Moral Asepsis in Education

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/REVEDFIL.v35n73a2021-54953

Palavras-chave:

Ethics, Moral, Education, Human Condition

Resumo

Moral asepsis in education

Abstract: The purpose of this article is to question the alleged dissociation between ethics and morals and its consequences for the education, from a hermeneutic perspective. Starting from the hypothesis that theorizations and educational and pedagogical ramifications have been disregarding the discussions on morals and their normative, prescriptive and even pragmatic demands, for the adoption of a posture of permanent suspension, relativization and criticism, at theoretical and practical levels. Such a perspective, in educational contexts, would lead to the abandonment and refusal of reasonable and minimally stable values, which are essential to the justification of the very reason for educating. Consequently, these writings have three key purposes: to understand the causes of the controversial, although necessary, dissociation between ethics and morals; to question the relationship between human becoming, its educational capacity and the moral subject; and to demonstrate the correspondence between ethics, morals and education.

Keywords: Ethics; Moral; Education; Human Condition.

De la asepsia moral en la educación

Resumen: El presente artículo problematiza, a la luz de una perspectiva hermenéutica, el supuesto de la disociabilidad entre la ética y la moral y sus consecuencias para la educación. Parte de la hipótesis que las teorizaciones y desdoblamientos educativos y pedagógicos han pasado a través de los debates sobre la moral y sus demandas normativas, prescriptivas y hasta pragmáticas, en el nombre de la adopción, tanto a nivel teórico como práctico, una postura de permanente suspensión, relativización y crítica. En contextos educativos, tal perspectiva conduciría al abandono y rechazo de valores razonables y mínimamente estables, indispensables para la justificación de la propria razón para educar. Ante esto, estos escritos se orientan según tres propósitos fundamentales: comprender las causas de la controvertida, aunque necesaria, disociación entre ética y moral; problematizar la relación entre el devenir humano, su educabilidad y la cuestión moral; y demostrar la copertenencia entre ética, moral y educación.

Palabras clave: Ética; Moral; Educación; Condición humana.

Da assepsia moral na educação

Resumo: O presente artigo problematiza, à luz de uma perspectiva hermenêutica, o suposto da dissociabilidade entre ética e moral e suas consequências para a educação. Parte da hipótese de que as teorizações e os desdobramentos educacionais e pedagógicos têm preterido as discussões sobre a moral e as suas demandas normativas, prescritivas e até pragmáticas, em nome da adoção, tanto em nível teórico quanto prático, de uma postura de permanente suspensão, relativização e crítica. Em contextos educativos, tal perspectiva estaria conduzindo ao abandono e à recusa de valores razoáveis e minimamente estáveis, indispensáveis à justificação da própria razão de educar. Diante disso, estes escritos orientam-se segundo três propósitos fundamentais: compreender as causas da controversa, apesar de necessária, dissociação entre ética e moral; problematizar a relação entre o devir humano, a sua educabilidade e a questão moral; e demonstrar a copertença entre ética, moral e educação.

Palavras-chave: Ética; Moral; Educação; Condição Humana.

Data de registro: 21/05/2020

Data de aceite: 29/09/2021

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vania Lisa Fischer Cossetin, Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (UNIJUI)

* Doutora em Filosofia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC). Professora na Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (UNIJUI). E-mail: vania.cossetin@unijui.edu.br . Orcid: https://orcid.org/0000-0001-8722-9235 . Lattes: http://lattes.cnpq.br/6579568245153815

Referências

AGAMBEN, G. O aberto: o homem e o animal. Tradução e Pedro Mendes. 2. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2017. (Coleção Sujeito e História).

ARENDT, H. Entre o passado e o futuro. Tradução Mauro W. Barbosa. 7. ed. São Paulo: Editora Perspectiva, 2014.

CORTINA, A. Ética mínima: introdução à filosofia prática. Tradução de Marcos Marcionilo. São Paulo: Martins Fontes, 2009. (Coleção Dialética).

CORTINA, A. Ética sem moral. Tradução de Marcos Marcionilo. Rio de Janeiro: Martins Fontes, 2010.

CORTINA, A. Cidadãos do mundo: para uma teoria da cidadania. Tradução de Silvana Cobucci Leite. Edições Loyola: São Paulo, 2005.

CORTINA, A. O fazer ético: Guia para a educação moral. Tradução de Cristina Antunes. São Paulo: Moderna, 2003. (Coleção Educação em pauta).

ESTATUTO DA INFANCIA E DA ADOLESCÊNCIA. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8069.htm. Acesso em: 26/05/2019.

FERRY, L. A revolução do amor: por uma espiritualidade laica. Tradução de Véra L. dos Reis. Rio de Janeiro: Objetiva, 2012

FREUD, S. (1895). Projeto para uma Psicologia Científica. In: Obras psicológicas completas de Sigmund Freud, Vol.1. Rio de Janeiro: Imago, 1990.

GADAMER, H-G. O problema da consciência histórica. Organização de Pierre Fruchon; tradução de Cesar Duque Estrada. 3. ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006.

HABERMAS, J. Pensamento pós-metafísico. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1990.

HEGEL, G. W. F. Phänomenologie des Geistes. 3. ed. Frankfurt am Main: Suhrkamp, 1996.

HERMANN, N. Pluralidade e ética em educação. Rio de Janeiro: DP&A, 2001.

JAEGER, W. Paideia: a formação do homem grego. Tradução de Artur M. Parreira. 6 ed. São Paulo: Martins Fontes, 2013. (Coleção Clássicos WMF).

KANT, I. Sobre a Pedagogia. Tradução Francisco Cock Fontanella. São Paulo: Ed. Unimep, 1996.

KANT, I. Crítica da razão prática. Tradução Valério Rohden. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

KHEL, M. R. Em defesa da família tentacular. Fronteiras do Pensamento, 01 de janeiro de 2013. Disponível em: https://www.fronteiras.com/artigos/maria-rita-kehl-em-defesa-da-familia-tentacular. Acesso em: 27 de setembro de 2018.

LA TAILLE, T. Formação ética: do tédio ao respeito de si. Porto alegre: Artmed, 2009.

LEOPOLDO E SILVA, F. A invenção do pós-humano. In: NOVAES, A. (Org.). A condição humana: as aventuras do homem em tempos de mutações. São Paulo: Edições SESC SP, 2009.

LIMA VAZ, H. C de. Escritos de filosofia IV: introdução à ética filosófica I. 6. ed. São Paulo, Loyola, 2012. (Coleção Filosofia; 47)

LIPOVETSKY, G. A sociedade pós-moralista: o crepúsculo do dever e a ética indolor dos novos tempos democráticos. Tradução de Armando Braio Ara. São Paulo: Manole, 2005.

MARQUES, M. O. Pedagogia: a ciência do educador. Ijuí: Unijuí, 1996.

NIETZSCHE, F. W. A vontade de poder. Trad. Marcos Sinésio Pereira Fernandes e Francisco José Dias de Moraes. Rio de Janeiro: Contraponto, 2008.

NIETZSCHE, F. W. Genealogia da moral. Trad. de Paulo César Souza. São Paulo: Brasiliense, 1987.

PLATÃO, Menon. Estabelecido e anotado por John Burnet. Tradução de Maura Iglésias. Rio de Janeiro: Loyola, 2001.

SAFATLE, W. O dever e seus impasses. São Paulo: Martins Fontes, 2013. (Coleção Filosofias: o prazer do pensar).

SAVATER, F. O valor do educar. Tradução Monica Stahel. 2. ed. São Paulo: Planeta, 2012.

TUGENDHAT, E. Lições sobre ética. Tradução de Róbson R. dos Reis, Aloísio Ruedell, Fernando P. de A. Fleck, Ernildo Stein, Joãozinho Bechenkamp, Mariene Kolb, Mario Fleig, Ronai Rocha. Rio de Janeiro: Vozes, 2012.

Downloads

Publicado

2021-10-29

Como Citar

COSSETIN, V. L. F. Moral Asepsis in Education. Educação e Filosofia, Uberlândia, v. 35, n. 73, p. 393–422, 2021. DOI: 10.14393/REVEDFIL.v35n73a2021-54953. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/EducacaoFilosofia/article/view/54953. Acesso em: 15 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos