Grito. Gaguejo. Silêncio. (modos de re-existir na docência)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/REVEDFIL.v36n78a2022-65508

Palavras-chave:

Grito, Gaguejo, Silêncio, Voz docente

Resumo

Resumo: O texto é um exercício de pensamento, a partir de textos filosóficos e de experiências vivenciadas por seu autor e sua autora, sobre a voz docente e os lugares por ela ocupados, com base em três de suas expressões que, aqui, funcionam como figuras analíticas: o grito, o gaguejo e o silêncio. Elas são tomadas a partir de sua força acontecimental e não individualizante, apontando para as forças do fora deleuziano em seu encontro com a ação docente e em suas possibilidades de criação. Com tais motes vislumbram-se, ao longo do texto, gestos que narram e se propõem a ampliar reflexões sobre uma experiência de docência que, ao resistir à captura, aponta para a re-existência dos próprios professores, e para outros modos de gritar, gaguejar e silenciar.

Palavras-chave: Grito. Gaguejo. Silêncio. Voz docente.

Shout. Stutter. Silence. Ways of re-existing in teaching

Abstract: This text is an analytical exercise about the teaching voice and the places it occupies, based on philosophical texts and experiences lived by its authors. Three of this voice expressions function here as analytical figures: the shout, the stutter and the silence. They are taken from their event-based and non-individualizing force, pointing to the powers of the Deleuzian outside in their encounter with the teaching action and in their possibilities of creation. Gestures that narrate and propose to expand reflections on a teaching experience can be glimpsed throughout the text. They are based on a way of teaching experience that, by resisting capture, points to the re-existence of the teachers themselves, and to other ways of shouting, stuttering and silencing.

Keywords: Scream. Stutter. Silence. Teachers voice.

Grito. Tartamudeo. Silencio. Modos de reexistir en la docencia

Resumen: El texto es un ejercicio de reflexión, a partir de textos filosóficos y experiencias vividas por sus autores, sobre la voz docente y los lugares que ocupa a partir de tres de sus expresiones que, aquí, funcionan como figuras analíticas: el grito, el tartamudeo y el silencio. Tales expresiones son analizadas desde su fuerza acontecimiental y no individualizadora, y apuntan a las fuerzas del “afuera” deleuziano en su encuentro con la acción docente y en sus posibilidades de creación. Desde ahí se vislumbran a lo largo del texto gestos que narran y proponen ampliar reflexiones sobre una experiencia docente, que, al resistirse a la captura, apunta a la reexistencia de los propios docentes, y a otras formas de gritar, tartamudear y silenciar.

Data de registro: 25/04/2022

Data de aceite: 26/10/2022

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

André Bocchetti, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)

Doutor em Educação pela Universidade de São Paulo (USP). Professor Adjunto da Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). E-mail: andreb.ufrj@gmail.com. Lattes: http://lattes.cnpq.br/5057082184074025. ORCID: https://orcid.org/0000-0002-9773-4734.

Teresa Nico Rego Gonçalves, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)

Doutora em Educação e Sociedade na Universidad de Sevilla (US). Professora Adjunta da Faculdade de Educação e do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). E-mail: teresanrgoncalves@gmail.com. Lattes: http://lattes.cnpq.br/9101792815651430. ORCID: https://orcid.org/0000-0003-0573-1454.

Referências

ANTUNES, António Lobo. Que farei quando tudo arde? Lisboa: Publicações Dom Quixote, 2001.

ANZALDÚA, Gloria. Falando em línguas: uma carta para as mulheres escritoras do terceiro mundo. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, ano 8, p. 229-236, 2000. Disponível em: http://educa.fcc.org.br/pdf/ref/v08n01/v08n01a17.pdf. Acesso em: 19 maio 2023.

AQUINO, Julio Groppa. A escrita como modo de vida: conexões e desdobramentos educacionais. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 37, n. 3, p. 641-656, 2011. DOI: https://doi.org/10.1590/S1517-97022011000300013. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ep/a/b7FFTzshGGNFw63pYvxCtjs. Acesso em: 19 maio 2023.

BIESTA, Gert. Para além da aprendizagem: educação democrática para um futuro humano. Belo Horizonte: Autêntica, 2013.

BLANCHOT, Maurice. A conversa infinita 2: a experiência-limite. São Paulo: Escuta, 2007.

BUTLER, Judith. Corpos em aliança e a política das ruas: notas para uma teoria performática da assembleia. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2018.

CONSIDERAÇÃO superior, À. Cais do Olhar, [s. l.], 26 abr. 1974. Disponível em: http://caisdoolhar.blogspot.com/2010/05/consideracao-superior.html. Acesso em: 3 ago. 2019.

DELEUZE, Gilles. Crítica e clínica. São Paulo: Ed. 34, 1997.

DELEUZE, Gilles. Lógica do sentido. São Paulo: Perspectiva, 2015.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Felix. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia. São Paulo: Ed. 34, 2000. (v. 3).

DIDI-HUBERMAN, Georges. Sobrevivência dos vaga-lumes. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2011.

FOUCAULT, Michel. Ditos e Escritos VI: Repensar a Política. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2013.

FOUCAULT, Michel. História da Sexualidade 1: a vontade de saber. Rio de Janeiro: Graal, 1988.

FOUCAULT, Michel. Nietzsche, Freud e Marx – Theatrum Philosoficum. São Paulo: Princípio, 1997.

FOUCAULT, Michel. O belo perigo: conversa com Claude Bonnefoy. Belo Horizonte: Autêntica, 2016.

FOUCAULT, Michel. O enigma da revolta: entrevistas inéditas sobre a Revolução Iraniana. São Paulo: n-1, 2018.

FOUCAULT, Michel. Uma entrevista com Michel Foucault. Verve, São Paulo, n. 5, p. 240-259, 2004. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/verve/article/view/4994. Acesso em: 19 maio 2023.

GALLO, Sílvio. Em torno de uma educação menor. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 27, n. 2, p. 169-178, 2002. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/educacaoerealidade/article/view/25926. Acesso em: 19 maio 2023.

GIL, José. Pequenas percepções. In: LINS, Daniel (Org.). Razão Nômade. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2005. p. 19-32.

GONÇALVES, Teresa; BOCCHETTI, André; VALENTIM, Igor. Desviar das formas para caminhar na docência: modos colaborativos de interromper uma lógica formativa. In: CRUZ, Giseli; OLIVEIRA, Ana; NASCIMENTO, Maria (Orgs.). Ensino de Didática: entre ressignificações e possibilidades. Curitiba: Editora CRV, 2017. p. 139-155.

INGOLD, Tim. Anthropology and/as Education. New York: Routledge, 2018.

LAPOUJADE, David. Deleuze, os movimentos aberrantes. São Paulo: n-1, 2015.

LARROSA, Jorge. Tremores: escritos sobre experiência. Belo Horizonte: Autêntica, 2015.

LARROSA, Jorge. Universidade. In: LARROSA, Jorge; RECHIA, Karen. P de professor. São Carlos: Pedro & João Editores, 2018. p. 483-493.

LEPECKI, André. Movimento na pausa. Tradução de Ana Luiza Braga. São Paulo: n-1, 2020. Disponível em: https://www.n-1edicoes.org/textos/147. Acesso em: 2 out. 2020.

LIBRANDI, Marília. Escrever de ouvido: Clarice Lispector e os romances da escuta. Belo Horizonte: Relicário, 2020.

MASSUMI, Brian. Politics of Affect. Cambridge: Polity Press, 2015.

MAZZEI, Lisa. A voice without organs: interviewing in posthumanist research. International Journal of Qualitative Studies in Education, [s. l.], v. 26, n. 6, p. 732-740, 2013. DOI: https://doi.org/10.1080/09518398.2013.788761. Disponível em: https://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/09518398.2013.788761. Acesso em: 19 maio 2023.

MENEZES, Paulo Roberto Arruda de. A pintura trágica de Edvard Munch: um ensaio sobre a pintura e as marteladas de Nietzsche. Tempo Social, São Paulo, v. 5, n. 1-2, p. 67-111, 1993. DOI: https://doi.org/10.1590/ts.v5i1/2.84944. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ts/a/vNdFx4HpTdnFNjvFhf9qvZM. Acesso em: 19 maio 2023.

NANCY, Jean-Luc. A comunidade inoperada. Rio de Janeiro: 7Letras, 2016.

NANCY, Jean-Luc. À escuta. Belo Horizonte: Chão de Feira, 2014.

POMBO, Olga (Org.). Quatro Textos Excêntricos. Lisboa: Relógio D’Água, 2000.

RANCIÈRE, Jacques. O mestre ignorante: cinco lições sobre a emancipação intelectual. Belo Horizonte: Autêntica, 2010.

ROLNIK, Suely. Esferas da Insurreição. Notas para uma vida não cafetinada. São Paulo: n-1 Edições, 2018.

ROLNIK, Suely. Cartografia Sentimental, Transformações contemporâneas do desejo. São Paulo: Editora Estação Liberdade, 1989.

ROSA, João Guimarães. A terceira margem do rio. In: ROSA, João Guimarães. Pequenas Estórias. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 2001, p. 79-85.

VELOSO, Caetano. A terceira margem do rio. Polygram, 1992.

Downloads

Publicado

2022-12-15

Como Citar

BOCCHETTI, A.; GONÇALVES, T. N. R. Grito. Gaguejo. Silêncio. (modos de re-existir na docência). Educação e Filosofia, Uberlândia, v. 36, n. 78, p. 1417–1447, 2022. DOI: 10.14393/REVEDFIL.v36n78a2022-65508. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/EducacaoFilosofia/article/view/65508. Acesso em: 22 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos