A filosofia erva-daninha como uma proposta para a descolonização de saberes na educação e resistência aos desafios contemporâneos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/REVEDFIL.v36n77a2022-55781

Palavras-chave:

colonialidade, diferenças, pluralidade, direitos humanos, monocultura

Resumo

Resumo: A educação brasileira está estruturada a partir da colonialidade do saber (QUIJANO, 2005) que permeia a história do nosso território, determinando uma monocultura da mente (SHIVA, 2003) por meio da qual entendemos o mundo. No entanto uma educação que tem em seu cerne currículos monoculturais e silencia de diferentes maneiras o pensamento próprio e local leva a uma relação subalterna com o conhecimento. Diante de enormes desafios que o mundo contemporâneo em crise tem imposto, é necessário que repensemos os currículos escolares a fim de promover uma educação mais significativa para o mundo que está por vir. Com este artigo, temos como objetivo apontar caminhos para lidar com as diferenças no contexto escolar, ressignificando o que de fato é “daninho” para o mundo de hoje. Analisaremos a relação entre a monocultura da mente e do solo e a colonialidade do saber, apontando o potencial dos saberes não hegemônicos para resistir à colonialidade e suas consequências. Traremos como proposta uma filosofia erva-daninha que procura aprender com aquilo que foi descartado e considerado “daninho” pelo saber hegemônico, e que apresenta saberes e estratégias que nos permitem resistir aos desafios contemporâneos de maneira humanizada.

Palavras-chave: Colonialidade. Diferenças. Pluralidade. Direitos Humanos. Monocultura.

The weed philosophy as a proposal for the decolonization of knowledge in education and resistance to contemporary challenges

 

Abstract: Brazilian education is structured based on the coloniality of knowledge (QUIJANO, 2005) that permeates the history of our territory, determining a monoculture of the mind (SHIVA, 2003) in the way we understand the world. However, an education that has monocultural curricula at its core silences own and local thinking in different ways, leads to a subordinate relationship with knowledge. In view of the enormous challenges that the contemporary world in crisis has imposed, it is necessary that we rethink school curricula in order to promote a more meaningful education for the world to come. With this article, we aim to point out ways to deal with differences in the school context, redefining what is in fact “harmful” for today's world. We will analyze the relationship between the monoculture of mind and soil and the coloniality of knowledge, pointing out the potential of non-hegemonic knowledge to resist coloniality and its consequences. We will bring as a proposal a weed philosophy that seeks to learn from what was discarded and considered “harmful” by hegemonic knowledge, and that presents knowledge and strategies that allow us to resist contemporary challenges in a humanized way.

Keywords: Coloniality. Differences. Plurality. Human Rights. Monoculture. 

La filosofía de la maleza como propuesta de descolonización del saber en educación y resistencia a los desafíos contemporáneos 

Resumen: La educación brasileña está estructurada en base a la colonialidad del saber (QUIJANO, 2005) que impregna la historia de nuestro territorio, determinando un monocultivo de la mente (SHIVA, 2003) en la forma en que entendemos el mundo. Sin embargo, una educación que tiene currículos monoculturales en su núcleo y silencia de diferentes maneras el pensamiento proprio e local, conduce a una relación subordinada com el conocimiento. Frente a los enormes desafíos que el mundo contemporáneo en crisis ha impuesto, necesitamos repensar los planes de estudio escolares para promover una educación más significativa para el mundo venidero. Con este artículo, nuestro objetivo es señalar formas de lidiar con las diferencias en el contexto escolar, volviendo a significar lo que de hecho es “perjudicial” para el mundo de hoy. Analizaremos la relación entre el monocultivo de la mente y el suelo y la colonialidad del saber, señalando el potencial del saber no hegemónico para resistir la colonialidad y sus consecuencias. Traeremos como propuesta una filosofía de la maleza que busca aprender de lo descartado y considerado “nocivo” por los saberes hegemónicos, y que presenta saberes y estrategias que nos permiten resistir los desafíos contemporáneos de forma humanizada. 

Palabras clave: Colonialidad. Diferencias. Pluralidad. Derechos Humanos. Monocultivo.

Data de registro: 29/06/2020

Data de aceite: 19/01/2022

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Amanda Veloso Garcia, IFRJ/Pinheiral

* Doutora em Educação pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP). Professora de Filosofia no Instituto Federal do Rio de Janeiro (IFRJ). E-mail: amanda.veloso.garcia@gmail.com. CV: http://lattes.cnpq.br/4460179213419650. ORCID: https://orcid.org/0000-0002-4959-8256.

Referências

ADICHIE, Chimamanda. Discurso proferido por Chimamanda Adichie no evento TED Global em 2009. Ted Talks, [s. l.], 2009. Disponível em: http://www.ted.com/talks/chimamanda_adichie_the_danger_of_a_single_story?language=pt#t-1026978. Acesso em: 20 set. 2018.

ARROYO, Miguel González. Currículo, território em disputa. Petrópolis: Vozes, 2012.

CARNEIRO, Aparecida Sueli. A construção do outro como não-ser como fundamento do ser. Tese (Doutorado em educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil Platôs: Capitalismo e Esquizofrenia. São Paulo: Editora 34, 1995. (v. 1).

DERRIDA, Jacques. Margens da Filosofia. Tradução de Joaquim Torres Costa. São Paulo: Editora Papirus, 1991.

DUSSEL, Enrique. A New Age in the history of philosophy: the world dialogue between philosophical traditions. Prajñã Vihãra: Journal of Philosophy and Religion, [s. l.], v. 9, n. 1, p. 1-21, 2008.

FOUCAULT, Michel. Nascimento da biopolítica. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 17. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

GROSFOGUEL, Ramón. A estrutura do conhecimento nas universidades ocidentalizadas: racismo/sexismo epistêmico e os quatro genocídios/epistemicídios do longo século XVI. Revista Sociedade e Estado, Brasília, v. 31, n. 1, p. 25-49, 2016. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-69922016000100003. Disponível em: https://www.scielo.br/j/se/a/xpNFtGdzw4F3dpF6yZVVGgt. Acesso em: 23 jan. 2023.

GROSFOGUEL, Ramón. Para descolonizar os estudos de economia política e os estudos pós-coloniais: transmodernidade, pensamento de fronteira e colonialidade global. In: SANTOS, Boaventura Santos; MENESES, Maria Paula (Orgs.). Epistemologias do Sul. São Paulo: Cortez Editora, 2010. p. 455-491. https://doi.org/10.12957/periferia.2009.3428

GUATTARI, Félix. Revolução molecular: pulsações políticas do desejo. 2. ed. São Paulo: Brasiliense, 1985.

HOOKS, bell. Educação democrática. In: CÁSSIO, Fernando (Org.). Educação contra a barbárie: por escolas democráticas e pela liberdade de ensinar. São Paulo: Editora Boitempo, 2019. p. 199-207.

KILOMBA, Grada. Memórias da plantação: episódios de racismo cotidiano. Rio de Janeiro: Editora Cobogó, 2019.

KOPENAWA, Davi; ALBERT, Bruce. A queda do céu: palavras de um xamã yanomami. Tradução de Beatriz Perrone-Moisés. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

KRENAK, Ailton. A História também pode se repetir como tragédia: uma entrevista com Ailton Krenak. [Entrevista concedida a] Hugo Albuquerque e Jean Tible. Jacobin Brasil, São Paulo, 26 mar. 2020. Disponível em: https://jacobin.com.br/2020/03/a-historia-tambem-pode-se-repetir-como-tragedia/. Acesso em: 26 mar. 2020.

KRENAK, Ailton. Ideias para adiar o fim do mundo. São Paulo: Companhia das letras, 2019.

MIGNOLO, Walter D. Colonialidade: o lado mais escuro da modernidade. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 32, n. 94, e329402, 2017. DOI: https://doi.org/10.17666/329402/2017. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbcsoc/a/nKwQNPrx5Zr3yrMjh7tCZVk/abstract/. Acesso em: 23 jan. 2023.

OYĚWÙMÍ, Oyèrónkẹ́. The invention of women: making an African sense of western gender discourses. Minneapolis: University of Minnesota Press, 2021.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidad del Poder, Cultura y Conocimiento en América Latina. Anuário Mariateguiano, Lima, v. 9, n. 9, 1997.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidad y modernidad/racionalidad. Perú Indígena, [s. l.], v. 13, n. 29, p. 11-20, 1992.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidad y modernidade-racionalidad. In: PALERMO, Zulma; PABLO, Quintero (Orgs.). Aníbal Quijano: textos de fundación. 1. ed. Ciudad Autónoma de Buenos Aires: Del Signo, 2014. p. 11-20.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, Edgardo (Org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Buenos Aires: Conselho Latino-americano de Ciências Sociais (CLACSO), 2005. p. 08-23.

RIBEIRO, Djamila. Eu me arrependo dos meus silêncios. Folha de São Paulo, São Paulo, 30 ago. 2019. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/colunas/djamila-ribeiro/2019/08/eu-me-arrependo-dos-meus-silencios.shtml. Acesso em: 1 set. 2019.

SANTOS, Antônio Bispo dos. Colonização, Quilombos: modos e significados. Brasília: INCTI: UnB, 2015.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Renovar a teoria crítica e reinventar a emancipação social. São Paulo: Boitempo, 2007.

SANTOS, Boaventura de Sousa; MENESES, Maria Paula (Orgs.). Epistemologias do Sul. São Paulo: Cortez Editora, 2010.

SHIVA, Vandana. Monoculturas da mente: perspectivas da biodiversidade e da biotecnologia. São Paulo: Gaia, 2003.

SILVA, Tomaz Tadeu da. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Editora Autêntica, 1999.

TAVARES, Manuel. Recensão crítica da obra Epistemologias do Sul, organizada por Boaventura de Sousa Santos e Maria Paula Meneses. Revista Lusófona de Educação, Campo Grande, v. 13, n. 13, p. 183-189, 2009.

TSING, Anna Lowenhaupt. Margens indomáveis: cogumelos como espécies companheiras. Ilha – Revista de Antropologia, Florianópolis, v. 17, n. 1, p. 177-201, 2015. DOI: https://doi.org/10.5007/2175-8034.2015v17n1p177. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/ilha/article/view/2175-8034.2015v17n1p177. Acesso em: 23 jan. 2023.

VANDANA SHIVA - Monoculturas da mente. [S. l.: s. n.], 2014. 1 vídeo (2 min). Publicado pelo canal Fronteiras do Pensamento. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=Jol6obrtCpg. Acesso em: 11 out. 2018.

Downloads

Publicado

2022-06-15

Como Citar

GARCIA, A. V. A filosofia erva-daninha como uma proposta para a descolonização de saberes na educação e resistência aos desafios contemporâneos. Educação e Filosofia, Uberlândia, v. 36, n. 77, p. 685–728, 2022. DOI: 10.14393/REVEDFIL.v36n77a2022-55781. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/EducacaoFilosofia/article/view/55781. Acesso em: 14 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos