“Tornarmo-nos o que nunca fomos”: a versão pós-humanista de Foucault para o mote tradicional da formação humana

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/REVEDFIL.v37n80a2017-66773

Palavras-chave:

Formação, Humanismo, Pós-humanismo, Foucault, Nietzsche, Heidegger

Resumo

Resumo: A máxima de Píndaro “torna-te o que tu és” representou por muito tempo o mote da formação humana, pautada historicamente por diversos humanismos, até ser ressignificada em um perspectiva pós-humanista por Nietzsche, que a retoma no subtítulo de sua obra autobiográfica Ecce Homo. Coube a Foucault, no entanto, apresentar uma versão transformada da velha máxima. “Tornarmo-nos o que nunca fomos” é a reivindicação de um cuidado de si liberto dos pressupostos metafísicos e ideológicos dos muitos humanismos que almejam impor tipos humanos universais. O objetivo deste artigo é recuperar as linhas gerais desse movimento histórico-filosófico em dois momentos: primeiro, na transformação do sentido originário da máxima de Píndaro no uso que Nietzsche faz dela; depois, na crítica ao humanismo que segue com Heidegger e desemboca em Foucault. Argumenta-se que a versão foucaultiana da máxima de Píndaro, “torna-te o que nunca fostes”, pode ser assumida como um lema da formação pós-humanista.

Palavras-chave: Formação; Humanismo; Pós-humanismo; Nietzsche; Foucault

“To become what we have never been”: Foucault’s post-humanist version of the traditional motto of human formation

Abstract: Pindar’s maxim “become what you are” represented for a long time the motto of human formation, historically guided by different humanisms, until it was re-signified in a post-humanist perspective by Nietzsche, who takes it up in the subtitle of his autobiographical work Ecce Homo. It was up to Foucault, however, to present a transformed version of the old maxim. “We have become what we have never been” is the demand for self-care freed from the metaphysical and ideological assumptions of the many humanisms that aim to impose universal human types. The aim of this article is to recover the general guidelines of this historical-philosophical movement in two moments: first, in the transformation of the original meaning of Pindar’s maxim in the use that Nietzsche makes of it; then, in the critique of humanism that follows with Heidegger and ends in Foucault. It is argued that the Foucauldian version of Pindar’s maxim, “become what you have never been”, may be assumed as a motto of post-humanist education.

Key-words: Formation; Humanism; Post-humanism; Nietzsche; Foucault

“Convertirse en algo que nunca se ha sido”: la versión poshumanista de Foucault para el mote tradicional de la formación humana

Resumen: La máxima de Píndaro “conviértete en lo que tú eres” representó desde hace mucho tiempo el mote de la formación humana, pautada históricamente por diversos humanismos, hasta ser resignificada en una perspectiva poshumanista por Nietzche, que retoma en el subtítulo de su obra autobiográfica Ecce Homo. Sin embargo, cupo a Foucault presentar una versión transformada desde la vieja máxima. “Convertirse en algo que nunca se ha sido” es el reclamo de un cuidado de uno mismo liberto de los supuestos metafísicos e ideológicos de los muchos humanismos que desean imponer tipos humanos universales. El objetivo de este estudio es recuperar las líneas generales de ese movimiento histórico-filosófico en dos momentos: primero, en el cambio del sentido originario de la máxima de Píndaro en el uso que Nietzche hizo de ella; enseguida, en la crítica al humanismo que sigue con Heidegger y termina en Foucault. Se argumenta que la versión foucaultiana de la máxima de Píndaro, “Conviértete en lo que nunca has sido”, puede ser asumida como lema de la formación poshumanista.

Palabras-clave: Formación; Humanismo; Poshumanismo; Nietzche; Foucault

Data de registro: 22/08/2022

Data de aceite: 13/12/2022

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcelo José Doro, Universidade de Passo Fundo (UPF)

Doutor em Educação pela Universidade de Passo Fundo (UPF). Professor do curso de Filosofia e do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade de Passo Fundo (UPF). E-mail: marcelodoro@upf.br. Lattes: http://lattes.cnpq.br/3322617152883131. ORCID: https://orcid.org/0000-0001-9765-1958.

Miguel da Silva Rossetto, Universidade de Passo FundoUniversidade de Passo Fundo (UPF)

Doutor em Educação pela Universidade de Passo Fundo (UPF). Professor do curso de Filosofia e da área de Ética e Conhecimento da Universidade de Passo Fundo (UPF). E-mail: miguel.rossetto@upf.br. Lattes: http://lattes.cnpq.br/1423730694499470. ORCID: http://orcid.org/0000-0001-6889-7983.

Referências

DAVIES, Tony. Humanism. London; New York: Routledge, 1997.

DOSSE, François. História do estruturalismo, v.1: o campo do signo, 1945-1966. São Paulo: Ensaio; Campinas-SP: Editora da Universidade Estadual de Campinas, 1993.

FIANCO, Francisco. Camelo, leão e criança: Nietzsche e as metamorfoses do espírito. In: DORO, Marcelo J. (Org.). O livro dos bichos e da filosofia. Passo Fundo: Sapo Morra, 2021, p. 127-232.

FOUCAULT, Michel. A hermenêutica do Sujeito: curso dado no Collège de France (1981-1982). 3. ed. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2010a.

FOUCAULT, Michel. Arqueologia das ciências e história dos sistemas de pensamento. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2000.

FOUCAULT, Michel. As palavras e as coisas: uma arqueologia das ciências humanas. 8. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1999a.

FOUCAULT, Michel. Ética, sexualidade, política. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2004.

FOUCAULT, Michel. Filosofia, diagnóstico do presente e verdade. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2014.

FOUCAULT, Michel. Problematização do sujeito: psicologia, psiquiatria e psicanálise. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1999b.

FOUCAULT, Michel. Repensar a política. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010b.

GROS, Frédéric. Situação do curso. In: FOUCAULT, Michel. A hermenêutica do Sujeito: curso dado no Collège de France (1981-1982). 3. ed. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2010, p. 455-493.

JAEGER, Werner. Paideia: a formação do homem grego. Trad. Artur M. Perreira. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2013.

HEIDEGGER, Martin. A teoria platônica da verdade. In: HEIDEGGER, Martin. Marcas do caminho. Tradução de Enio Paulo Giachini e Ernildo Stein. Petrópolis: Vozes, 2008, p. 189-214.

HEIDEGGER, Martin. Carta sobre o humanismo. 2. ed. rev. São Paulo: Centauro, 2005.

HEIDEGGER, Martin. Ser e tempo. Trad. de Márcia Sá Cavalcante Schuback. 4. ed. Petrópolis: Vozes, 2009.

MENDONÇA, Samuel. Educação como crítica de si: a trajetória de Friedrich Nietzsche. Filosofia e Educação, v. 6, n. 1, p. 134–146, 2014. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rfe/article/view/8635389. Acesso em: 9 mai. 2022. DOI: https://doi.org/10.20396/rfe.v6i1.8635389.

NASSER, Eduardo. “Como tornar-se o que se é”: si-mesmidade e fatalismo em Nietzsche. Revista Dissertatio de Filosofia, v. 33, 189-226, 2011. Disponível em: https://periodicos.ufpel.edu.br/ojs2/index.php/dissertatio/article/view/8723. Acesso em: 31 jan. 2021. DOI: https://doi.org/10.15210/dissertatio.v33i0.8723.

NEHAMAS, Alexander. Nietzsche, life as literature. Cambridge: Harvard University Press, 1985.

NIETZSCHE, Friedrich. Além do bem e do mal: prelúdio a uma filosofia do futuro. Trad de Paulo C. de Souza. 2. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

NIETZSCHE, Friedrich. Assim falou Zaratustra: um livro para todos e para ninguém. Trad de Paulo C. de Souza. São Paulo: Companhia de Bolso, 2018.

NIETZSCHE, Friedrich. Ecce homo: como alguém se torna o que é. Trad de Paulo C. de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

NIETZSCHE, Friedrich. Humano, demasiado humano: um livro para espíritos livres. Trad de Paulo C. de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

ORTEGA, Francisco. Amizade e estética da existência em Foucault. Rio de Janeiro: Edições Graal Ltda., 1999.

PÍNDARO. Epinícios e fragmentos. Introdução, tradução e notas de Roosevelt Rocha. Curitiba: Kotter Editorial Ltda, 2018.

PÍNDARO. Odas y fragmentos. Introducciones, traducción y notas de Alfonso Ortega. Madrid: Editorial Gredos, 1984.

VIESENTEINER, Jorge L. O problema da intencionalidade na fórmula “como alguém se torna o que se é” de Nietzsche. Revista Dissertatio, Pelotas, v. 31, p. 97-117, 2010. Disponível em: https://periodicos.ufpel.edu.br/ojs2/index.php/dissertatio/article/view/8782. Acesso em: 31 jan. 2021. DOI: https://doi.org/10.15210/dissertatio.v31i0.8782.

Downloads

Publicado

2023-12-12

Como Citar

DORO, M. J.; ROSSETTO, M. da S. “Tornarmo-nos o que nunca fomos”: a versão pós-humanista de Foucault para o mote tradicional da formação humana. Educação e Filosofia, Uberlândia, v. 37, n. 80, p. 933–954, 2023. DOI: 10.14393/REVEDFIL.v37n80a2017-66773. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/EducacaoFilosofia/article/view/66773. Acesso em: 15 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos