As possibilidades do cinema no ensino das humanidades

Autores

  • André Luis La Salvia Universidade Federal do ABC - UFABC

DOI:

https://doi.org/10.14393/REVEDFIL.v35n75a2021-62999

Palavras-chave:

filosofia do cinema, ensino de humanidades, didática, ensino, humanidades, cinema, Deleuze, Cabrera

Resumo

Resumo: Tradicionalmente usado como ilustração e sensibilização de conteúdos curriculares, propomos neste artigo um outro modo de usar cinema como recurso didático no ensino de humanidades. Em um primeiro momento, fazemos uma crítica acerca das práticas mais usuais, levantando o problema se com elas o cinema de fato pensa. Em um segundo momento, a partir da concepção proposta por Gilles Deleuze, propomos encarar o cinema como instaurador de processos mentais através de suas técnicas de enquadramento, decupagem e montagem. Confrontamos a proposta de Deleuze com a de Julio Cabrera para analisar criticamente a relação do pensamento com o cinema. Discutimos teoricamente esta distinção e também apresentamos práticas didáticas possíveis relacionadas a ambos os procedimentos. O artigo procura refletir tanto sobre as teorias quanto as práticas possíveis tendo em vista a relação pensamento e cinema.

Palavras-chave: ensino; filosofia do cinema; humanidades; cinema.

 

The possibilities of cinema in humanities teaching

Abstract: Traditionally used as an illustration and sensitization of curriculum content, we propose in this article another way of using cinema as a didactic resource in humanities education. At first, we criticize the most common practices, raising the issue of whether cinema really thinks with them. In a second moment, based on the conception proposed by Gilles Deleuze, we propose to face cinema as the instigator of mental processes through its framing, decoupage and editing techniques. We compare Deleuze's proposal with Julio Cabrera's to critically analyze the relationship between thought and cinema. We theoretically discuss this distinction and also present possible didactic practices related to both procedures. The article seeks to reflect on both theories and possible practices in the relationship between thought and cinema.

Key-words: teaching; film philosophy; humanities; cinema

 

Las posibilidades del cine en la enseñanza de las humanidades

Resumen: Tradicionalmente utilizado como ilustración y conciencia de los contenidos curriculares, proponemos en este artículo otra forma de utilizar el cine como recurso didáctico en la educación en humanidades. En un primer momento, criticamos las prácticas más habituales, planteando la cuestión de si el cine realmente piensa en ellas. En un segundo momento, partiendo de la concepción propuesta por Gilles Deleuze, nos proponemos afrontar el cine como impulsor de los procesos mentales a través de sus técnicas de encuadre, decoupage y edición. Comparamos la propuesta de Deleuze con la de Julio Cabrera para analizar críticamente la relación entre pensamiento y cine. Teóricamente discutimos esta distinción y también presentamos posibles prácticas didácticas relacionadas con ambos procedimientos. El artículo busca reflexionar tanto sobre teorías como posibles prácticas ante la relación entre pensamiento y cine.

Palabras clave: docencia; filosofía del cine; humanidades; cine.

 

Data de registro: 30/08/2021
Data de aceite: 16/02/2022

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

André Luis La Salvia, Universidade Federal do ABC - UFABC

Doutor em Filosofia pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Professor Adjunto da Universidade Federal do ABC (UFABC). E-mail: la.salvia@ufabc.edu.br. Orcid: https://orcid.org/0000-0002-1111-5052. Lattes: http://lattes.cnpq.br/5840163842088553

Referências

BENJAMIN, Walter. A obra de arte na época de sua reprodutibilidade técnica. Trad. José Lino Grunnewald. Editora Abril, São Paulo, 1979.

BERGSON, Henri. Matéria e Memória. Ensaio sobre a relação do corpo com o espírito. São Paulo, Ed. Martins Fontes, 1999.

_______________. Evolução Criadora. Rio de Janeiro, Jorge Zahar Editores, 1979.

CABRERA, Julio. De Hitchcock a Greenaway pela história da filosofia: novas reflexões sobre cinema e filosofia. São Paulo: Nankin editorial, 2007.

_____________. O cinema pensa, uma introdução a filosofia através dos filmes, RoccoDigital, 2005

CRUZ, Fernando Rógerio da. A imagéité e seus interstícios num livro de filosofia. In: Maria da Conceição Souza Carvalho, Carmem Lúcia de Oliveira Cabral. (Org.). Por uma pedagogia do ensino de filosofia. 1ed.teresina: EDUFPI, 2015, p. 93-108.

DELEUZE, Gilles. A imagem-movimento. Trad. Stella Senra. São Paulo: Brasiliense, 1985

______________. A imagem-tempo. Trad. Eloisa de Araujo Ribeiro. São Paulo: Brasiliense, 2011.

DUHAMEL, Georges. Scenes de la vie future. Mercure de France, Paris, 1948.

GALLO, S. A filosofia e seu ensino, conceito e transversalidade. Ethica, Rio de Janeiro, v.13, n.1, 2006, p 17-35.

MORÁN, J. M. O vídeo na sala de aula. Comunicação e Educação, São Paulo, (2): p.27 a 35, jan./abr. 1995. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9125.v0i2p27-35

MORIN, Edgard. As estrelas: mito e sedução no cinema. Tradução [da 3. ed. Francesa] Luciano Trigo. Rio de Janeiro: José Olympio, 1989.

MUNSTEMBERG, Hugo. A atenção. In. XAVIER, Ismail. (orgs). A experiência do cinema. Ed Graal, Rio de Janeiro, 1983, p.27 a 36.

NAPOLITANO, M. Como usar o cinema em sala de aula. Editora Contexto, São Paulo, 2003.

OHATA, M. (Org.). Eduardo Coutinho. São Paulo: Cosac Naify: SESC, 2014.

PEREIRA, Marinê S. arte e ensino de filosofia no pibid-ufabc. IN: MIRANDA, Meiri A. G. de C.; ALVIM, Márcia H. (orgs). Reflexões sobre as ações do Pibid/UFABC: contribuições à valorização do magistério e ao aprimoramento da formação de professores para a Educação Básica /. - 1. ed. - Rio de Janeiro: Autografia, 2016, p.46-61.

Downloads

Publicado

2022-02-23

Como Citar

La Salvia, A. L. (2022). As possibilidades do cinema no ensino das humanidades. EDUCAÇÃO E FILOSOFIA, 35(75). https://doi.org/10.14393/REVEDFIL.v35n75a2021-62999

Edição

Seção

Artigos