A "bildung" hegeliana ainda nos é uma proposta possível?

Autores

  • Marcos Fábio Alexandre Nicolau Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA)

DOI:

https://doi.org/10.14393/REVEDFIL.issn.0102-6801.v29n58a2015-p647a663

Palavras-chave:

Bildung. Aperfeiçoamento. Reconhecimento. Educação contemporânea.

Resumo

*Doutor em Educação pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Professor Assistente do Curso de Filosofia e Colaborador no Mestrado Profissional em Saúde da Família da Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA).

A bildung hegeliana ainda nos é uma proposta possível?

Resumo: Meu intuito neste artigo é saber se a Bildung, em seu matiz hegeliano, pode ser ainda uma proposta válida e fornecedora de valores capazes de viabilizar uma alternativa a problemas do âmbito educacional. Isso porque o ideal da Bildung em Hegel não deixa de ser marcado pela esperança de um progresso, de um aperfeiçoamento, que alguns descartam por não poder tomá-lo como algo efetível, realizável ou concretizável, além de estabelecer um necessitarismo formativo que constrange os indivíduos a um determinado tipo de formação. A partir de uma leitura pedagógica da obra hegeliana, almejo apresentar elementos que ainda tornam sua proposta formativa válida na contemporaneidade, rebatendo algumas críticas quanto a sua viabilidade.

Palavras-chave: Bildung. Aperfeiçoamento. Reconhecimento. Educação contemporânea.

A bildung hegeliana ainda nos é uma proposta possível?

Abstract: My purpose in this article is to know if the Bildung in its Hegelian hue, can still be a valid tender and provider of values that are capable to enable an alternative to problems of the educational context. That's because the ideal of Bildung in Hegel does not let not be marked by the hope of a progress, an improvement that some cast off because they can not take it as something effective, achievable or realizable, besides to establish a formative need which constrains individuals a specific kind of training. From a pedagogical reading of Hegel's work I intend to introduce elements that still make his formative proposal valid in the con­temporary society, rebutting some criticism regarding its viability.

Keywords: Bildung. Improvement. Acknowledgement. Contemporary education.

Data de registro: 26/03/2014

Data de aceite: 21/01/2015

Referências:

ARISTÓTELES. Metafísica - Livros I e II. São Paulo: Abril Cultural, 1974 (Coleção Os Pensadores).

BARBOSA, R. A formação pela ciência: Schelling e a ideia de universidade. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2010.

GADAMER, H.-G. Verdad y método. Salamanca: Sígueme, 1984.

GUR-ZE'EV, I. A Bildung e a teoria crítica na era da educação pós-moderna. Linhas Críticas, Brasília, V. 12, n. 22, p. 5-22, jul./dez. 2006.

HEGEL, G. W. F. Correpondance I - 1785-1812. Tradução de Jean Carrère. Paris: Gallimard, 1962.

_____. Fenomenologia do espírito. V. I. Tradução de Paulo Meneses com colaboração de Karl-Heinz Efken. Petrópolis: Vozes, 2001.

_____. Enciclopédia das ciências filosóficas em compêndio III: filosofia do Espírito. Tradução de Paulo Meneses. São Paulo: Loyola, 1995.

_____. Rede zum Schuljahrabschluss am 14. September 1810. In: MOLDENHAUER,

E.; MICHEL, K. M. (Org.). Hegel Werke in 20 Bänden - V. 4 - Nürnberger und Heidelberger Schriften: 1808-1917. Frankfurt am Main: Suhrkamp, 1996.

_____. Lições sobre a história da filosofia. Tradução Joaquim Nabuco. São Paulo: Abril Cultural, 1974. (Coleção Os Pensadores).

_____. Filosofia do direito. Tradução de Paulo Meneses, et al. São Paulo: Edições Loyola, 2010.

HOUAISS. A; VILLAR, M. de S; FRANCO, F. M. de. M. Dicionário Houaiss da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.

HUIZINGA, J. Homo ludens. Tradução de Eugenio Imaz. Madrid: Alianza Editorial, 2007.

LESSING, G. E. Escritos filosóficos y teológicos. Tradução Augustin Andreu Rodrigo. Madrid: Editora Nacional, 1982.

QUINTALE NETO, F. Para uma interpretação do conceito de Bildungsroman.

Pandemonium Germanicum, São Paulo, v. 8, n. 9, p. 185-205, Out. 2005.

SCHMIED-KOWARZIK, W. Pedagogia dialética: de Aristóteles a Paulo

Freire. São Paulo: Brasiliense, 1988.

_____. Hegel e a pedagogia. In: DALBOSCO, C.A.; FLICKINGER, H.G.

(Org.). Educação e maioridade: dimensões da racionalidade pedagógica.

São Paulo / PassoFundo: Cortez / Ed. da Universidade de Passo Fundo, p.

153-179, 2005.

SPEIGHT, A. Hegel, Literature and the problem of agency. Cambridge:Cambridge University Press, 2001. https://doi.org/10.1017/CBO9780511612831

SUAREZ, R. Nota sobre o conceito de Bildung (formação cultural). Kriterion, Belo Horizonte, n. 12, p. 191-198, Dez. 2005.

VATTIMO, G. Da Nietzsche a Huntington, como evitare lo scontro de civiltà nella Babbel postmoderna: Solo l'estetica ci puó salvare. La Stampa, 31 de Ottobre 2001, p. 32. Disponível em: <http://www.archiviolastampa.it/component/option,com_lastampa/task,search/mod,libera/action,viewer/Itemid,3/page,32/articleid,0346_01_2001_0300_0032_3091573/anews,-true/>. Acesso em: 02 Dez. 2014. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcos Fábio Alexandre Nicolau, Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA)

Doutor em Educação pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Professor Assistente do Curso de Filosofia e Colaborador no Mestrado Profissional em Saúde da Família da Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA). E-mail: marcosmcj@yahoo.com.br

Downloads

Publicado

2016-03-21

Como Citar

Nicolau, M. F. A. (2016). A "bildung" hegeliana ainda nos é uma proposta possível?. EDUCAÇÃO E FILOSOFIA, 29(58), 647–663. https://doi.org/10.14393/REVEDFIL.issn.0102-6801.v29n58a2015-p647a663