Agostinho da Silva, de engajado filólogo a humanista militante e crítico:

itinerário seareiro em tempos de formação do Salazarismo (1928-1933)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/REVEDFIL.v34n71a2020-53262

Palavras-chave:

Agostinho da Silva, Seara Nova, Crítica dos intelectuais e do salazarismo, Helenismo e humanismo, Modernização europeísta

Resumo

Agostinho da Silva, de engajado filólogo a humanista militante e crítico: itinerário seareiro em tempos de formação do Salazarismo (1928-1933)

Resumo: Este estudo reconstitui o itinerário teórico-político de Agostinho da Silva entre os anos de 1928 e 1933, sobretudo através da análise de uma série de artigos que publicou na Seara Nova, relevante revista portuguesa de “doutrina e crítica”. À luz desse recorte temático-cronológico, o viés aqui privilegiado perspectiva: 1) uma parte pouco conhecida, porém representativa, da obra de juventude de Agostinho da Silva, por meio da qual podemos conhecer a atuação de um jovem e polêmico filólogo, engajado numa ofensiva de renovação dos Estudos Clássicos em Portugal, ao arrepio do establishment intelectual; 2) a gestação do humanismo militante e crítico que, doravante, se estabelecerá como fundamento decisivo do seu pensamento e ação; e 3) a institucionalização coetânea, no plano macro-político, do Estado Novo de Antônio de Oliveira Salazar. Ao chegar às considerações finais, poderá o leitor compreender a forma como os três aspectos analisados ao longo do estudo encontram-se estreitamente articulados, na medida em que quedará demonstrado como a trajetória teórica e política do jovem pensador recapitula as grandes questões daquela conjuntura portuguesa e europeia do Entre-Guerras. Nesse sentido, a história do indivíduo, aqui, é também retrato condensado de uma época.

Palavras-chave: Agostinho da Silva; Seara Nova; Crítica dos intelectuais e do salazarismo; Helenismo e humanismo; Modernização europeísta.

Agostinho da Silva, from engaged philologist to militant and critical humanist: a Seara Nova collaborator’s path in times of formation of Salazarism (1928-1933)

Abstract: This study reconstructs the theoretical-political path of Agostinho da Silva between the years of 1928 and 1933, mainly through the analysis of a series of articles published in Seara Nova, a relevant Portuguese journal of “doctrine and criticism”. In the light of this thematic and chronological approach, the point of view distinguished here focuses on: 1) a little-known, but representative, part of Agostinho da Silva's youth work, through which we can know the performance of a young and polemical philologist, engaged in an offensive to renew the Classical Studies in Portugal, against the intellectual establishment; 2) the gestation of the militant and critical Humanism that will henceforth be established as the decisive foundation of his thought and action; and 3) the contemporary institutionalization, at the macro-political level, of the New State led by Antonio de Oliveira Salazar. Upon reaching the final considerations, the reader will be able to understand how the three aspects analyzed throughout the study are closely articulated, inasmuch as it will be demonstrated how the theoretical and political trajectory of the young thinker recapitulates the major issues of that Portuguese and European context of the interwar period. In this sense, the history of the individual, here, is also the condensed portrait of an era.

Keywords: Agostinho da Silva; Seara Nova; Criticism of the intellectuals and of Salazarism; Hellenism and Humanism; Europeanist modernization.

Agostinho da Silva, de filólogo comprometido a humanista militante y crítico: itinerario seareiro en tiempos de formación del Salazarismo (1928-1933)

Resumen: Este estudio reconstituye el itinerario teórico-político de Agostinho da Silva entre los años 1928 y 1933, sobre todo a través del análisis de una serie de artículos que publicó en Seara Nova, una relevante revista portuguesa de “doctrina y crítica”. A la luz de este abordaje temático-cronológico, el punto de vista aquí privilegiado enfoca: 1) una parte poco conocida pero representativa de la obra de juventud de Agostinho da Silva, a través de la cual podemos conocer la actuación de un joven y polémico filólogo, comprometido en una ofensiva para renovar los Estudios Clásicos en Portugal, contra el establishment intelectual; 2) la gestación del humanismo militante y crítico que en adelante se establecerá como la base decisiva de su pensamiento y acción; y 3) la institucionalización coetánea, a nivel macropolítico, del Estado Nuevo de Antonio de Oliveira Salazar. Al llegar a las consideraciones finales, el lector podrá comprender cómo se articulan estrechamente los tres aspectos analizados a lo largo del estudio, en la medida en que quedará demostrado cómo la trayectoria teórica y política del joven pensador recapitula las grandes cuestiones de aquella coyuntura portuguesa y europea de entreguerras. En este sentido, la historia del individuo, aquí, es también el retrato condensado de una época.

Palabras clave: Agostinho da Silva; Seara Nova; Crítica de los intelectuales y del salazarismo; Helenismo y humanismo; Modernización europeísta.

Data de registro: 20/03/2020
Data de aceite: 23/09/2020

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Amon Pinho, Universidade Federal de Uberlândia (UFU)

* Pós-doutor em Filosofia pela Universidade de Lisboa, Doutor em História pela Universidade de São Paulo, Professor Associado no Instituto de História da Universidade Federal de Uberlândia e Pesquisador Associado no Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa. E-mail: amon@ufu.br  ORCID: https://orcid.org/0000-0003-3704-0682

Referências

DUARTE, Manuel Dias. História da Filosofia em Portugal nas suas conexões políticas e sociais. Lisboa: Livros Horizonte, 1987.

MEDINA, João. Salazar, Hitler e Franco: estudos sobre Salazar e a Ditadura. Lisboa: Livros Horizonte, 2000.

MEDINA, João (dir.). História de Portugal: dos tempos pré-históricos aos nossos dias, v. XI, Amadora, Portugal: Ediclube, 1995.

RAMOS, Rui. A Segunda Fundação (1890-1926). Lisboa: Editorial Estampa, 1994. (História de Portugal, v. 6.)

ROSAS, Fernando. O Estado Novo (1926-1974). Lisboa: Editorial Estampa, 1994. (História de Portugal, v. 7.)

SEARA NOVA, Lisboa, n. 1, 2, 133, 154, 180, 184, 185, 192, 202, 293, 298, 324, 338, 342, 346, 412, 500-503, 552 e 558, 15 out. 1921 a 23 abr. 1938.

SÉRGIO, Antônio. Ensaios, tomos III e VI. Lisboa: Livraria Sá da Costa Editora, 1980.

SILVA, Agostinho da. Obras de Agostinho da Silva, 12 vols. Organização de Paulo Borges e Helena Maria Briosa e Mota. Lisboa: Âncora, 1999-2003.

______. Filosofia enquanto Poesia: Sete cartas a um jovem filósofo, Conversação com Diotima, Filosofia nova e outros escritos. Organização de Amon Pinho. São Paulo: É Realizações, 2019.

Downloads

Publicado

2021-02-05

Como Citar

Pinho, A. (2021). Agostinho da Silva, de engajado filólogo a humanista militante e crítico:: itinerário seareiro em tempos de formação do Salazarismo (1928-1933). EDUCAÇÃO E FILOSOFIA, 34(71), 607–678. https://doi.org/10.14393/REVEDFIL.v34n71a2020-53262