A cidadania dos brasileiros sendo forjada nos bastidores

será este o real conteúdo que a escola quer ensinar?

Autores

  • Marilú Fontoura de Medeiros Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)
  • Anamaria Lopes Colla Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS)
  • Carmem Lúcia Lima Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS)
  • Leunice Martins de Oliveira Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS)
  • Fernanda de Medeiros Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS)
  • Lenôra de Oliveira Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS)

DOI:

https://doi.org/10.14393/REVEDFIL.v13n25a1999-795

Palavras-chave:

Cidadania, Escolas, Brasileiros

Resumo

A presente pesquisa contempla o olhar do adolescente e do professor acerca do cotidiano da escola, buscando captar seus bastidores, não somente o declarado, mas o feito ou o não-feito. Atráves da Análise de Discurso e do aporte da construção da subjetividade em Guattari, proura detectar o envolvimento de jovens e de professores do Rio Grande do Sul/Brasil, com a escola e com seu destino, trabalhando seus desejos, imagiários/expectativas e realidades/possibilidades. Os dados vêm evidenciando um voltar-se do adolescente para dimensões de humanidade e de "um fazer-se cidadão", um sujeito, uma subjetividade socioindividualmente construída, embora em manifestações de professores e alunos emerjam situações aparentemente contráditórias ou em oposição supostamente irredutíveis. Mesmo que a escola, como um todo não responda a expectativas dos adolescentes, embora possa fazê-los em fragmentos ou em pequenos nichos, há um clamor - de direito e de fato -  em ser ouvido, na busca de uma real ação intersubjetiva entre os que militam nesse espaço sociopedagógico, de modo que tais agenciamentos permitam pensar a possibilidade de construção da autonomia e da subjetividade social em um sujeito engajado no seu espaço-tempo presente/futuro. 

ABSTRACT:

The present research focuses on the adolescent and teachers' point of view on schools quotidian. Through the speech analysis and the Guattari's subjectivity construction, allows the detection of young people's and teacher's involvement with school and their destiny, working on their wishes, expectations, realities and possibilities. The available data are showing that adolescents and teachers are turning themselves to dimensions of humanity, a subjectivity socially and individually constructed, even with aparently contradictory situations. Although the school itself desconsiders these expectations, there is a wish to be listened and considered, in the search of a real action among those who work in this sociopedagogical space, permitting to think about the autonomy construction, the heterogenesis, the creation of new spaces and times, and the social subjectivity.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marilú Fontoura de Medeiros, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação/PUCRS. Professora Titular pela UFRGS. Professora pesquisadora do CNPq. Doutora em Ciências Humanas/UFRGS. Coordenadora do Grupo de Pesquisa.

Anamaria Lopes Colla, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS)

Professora Adjunto da UFRGS. Mestre em Educação/UFRGS. Doutoranda em Educação/PUCRS.

Carmem Lúcia Lima, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS)

Professora assistente da UNISC. Mestranda em Educação/PUCRS

Leunice Martins de Oliveira, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS)

Professora de 2° grau/SECRS. Mestranda em Educação/PUCRS.

Fernanda de Medeiros, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS)

Bolsista de Iniciação Científica do CNPq, bacharelanda em Direito/PUCRS.

Lenôra de Oliveira, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS)

Bolsista de Iniciação Científica do CNPq, bacharelanda em Direito/PUCRS.

Referências

BENEVIDES, Maria Vitoria de Mesquita. Cidadania e Democracia. Lua Nova. Revista de Cultura e Política. São Paulo: CEDEC, n. 33:4-37, 1994. https://doi.org/10.1590/S0102-64451994000200002

BOGOMOLETZ, David. Crise da cidadania, paroxismo da individualidade. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 100: 31-52, jan/mai, 1990.

CANDAU, Vera Maria. Educação escolar e culturas. Rio de Janeiro: Tecnologia

Educacional. 22 (125): 23-28 jul/ago, 1995. https://doi.org/10.1080/03060497.1995.11085493

COLLA, Anamaria Lopes e outros. O inferno astral de professores e alunos. In: MEDEIROS, Marilú Fontoura de, COLLA, Anamaria Lopes e OLIVEIRA, Leunice Martins de. Pesquisa intitulada "Subjetividade, cidadania e qualidade de vida: o olhar do adolescente e do professor e o cotidiano da escola. Porto Alegre: PPGEducação, PUCRS, 1996.

HELFER, Carmen Lucia de L. e outros. A escola submersa: uma perspectiva amparada no estudo da subjetividade. In.: MEDEIROS, Marilú Fontoura de, COLLA, Anamaria Lopes e OLIVEIRA, Leunice Martins de. Pesquisa intitulada "Subjetividade, cidadania e qualidade de vida: o olhar do adolescente e do professor e o cotidiano da escola. Porto Alegre: PPGEducação, PUCRS, 1996.

GUATTARI, Félix e ROLNIK, Suely. Micropolítica. Cartografias do desejo. Petrópolis: Vozes, 1986.

GUATTARI, Félix e ROLNIK, Suely. Guattari na PUC. Cadernos de Subjetividade. São Paulo: Núcleo de Estudos e Pesquisas da Subjetividade do Programa de Estudos pós Graduados em Psicologia Clínica da PUCSP. 1, n1, 1993. p.9-28.

GUATTARI, Félix e ROLNIK, Suely. Caosmose - um novo paradigma estético. Rio de Janeiro: Editora 34, 1993.

GUATTARI, Félix e ROLNIK, Suely. e DELEUZE, Gilles. Mil platos. Capitalismo e esquizofrenia. Vol.1, Rio de Janeiro: Ed. 34, 1995.

GUATTARI, Félix e ROLNIK, Suely. Mil platos, capitalismo e esquizofrenia. Vol 3. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1996.

GUATTARI, Félix. O novo paradigma estético. O novo paradigma estético. In.: Schnitman, Dora (org.) Paradigmas, cultura e subjetividade Porto Alegre: Artes Médicas, 1996.

GUATTARI, Félix. As três ecologias. Campinas: Papirus, 1990.

KEIL, Ivete M. Dramática: uma perspectiva ética e estética no trabalho escolar. Porto Alegre: Revista do GEEMPA, 4(91-97), 1996.

MEDEIROS, Marilú Fontoura de, RIBEIRO, Eros e KRONBAUER, Ruth Ignácio. Educação ambiental: Uma visão crítica da educação ambiental ou só uma nova roupagem ideológica. Revista Portuguesa de Educação. Braga: Universidade do Minho, 7(1 e 2): 113-126, 1994.

ROLNIK, Suely. Cartografia Sentimental. São Paulo: Estação Liberdade, 1989.

ROLNIK, Suely. Cidadania e alteridade. Porto Alegre: Usina do Gasômetro, SMEC, Oficina, 1992 (mimeo).

ROLNIK, Suely. Cidadania e alteridade. In.: SPINK, Mary(org.) A cidadania em construção,uma reflexão interdisciplinar. São Paulo: Cortez, 1994.

ROLNIK, Suely. Guerra de género ou guerra ao gênero, s/d. (mimeo).

OLIVEIRA, Leunice Martins de e outros. Outros modos de pensar o tempo e o espaço. In.: MEDEIROS, Marilú Fontoura de, COLLA, Anamaria Lopes e OLIVEIRA, Leunice Martins de. Pesquisa intitulada "Subjetividade, cidadania e qualidade de vida: o olhar do adolescente e do professor e o cotidiano da escola. Porto Alegre: PPGEducação, PUCRS, 1996.

MEDEIROS, Marilú Fontoura de. Eixos emergentes na proposta habermasiana e a possibilidade da ação pedagógica crítica e reflexiva. Educação e Filosofia. Uberlândia: UFUb, 8(15):49-65, jan./jun., 1994.

MEDEIROS, Marilú Fontoura de. Paradigma de avaliação emancipatória e ação supervisora: cidadania e espaço público. Educação. Porto Alegre: ano XVIII, 29: 7-30, 1995.

MEDEIROS, Marilú Fontoura de. Esfera pública, soberania e construção da cidadania. Educação. Porto Alegre: EDIPUCRS, v. 22, n. p., 1998 (no prelo).

Downloads

Publicado

2015-10-06

Como Citar

DE MEDEIROS, M. F.; COLLA, A. L.; LIMA, C. L.; DE OLIVEIRA, L. M.; DE MEDEIROS, F.; DE OLIVEIRA, L. A cidadania dos brasileiros sendo forjada nos bastidores: será este o real conteúdo que a escola quer ensinar?. Educação e Filosofia, Uberlândia, v. 13, n. 25, p. 43–58, 2015. DOI: 10.14393/REVEDFIL.v13n25a1999-795. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/EducacaoFilosofia/article/view/795. Acesso em: 2 mar. 2024.