O Projeto Principal de Educação e a internacionalização da reforma curricular latino-americana: reverberações na BNCC

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/REPOD-v13n2a2024-70974

Palavras-chave:

Política Educacional, Projeto Principal, Reformas Curriculares

Resumo

Este artigo teve como objetivo analisar os boletins informativos publicados pela Unesco/Orealc, de 1982 a 1999, para orientar o Projeto Principal de Educação e a reforma curricular na América-Latina, em particular a BNCC, no Brasil. Tratou-se de uma pesquisa de caráter documental fundamentada pelos pressupostos teórico-metodológicos de Shiroma, Campos e Garcia (2005). Por meio da análise do discurso, foi possível identificar que o Projeto Principal de Educação influenciou a construção da política educacional brasileira com alguns princípios, tais como: a gestão financeira da educação, o aluno como protagonista no processo de ensino-aprendizagem e o desenvolvimento de habilidades para atender às demandas do mercado de trabalho.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Bruno Nicolau Cerine da Cruz, Universidade Estadual de Maringá - Brasil

Mestre em Educação. Universidade Estadual de Maringá (Doutorando em Educação), Maringá, Paraná, Brasil.

Jorge Henrique de Lima Monteiro, Universidade Estadual de Maringá - Brasil

Mestre em Educação. Universidade Estadual de Maringá (Doutorando em Educação), Maringá, Paraná, Brasil.

Telma Adriana Pacifico Martineli, Universidade Estadual de Maringá - Brasil

Doutora em Educação. Universidade Estadual de Maringá (Docente no Departamento de Educação Física e no Programa de Pós-Graduação em Educação), Maringá, Paraná, Brasil.

Referências

ARGENTINA. Ley nº 26.206. Ley de Educación Nacional. 2006. Disponível em: http://www.inet.edu.ar/wp-content/uploads/2013/03/ley_de_educ_nac1.pdf. Acesso em 20/09/2023.

BORGES, K. P. Eu vejo o futuro repetir o passado: BNCC, neoliberalismo e o retorno aos anos 1990. Revista Pedagógica, v. 22, p. 1-24, 2020. Disponível em: https://bell.unochapeco.edu.br/revistas/index.php/pedagogica/article/view/5676. Acesso em: 02 jan. 2024. DOI: https://doi.org/10.22196/rp.v22i0.5676.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC/SEF, 2018. 472p.

CERINE DA CRUZ, B. Políticas educacionais e curriculares no Brasil, Chile e Uruguai: especificidades da Educação Física e do Esporte na Educação Básica. 2021. 260f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estadual de Maringá, Maringá, 2021.

CHILE. Ministerio de Educación. Bases Curriculares: Primero a Sexto Básico. Santiago: Ministerio de Educación, 2018.

CUNHA, M. V. John Dewey e o pensamento educacional brasileiro: a centralidade da noção de movimento. Rev. Bras. Educ., Rio de Janeiro, n. 17, p. 86-99, 2001. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbedu/a/Qs9zJvMJD6JPfHXzrBNCBgn/?lang=pt. Acesso em: 02 jan. 2024. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-24782001000200007

DALE, R. Globalização e educação: demonstrando a existência de uma “cultura educacional mundial comum” ou localizando uma “agenda globalmente estruturada para a educação”? Educação e Sociedade, v. 25, n. 87, p. 423-460, 2004. Disponível em: https://www.scielo.br/j/es/a/bJbBCJS5DvngSvwz9hngDXK/?format=html&lang=pt. Acesso em: 02 jan. 2024. DOI: https://doi.org/10.1590/S0101-73302004000200007.

FREITAS, L. C. de. A reforma empresarial da educação: nova direita, velhas ideias. São Paulo: Expressão Popular, 2018.

GALIANI, C. Educação e Democracia em John Dewey. Maringá: EDUEM, 2009.

HYPOLITO, Á. M.; VIEIRA, J. S; PIZZI, L. C. V. Reestruturação curricular e auto intensificação do trabalho docente. Currículo sem fronteiras, v. 9, n. 2, p.100-112, jul/dez. 2009. Disponível em: https://biblat.unam.mx/pt/revista/curriculo-sem-fronteiras/articulo/reestruturacao-curricular-e-auto-intensificacao-do-trabalho-docente. Acesso em: 02 jan. 2024.

KRAWCZYK, N. R; VIEIRA, V. L. Uma perspectiva histórico-sociológica da reforma educacional na América Latina: Argentina, Brasil, Chile e México nos anos 1990. Brasília: Liber Livro, 2012.

LE BOTERF, G. Desenvolvendo a competência dos profissionais. Porto Alegre: Artmed. 2003.

MARSIGLIA, D. et al. O golpe de estado e a base nacional comum curricular: um novo episódio do esvaziamento curricular das escolas públicas do Brasil. In: SARTÓRIO, L. A. V; LINO, L. A; SOUZA, N. M. P. Política Educacional e Dilemas do Ensino em Tempos de crise: Juventude, currículo, reformas do ensino e formação de professores. São Paulo: Editora Livraria da Física, 2017.

NOMA, A. K. História das políticas educacionais para a América Latina e o Caribe: o projeto principal de educação (1980-2000). In: AZEVEDO, M. L. N; LARA, A. M. B. Políticas para a educação: análises e apontamentos, 2011. p. 105-133.

OCDE. Brasil no PISA 2015: análises e reflexões sobre o desempenho dos estudantes brasileiros. São Paulo: Fundação Santillana, 2016.

PEREIRA, R. da S. Avaliação de sistemas e política de competências e habilidades da OCDE. Práxis Educativa, [S. l.], v. 13, n. 1, p. 107–127, 2017. Disponível em: https://revistas.uepg.br/index.php/praxiseducativa/article/view/10799. Acesso em: 26 set. 2023. DOI: https://doi.org/10.5212/PraxEduc.v.13i1.0006

PERONI, V. M. V; CAETANO, M. R. O público e o privado na educação: Projetos em disputa? Revista Retratos da Escola. Brasília, v. 9, n. 17, 2015. Disponível em: https://retratosdaescola.emnuvens.com.br/rde/article/view/584. Acesso em: 02 jan. 2024. DOI: https://doi.org/10.22420/rde.v9i17.584

SHIROMA, E. O.; CAMPOS, R. F.; GARCIA, R. M. C. Decifrar textos para compreender a política: subsídios teórico-metodológicos para análise de documentos. Perspectiva. Florianópolis, v. 23, n. 02, p. 427-446, jul./dez. 2005.

SOUZA, R. A. de; MARTINELI, T. A. P. Considerações históricas sobre a influência de John Dewey no pensamento pedagógico brasileiro. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 9, n. 35, p. 160–172, 2012. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8639620. Acesso em: 30 set. 2023. DOI: https://doi.org/10.20396/rho.v9i35.8639620

UNESCO. Informe final. México: UNESCO, 1979.

UNESCO. Declaração Mundial sobre Educação para Todos: satisfação das necessidades básicas de aprendizagem. Jomtien: UNESCO, 1998.

UNESCO. Balance de los 20 años del Proyecto Principal de Educación em América Latina y el Caribe. UNESCO/OREALC, 2001.

UNESCO-OREALC. Proyecto Principal de Educación en América Latina y el Caribe. Boletín 1. Santiago de Chile: UNESCO, 1981.

UNESCO-OREALC. Proyecto Principal de Educación en América Latina y el Caribe. Boletín 2. Santiago de Chile: UNESCO, 1982.

UNESCO-OREALC. Proyecto Principal de Educación en América Latina y el Caribe. Boletín 3. Santiago de Chile: UNESCO, 1983.

UNESCO-OREALC. Proyecto Principal de Educación en América Latina y el Caribe. Boletín 4. Santiago de Chile: UNESCO, 1983.

UNESCO-OREALC. Proyecto Principal de Educación en América Latina y el Caribe. Boletín 6. Santiago de Chile: UNESCO, 1985.

UNESCO-OREALC. Proyecto Principal de Educación en América Latina y el Caribe. Boletín 21. Santiago de Chile: UNESCO, 1990.

UNESCO-OREALC. Proyecto Principal de Educación en América Latina y el Caribe. Boletín 24. Santiago de Chile: UNESCO, 1991.

UNESCO-OREALC. Proyecto Principal de Educación en América Latina y el Caribe. Boletín 31. Santiago de Chile: UNESCO, 1993.

URUGUAI. Ley nº 18. 437. Ley general de Educación. Uruguai, 2008.

VASCONCELOS, Carolina de Moura de. Política educacional brasileira e a base nacional comum curricular para a educação física: concepções do município de marialva. 143f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estadual de Maringá. Orientador: Telma Adriana Pacifico Martineli. Maringá, 2020.

Downloads

Publicado

2024-04-29

Como Citar

CRUZ, B. N. C. da; MONTEIRO, J. H. de L.; MARTINELI, T. A. P. O Projeto Principal de Educação e a internacionalização da reforma curricular latino-americana: reverberações na BNCC. Revista Educação e Políticas em Debate, [S. l.], v. 13, n. 2, p. 1–21, 2024. DOI: 10.14393/REPOD-v13n2a2024-70974. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/revistaeducaopoliticas/article/view/70974. Acesso em: 12 jul. 2024.

Edição

Seção

DOSSIÊ - “INTERNACIONALIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO: TENDÊNCIAS GLOBAIS E DESAFIOS NACIONAIS”