Educação Filosófica e Magia: A experimentação de outros processos de subjetivação

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/REVEDFIL.v33n68a2019-51969

Palavras-chave:

Educação Filosófica, Magia, Processos de Subjetivação, Biopolítica, Michel Foucault

Resumo

Resumo: Defendo que a relação entre filosofia e magia possibilita processos de subjetivação para experimentarmos outro tipo de educação filosófica, que possa resistir à biopolítica e ao neoliberalismo na contemporaneidade. Faço uma caracterização de ambos como um tipo de poder enfeitiçador que se enraizou em nossa subjetividade. Partindo de uma leitura anarqueológica sobre o pensamento de Michel Foucault, procuro conceituar os processos de subjetivação, evidenciando como a cronologia ocidental silenciou a magia, experiência-limite para a filosofia, da mesma maneira que teço algumas considerações sobre como esse paradigma nos conduz a experimentar outro tipo de educação filosófica, mais atenta à erótica e ao resgate de saberes e práticas originárias.

Palavras-Chave: Educação filosófica. Magia. Processos de subjetivação. Biopolítica. Michel Foucault.

Philosophical Education and Magic: The experimentation of other subjectivation Processes

Abstract: I argue that the relationship between philosophy and magic enables subjectivation processes for us to experiment with another kind of philosophical education, which can resist contemporary biopolitics and neoliberalism. I characterize them both as a kind of bewitching power that has taken root in our subjectivity. Starting from an archeological reading on Michel Foucault's thought, I seek to conceptualize the processes of subjectivation, highlighting how Western chronology has silenced magic, the limiting experience for philosophy, just as I make some considerations on how this paradigm leads us to experiment with another kind of philosophical education, more attentive to the erotica and to the rescue of originary knowledge and practices.

Keywords: Philosophical education. Magic. Subjectivation processes. Biopolitics. Michel Foucault.

Éducation philosophique et Magie : l’expérience d’autres processus de subjectivation

Résumé: Je défends que la relation entre la philosophie et la magie nous permet d’avoir des processus de subjectivation pour expérimenter un autre type d’éducation philosophique, qui peut résister à la biopolitique et au néolibéralisme dans la contemporanéité. Je fais une caractérisation des deux comme un type de pouvoir enchanteur qui s’enracine dans notre subjectivité. En partant d’une lecture anarchéologique sur la pensée de Michel Foucault, je cherche à conceptualiser les processus de subjectivation, en mettant en évidence la manière dont la chronologie occidentale a mis au silence la magie, expérience-limite pour la philosophie, de la même manière que je tisse quelques considérations sur la manière dont ce paradigme nous conduit à expérimenter un autre type d’éducation philosophique, plus attentif à l’érotique et au sauvetage des savoirs et pratiques originaires.

Mots-clés: Éducation philosophique. Magie. Processus de subjectivation. Biopolitique. Michel Foucault.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tiago Brentam Perencini , Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP)

Mestre em Educação pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP). Doutorando em Educação pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. E-mail: tiagaobp@yahoo.com.br ORCID: https://orcid.org/0000-0001-7742-4387

Referências

AGAMBEN, G. Uso dos corpos. Trad. Selvino J. Assman, 1ª ed., São Paulo: Boitempo, 2017.

______. O fogo e o relato: ensaios sobre criação, escrita, arte e livros, trad. Andrea Santurbano, Patricia Peterle, 1ª ed. São Paulo: Boitempo, 2018.

BENVENISTE, É. Problèmes de linguistique générale, v. 1, Paris: Gallimard, 1966.

______. Problemas de linguística geral, v. 1, 5 ed., trad. Eduardo Guimarães, Campinas: Pontes, 2005.

CARVALHO, A. F. Anarqueologia e aleturgia em Foucault: ¿e se as verdades fossem outras para a educação? In: CORTÉS, O. P.; VACA, M. T. S.; BERNAL, O. O. E; (org). Pensar de otro modo. Herramientas filosóficas para investigar en educación. Tunja, Editorial UPTC: 2017.

CASTRO, E. Introdução a Giorgio Agamben: uma arqueologia da potência. Trad. Beatriz de Almeida Magalhães, 1ª reimpressão, Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2013.

COMITÊ INVISÍVEL, Aos nossos amigos – crise e insurreição. São Paulo: n-1 edições, 2018.

DELEUZE, G. Foucault. Trad. Claudia Sant’Anna Martins; revisão Renato Janine Ribeiro. São Paulo: Brasiliense, 2013.

______. La subjetivación: curso sobre Foucault III, 1ª ed., Ciudad Autónoma de Buenos Aires: Cactus, 2015.

DERRIDA, J. A farmácia de Platão. São Paulo: Iluminuras, 2015.

DETIENNE, M. Os mestres da verdade na Grécia arcaica. Prefácio Pierre Vidal-Naquet; Trad. Ivone C. Benedetti, São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2013.

DOSSE, F. Gilles Deleuze & Félix Guattari: biografia cruzada. Porto Alegre: Artes Médicas, 2010.

DREYFUS, H. L. e RABINOW, P. Michel Focault: Uma Trajetória Filosófica Para além do estruturalismo e da hermenêutica. Trad. Vera Porto Carrero, Introd. Antonio Carlos Maia. Rio de Janeiro: Forense Universitária: 1995.

EDWALD, F. Magazine Littéraire, nº 257, set. 1988.

FEDERICI, S. Calibã e a bruxa: mulheres, corpo e acumulação primitiva. Trad. Coletivo Sycorax, São Paulo, Elefante, 2017.

FOUCAULT, M. As palavras e as coisas. Uma arqueologia das ciências humanas. Trad. Salma Tannus Muchail, 8ª ed., Martins Fontes: São Paulo, 2002a.

______. Em defesa da sociedade – curso no Collège de France (1975-1976). São Paulo: Martins Fontes, 2002b.

______. A vida dos homens infames. In: ______. Estratégia, poder-saber. Ditos e escritos IV., p. 203-222, Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2003.

______. Ditos e Escritos II. Arqueologia das ciências e história dos sistemas de pensamento. Org. e Sel. De Textos Manoel Barros da Motta. Trad. Elisa Monteiro, 2ª ed., Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008b.

______. A hermenêutica do sujeito: curso dado no Collége de France (1981 – 1982). 3ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

______. Do governo dos vivos: curso no Collège de France (1979 – 1980) Trad. Eduardo Brandão, São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2014.

GUATTARI, F. Revolução Molecular: Pulsações políticas do desejo. 3ª ed. São Paulo: Editora Brasiliense, 1985.

HAN, B-C. Agonia do eros. Trad. Enio Paulo Giachini, Petrópolis: Vozes, 2017.

LAZZARATO, M. Sujeição e servidão no capitalismo contemporâneo. Cadernos da subjetividade, v. 12, p. 168-179, São Paulo, 2010, Disponível em: https://cadernosdesubjetividade.wordpress.com/. Acesso em: 14/06/2018.

______. Signos, máquinas, subjetividades. Trad. Paulo Domenech Oneto, Colab. Hortência Lancastre. 1ª ed. São Paulo: Edições Sesc São Paulo, n-1 edições, 2014.

MASSCHELEIN, J.; SIMONS, M. A pedagogia, a democracia, a escola. 1ª ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2014.

MAUSS, Marcel. Sociologia e Antropologia. São Paulo: Cosac & Naify, 2003.

NALLI, M. Possibilidades e limites da cura nos textos protoarqueológicos de Michel Foucault. Trans/Form/Ação, Marilia, v. 34, n. 2, p. 155-177, 2011. https://doi.org/10.1590/S0101-31732011000200009

______. O quimono e o turbante: O oriente em Michel Foucault. In: NALLI, M.; MANSANO, S. R. V. (org). Michel Foucault em múltiplas perspectivas. p. 193-211, Londrina: Eduel, 2013.

PAGNI, P. A. Considerações sobre a educação filosófica no ensino médio e o seu sentido ético-formativo. In: SEVERINO, A. J.; LORIERI, M. A. O papel formativo da filosofia. Jundiaí: Paco Editorial, 2016.

PÉLBART, P. P. Biopolítica. Sala Preta. v. 7, p. 57 a 66, 2007. https://doi.org/10.11606/issn.2238-3867.v7i0p57-66

STENGERS, I. No tempo das catástrofes – resistir à barbárie que se aproxima, Trad. Eloisa Araújo Ribeiro, São Paulo: Cosac Naify, 2015.

______. Reativar o animismo. Caderno de Leitura, Trad. Jamille Ribeiro Dias, nº 62, Belo Horizonte: Edições Chão da Feira, 2017.

VERNANT, J. P. As origens do pensamento grego. Rio de Janeiro: Difel, 2002.

VEYNE, P. Foucault: seu pensamento, sua pessoa. Trad. Marcelo Jacques de Morais, Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011.

Downloads

Publicado

2020-12-01

Como Citar

Perencini , T. B. . (2020). Educação Filosófica e Magia: A experimentação de outros processos de subjetivação. EDUCAÇÃO E FILOSOFIA, 33(68), 685–720. https://doi.org/10.14393/REVEDFIL.v33n68a2019-51969

Edição

Seção

Dossiê Entre o governo das diferenças e os corpos ingovernáveis: potência da vid