083. p. 40-42, 1991. Disponível em: http://www.catedraportugues.uem.mz/lib/docs/Perguntugues_%20Linguas_bantu_bantas.p. Acesso em: 25 fev. 2013.

FIRMINO, G. Língua e Educação em Moçambique. In: STROUD, C.; TUZINE, A. (Org.). Uso de Línguas Africanas no Ensino: Problemas e Perspectivas. Cadernos de Pesquisa. n. 26. Maputo: INDE, 1998, p. 247-278.

GUTHRIE, M. Comparative Bantu: an introduction to the comparative linguistics and prehistory of the Bantu languages. 4 vols. Letchworth UK & Brookfield VT: Gregg International, 1967-1971.

LEROY, M. As grandes correntes da Linguística Moderna. Trad. Izidoro Blikstein e José Paulo Paes. São Paulo: Editora Cultrix, 1967. p. 15-25.

LOPES, A. J. Política Linguística: Princípios e Problemas. Livraria Universitária: Maputo, 1997.

______. A Batalha das línguas: Perspectiva sobre Linguística Aplicada em Moçambique. Maputo. Impressa universitária. UEM. 2004.

______; SITOE, S. J.; NHAMUENDE, P. J. Moçambicaníssimos: para um léxico de usos do português moçambicano. Livraria Universitária-UEM: Maputo-Moçambique, 2002.

MOÇAMBIQUE. Constituição da República. 2004. Disponível em: http://www.mozambique.mz/pdf/constituicao.pdf. Acesso em: 30 maio 2016.

NGUNGA, A. Introdução à Linguística Bantu. Imprensa Universitária. Universidade Eduardo Mondlane. Maputo. 2004.

______. Introdução à Linguística Bantu. Imprensa Universitária: 2. ed. Universidade Eduardo Mondlane. Maputo, 2014.

______. The Role of Grammatical Description in Mother Tongue Education in Mozambique. In:______. (Ed.). Lexicografia e Descrição de Línguas Bantu. col. “As Nossas Línguas I”. CEA: Maputo, 2009.

______; BAVO, N. Práticas Linguísticas em Moçambique: Avaliação da Vitalidade Linguística em seis Distritos. Col. “As Nossas Línguas IV”. CEA: Maputo, 2011.

______; FAQUIR, O. Padronização da Ortografia das Línguas Moçambicanas: Relatório do III Seminário. Col. “As Nossas Línguas III”. CEA: Maputo, 2011.

PETTER, M. Linguagem, Língua, Linguística. In: FIORIN, J. L. (Org.). Introdução à Linguística I. Objetos Teóricos. São Paulo: Editora Contexto, 2002. p. 11-24.

REGO, S. V. Descrição sistémico-funcional da gramática do modo oracional das orações em Nyungwe. 2012, 268 fls. Tese (Doutorado em Linguística Geral). Lisboa, Portugal, 2012.

SIL International. Por que as Línguas Importam: Alcançando as Metas de Desenvolvimento do Milênio Através das Línguas Locais. Dallas, Texas-US. 2008. Disponível em: http://www-01.sil.org/sil/global/mdg_brochure_a4_portuguese_web.pdf. Acesso em: 20 jun. 2010.

SILVA, J. C. da. Dicionário da Língua Portuguesa medieval. Londrina: EDUEL, 2007.

UNESCO. Declaração Universal dos Direitos Linguísticos. Barcelona-Espanha, 1996. Disponível em: http://www.letras.ufscar.br/linguasagem/edicao21/pdfs/declaracao.pdf. Acesso em: 01 ago. 2015.

UACIQUETE, A. S. Modelo de Administração de Educação em Moçambique (1985-2009). Maputo: Texto Editora, 2011.

Downloads

Publicado

28-11-2016

Como Citar

DE PAULA, M. H.; QUIRAQUE, Z. A. S. A necessidade de uma política linguística inclusiva para o multilinguismo em Moçambique. Domínios de Lingu@gem, [S. l.], v. 10, n. 4, p. 1220–1237, 2016. DOI: 10.14393/DL27-v10n4a2016-1. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/dominiosdelinguagem/article/view/34575. Acesso em: 11 ago. 2022.