A subjetividade ideal na BNCC: reflexões sobre a formação na Educação Básica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/REVEDFIL.v37n80a2017-66905

Palavras-chave:

Identidade, Subjetividade, BNCC

Resumo

Resumo: O presente artigo tem como objetivo refletir sobre a subjetividade/identidade desejada e propagada no documento da Base Nacional Comum Curricular (BNCC). O documento voltado à formação dos estudantes da educação básica em território brasileiro é tomado, na presente discussão, em sua natureza duplamente política. Para tal, parte-se de uma perspectiva epistemológica pluralista, utilizando-se de conceitos-ferramenta de base foucaultiana e de autores da Sociologia, a saber, Norbert Elias, Zigmunt Bauman, Claude Dubar e Stuart Hall. A partir da discussão de subjetividade, identidade e outros conceitos relevantes às reflexões e problematizações, lança-se um olhar para as 10 competências gerais expressas no documento supracitado. Os excertos selecionados para análise demonstram evocar, validar e propagar subjetividades/identidades ao encontro do que os sociólogos analisam como abertas, móveis, flexíveis, próprias da modernidade tardia ou líquida; além de responsabilizar o sujeito por suas escolhas.

Palavras-chave: Identidade; Subjetividade; BNCC

The ideal subjectivity in the BNCC: reflections on training in Basic Education

Abstract: This article aims to reflect on the subjectivity/identity desired and propagated in the document of the National Common Curricular Base (BNCC). The document aimed at the training of basic education students in Brazilian territory in the present discussion, in its doubly political nature. Therefore, we start from a pluralist epistemological perspective, using Foucaultian-based tool concepts and sociology authors, namely Norbert Elias, Zygmunt Bauman, Claude Dubar, and Stuart Hall. From the discussion of subjectivity, identity, and other concepts relevant to the reflections and problematizations, it launched a look at the 10 general competencies expressed in the aforementioned document. The excerpts selected for analysis show to evoke, validate and propagate subjectivities/identities in line with what sociologists analyze as open, mobile, flexible, typical of late or liquid modernity; in addition to making the subject responsible for their choices.

Key-words: Identity; Subjectivity; BNCC

La subjetividad ideal en la BNCC: reflexiones sobre la formación en Educación Básica

Resumen: Este artículo tiene como objetivo reflexionar sobre la subjetividad/identidad deseada y propagada en el documento de la Base Nacional Común Curricular (BNCC). El documento destinado a la formación de estudiantes de educación básica en territorio brasileño es tomado, en la presente discusión, en su doble naturaleza política. Para ello, partimos de una perspectiva epistemológica pluralista, utilizando conceptos de herramientas basados en Foucault y autores de la sociología, a saber, Norbert Elias, Zigmunt Bauman, Claude Dubar y Stuart Hall. A partir de la discusión sobre la subjetividad, la identidad y otros conceptos relevantes para las reflexiones y problematizaciones, se lanza una mirada a las 10 competencias generales expresadas en el citado documento. Los extractos seleccionados para el análisis demuestran evocar, validar y propagar subjetividades/identidades en línea con lo que los sociólogos analizan como abierto, móvil, flexible, propio de la modernidad tardía o líquida; además de responsabilizar al sujeto de sus elecciones.

Palabras clave: Identidad; Subjetividad; BNCC

Data de registro: 08/09/2022

Data de aceite: 22/03/2023

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jeice Campregher, Centro Universitário Leonardo da Vinci (Uniasselvi)

Doutoranda em Educação pela Universidade Regional de Blumenau (FURB). Professora em Centro Universitário Leonardo da Vinci (Uniasselvi) e professora de Língua Portuguesa e Literatura no Ensino Médio (EJA). E-mail: professorajeice@gmail.com. Lattes: http://lattes.cnpq.br/7485238155830906. ORCID: https://orcid.org/0000-0002-1888-505X.

Rita de Cássia Marchi, Universidade Regional de Blumenau (FURB)

Doutora em Sociologia (UFSC/PARIS V). Professora da Universidade Regional de Blumenau (FURB). E-mail: atoseditora@gmail.com. Lattes: http://lattes.cnpq.br/5465980470952901. ORCID: https://orcid.org/0000-0002-3408-2732.

Cássia Ferri, Universidade Regional de Blumenau (FURB)

Doutora em Educação pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). Professora de Educação na Universidade Regional de Blumenau (FURB). E-mail: cferri@furb.br. Lattes: http://lattes.cnpq.br/5382776332548256. ORCID: https://orcid.org/0000-0003-2774-9655.

Referências

BALL, Stephen J.. What is policy? Texts, trajectories and toolboxes. Discourse, London, v. 13, n. 2, p. 10-17, 1993. Disponível em: https://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/0159630930130203. Acesso em: 13 ago. 2022. DOI: https://doi.org/10.1080/0159630930130203.

BALL, Stephen J.; MAGUIRE, Meg; BRAUN, Annette. Como as escolas fazem as políticas: atuação em escolas secundárias. Tradução de Janete. Bridon. Ponta Grossa: Editora UEPG, 2016.

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade Líquida. Tradução: Plínio Dentzien. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2001.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC, 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Secretaria de Educação Básica – Brasília: MEC, SEB, 2010.

DUBAR, Claude. A socialização: construção das identidades sociais e profissionais. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

ELIAS, Norbert. A sociedade dos indivíduos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1994.

EWALD, Ariane Patrícia; SOARES, Jorge Coelho. Identidade e subjetividade numa era de incerteza. Estudos de Psicologia, 2007,12(1) 23-30. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-294X2007000100003.

FERNANDES, Cleudemar Alves. Discurso e sujeito em Michel Foucault. São Paulo: Intermeios, 2012.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir: nascimento da prisão. Tradução de Lígia M. Ponde Vassalo. Petrópolis: Vozes, 1987.

FOUCAULT, Michel. Então é importante pensar? Entrevista com Didier Eribon. Libération, n° 15-30-31 maio de 1981, p. 21. Traduzido a partir de FOUCAULT, Michel. Dits et Écrits. Paris: Gallimard, 1994, vol. IV, p. 178-182, por Wanderson Flor do Nascimento.

FOUCAULT, Michel. O sujeito e o poder. In: DREYFUS, Hubert.; RABINOW, Paul. Michel Foucault, uma trajetória filosófica. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995. p. 231-249.

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense, 2002.

FOUCAULT, Michel. Estratégia, poder-saber. Coleção Ditos e escritos IV. Estratégia, Poder-Saber. MOTTA, Manoel de Barros da (Org.). Tradução: Vera Lucia Avellar Ribeiro. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2003.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso. Tradução de Laura Fraga de Almeida Sampaio. 16.ed. São Paulo: Loyola, 2008.

GALLO, Sílvio. Biopolítica e subjetividade: resistência? Educar em Revista, Curitiba, n. 66, p. 77-94, out./dez. 2017. DOI: https://doi.org/10.1590/0104-4060.53865.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. 11. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

LAZARETTI, Lucinéia Maria. Cadê o conteúdo que estava aqui? Interlocuções entre a Base Nacional Comum Curricular e Educação Infantil. In.: MALANCHEN, Julia.; MATOS, Neide da Silveira Duarte de; ORSO, Paulino José (Orgs). In: A pedagogia histórico-crítica, as políticas educacionais e a Base Nacional Comum Curricular. Campinas: Autores Associados, 2020.

MAINARDES, Jefferson. A pesquisa no campo da política educacional: perspectivas teórico-epistemológicas e o lugar do pluralismo. Revista Brasileira de Educação, v. 23 e230034 2018. DOI: https://doi.org/10.1590/s1413-24782018230034.

MARCHI, Rita. C. O “ofício de aluno” e o “ofício de criança”: articulações entre a sociologia da educação e a sociologia da infância. Revista Portuguesa de Educação, v. 23, n.1, 2010, p. 183-202. DOI: https://doi.org/10.21814/rpe.13983.

MENEZES, Tatyana Dias. Identidade e subjetividade: uma reflexão sobre o que é ser mulher. Revista Letra Capital, v. 1, n. 1, jan./jun. 2016, p. 70-91.

PÉREZ GOMÉZ, Ángel I. Educação na era digital: a escola educativa. Porto Alegre: Penso, 2015.

PIMENTEL, Glaybe Antonio Sousa; CORRÊA, Paulo Sérgio de Almeida. A Biopolítica Curricular e Subjetivação do Trabalho Docente. Margens - Revista Interdisciplinar da Divisão de Pesquisa e Pós-Graduação/ Campus Universitário de Abaetetuba/Baixo Tocantins/UFPA - v. 8, n. 12 (Jun/2015) Abaetetuba/PA: UFPA, 2015.

RAMOS, Marise Nogueira. Pedagogia das competências: autonomia ou adaptação? 3ed. São Paulo: Cortez, 2006.

SAVIANI, Demerval. História das ideias pedagógicas no Brasil. 4 ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2013.

VEIGA-NETO, Alfredo. Michel Foucault e os estudos culturais In: COSTA, Marisa Vorraber (Org.). Estudos culturais em educação: mídia, arquitetura, brinquedo, biologia, literatura, cinema. Porto Alegre. Ed. Universidade/UFRGS, 2000. p. 37-69.

VEIGA-NETO, Alfredo. Foucault e a Educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.

Downloads

Publicado

2023-12-12

Como Citar

CAMPREGHER, J.; MARCHI, R. de C.; FERRI, C. A subjetividade ideal na BNCC: reflexões sobre a formação na Educação Básica. Educação e Filosofia, Uberlândia, v. 37, n. 80, p. 979–1012, 2023. DOI: 10.14393/REVEDFIL.v37n80a2017-66905. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/EducacaoFilosofia/article/view/66905. Acesso em: 17 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos