Um olhar histórico sobre os percursos legais que antecederam a Base Nacional Comum Curricular

Autores

  • Victor Ridel Juzwiak Universidade Federal de Uberlândia - Brasil https://orcid.org/0000-0002-3288-3296
  • Astrogildo Fernandes da Silva Júnior Universidade Federal de Uberlândia - Brasil

DOI:

https://doi.org/10.14393/REPOD-v11n2a2022-61246

Palavras-chave:

BNCC, Currículo, Política Educacional

Resumo

Este artigo tem como objetivo historicizar as políticas curriculares no Brasil a partir da Constituição Federal de 1988 que fundamentam legalmente a construção da BNCC. Neste sentido, foram analisadas as seguintes legislações e seus contextos de construção: Constituição Federal de 1988; da LDB de 1996; dos PCN; das DCN de 2010; e do PNE (2014-2024). A construção dessas legislações e o processo de elaboração desses documentos ocorrem em meio a intensos debates e discussões. Dessa forma, a BNCC carrega consigo os embates ideológicos, políticos e de interesses que permeiam há anos as políticas públicas educacionais no Brasil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Victor Ridel Juzwiak, Universidade Federal de Uberlândia - Brasil

Mestre em Educação pela Universidade Federal de Uberlândia. Professor no Colégio São Marcos, Mogi das Cruzes, São Paulo, Brasil.

Astrogildo Fernandes da Silva Júnior, Universidade Federal de Uberlândia - Brasil

Doutor em Educação pela Universidade Federal de Uberlândia. Professor Associado na Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, Minas Gerais, Brasil.

Referências

AGUIAR, M. A. S. Avaliação do Plano Nacional de Educação 2001-2009: questões para reflexão. Educação e Sociedade., Campinas, v. 31, n. 112, p. 707-727, jul.-set. 2010. DOI: https://doi.org/10.1590/s0101-73302010000300004.

Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação. A Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação (ANPEd) e a Base Nacional Comum Curricular (BNCC). p. 1-19, 2017. Disponível em: https://anped.org.br/news/documento-expoe-acoes-e-posicionamentos-da-anped-sobre-bncc. Acesso em 01 de fevereiro de 2022.

APPLE, M. W. A Política do conhecimento oficial: faz sentido a idéia de um currículo nacional?. In: MOREIRA, Antonio Flavio Barbosa; DA SILVA, Tomaz Tadeu (Org.). Currículo, Cultura e Sociedade. São Paulo: Cortez, p. 59-91, 2002.

AZEVEDO, C. B.; STAMATTO, M. I. S. Teoria historiográfica e prática pedagógica: as correntes de pensamento que influenciaram o ensino de história no Brasil. Antíteses, v. 3, n. 6, p. 703-728, jul./ dez. 2010.

AZEVEDO, J. M. L. Plano Nacional de Educação e planejamento: A questão da qualidade da educação básica. Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 8, n. 15, p. 265-280, jul./dez. 2014.

BODIÃO, I. S. Reflexões sobre as Ações da Sociedade Civil na Construção do PNE 2014/2024. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 41, n. 2, p. 335-358, abr./jun. 2016. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/2175-623651115

BOLLMANN, M. G. N.; AGUIAR, L. C. LDB - projetos em disputa: da tramitação à aprovação em 1996. Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 10, n. 19, p. 407-428, jul./dez. 2016. DOI: https://doi.org/10.22420/rde.v10i19.703.

BONAMINO, A.; MARTÍNEZ, S. A. Diretrizes e Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental: a participação das instâncias políticas do estado. Educação e Sociedade, Campinas, v. 23, n. 80, p. 368-385, setembro/2002.

BRANDÃO, L. C. Os movimentos sociais e a Assembleia Nacional Constituinte de 1987-1988: entre política institucional e a participação popular. Dissertação (Mestrado em Sociologia) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. São Paulo, 2011. DOI: https://doi.org/10.11606/d.8.2012.tde-16082012-125217.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular -. Brasília: MEC, 2017.

BRASIL, Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm . Acesso em 01 de fevereiro de 2022.

BRASIL, Ministério da Educação, Conselho Nacional de Educação, Câmara de Educação Básica. Resolução nº 7, de 14 de dezembro de 2010. Brasília, DF, 2010.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal, 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm . Acesso em: 01 de fevereiro de 2022.

BRASIL. LEI n° 13.005 de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação - PNE e dá outras providências. DOU de 26.6.2014. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/lei/l13005.htm . Acesso em 01 de fevereiro de 2022.

BRZEZINSKI, I. Tramitação e desdobramentos da LDB/1996: embates entre projetos antagônicos de sociedade e de educação. Trabalho, Educação e Saúde, Rio de Janeiro, v. 8, n. 2, p. 185-206. 2010. DOI: https://doi.org/10.1590/s1981-77462010000200002.

CARVALHO, D. P. A nova Lei de Diretrizes e Bases e a formação de professores para a educação básica. Ciência & Educação[online], v. 5, n. 2, p .81-90, 1998. DOI: https://doi.org/10.1590/s1516-73131998000200008.

CEREZER, O. M. Diretrizes Curriculares para o ensino de História e cultura afro-brasileira e indígena: implementação e impactos na formação, saberes e práticas de professores de História iniciantes (Mato Grosso, Brasil). Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal de Uberlândia. Uberlândia, 2015. DOI: https://doi.org/10.14393/ufu.te.2015.28.

CODATO, A. N. Uma história política da transição brasileira: da ditadura militar à democracia. Revista Sociologia e Política, Curitiba, 25, p. 83-106, nov. 2005. DOI: https://doi.org/10.1590/s0104-44782005000200008.

CÓSSIO, M. F. Base Comum Nacional: uma discussão para além do currículo. Revista e-Curriculum, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, Brasil, vol. 12, núm. 3, p. 1570-1590, oct/dec, 2014.

CURY, C. R. J. A Educação Básica como direito. Cadernos de Pesquisa, v. 38, n. 134, p. 293-303, maio/ago. 2008. DOI: https://doi.org/10.1590/s0100-15742008000200002.

CURY, C. R. J. Sentidos da educação na Constituição Federal de 1988. Revista Brasileira de Política e Administração da Educação, v. 29, n.2, p. 195-206, mai/ago. 2013.

FERREIRA JR, A.; BITTAR, M. A ditadura militar e a proletarização dos professores. Educação e Sociedade, Campinas, vol. 27, n. 97, p. 1159-1179, set./dez. 2006. DOI: https://doi.org/10.1590/s0101-73302006000400005.

GALIAN, C. V. A. Os PCN e a elaboração de propostas curriculares no Brasil. Cadernos de Pesquisa, v. 44, n. 153, p. 648- 669, jul./set. 2014. DOI: https://doi.org/10.1590/198053142768.

GOMES, S. O Impacto das Regras de Organização do Processo Legislativo no Comportamento dos Parlamentares: Um Estudo de Caso da Assembleia Nacional Constituinte (1987-1988). DADOS – Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, v. 49, n.1, pp. 193 a 224, 2006. DOI: https://doi.org/10.1590/s0011-52582006000100008.

REY, F. L. G. Pesquisa qualitativa e subjetividade. Os processos de construção da informação. Trad.: Marcel Aristides F. Silva. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2005.

JACOMELI, M. R. M. Dos Estudos Sociais aos temas transversais: uma abordagem histórica dos fundamentos teóricos das políticas educacionais brasileiras (1971-2000). Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Estadual de Campinas. Campinas, 2004. DOI: https://doi.org/10.47749/t/unicamp.2004.303166.

KLEIN, D. H.; FRÖHLICH, M. A.; KONRATH, R. D. Base Nacional Comum Curricular- BNCC: documento em análise. Revista Acadêmica Licencia&acturas, v. 4, n. 1, p. 65-70. 2016. DOI: https://doi.org/10.55602/rlic.v4i1.101.

MACEDO, E. Como a diferença passa do centro à margem nos currículos: o exemplo dos PCN. Educação e Sociedade, Campinas, v. 30, n. 106, p. 87-109, jan./abr. 2009. DOI: https://doi.org/10.1590/s0101-73302009000100005.

MACEDO, Elizabeth. “A Base é a Base”. E o currículo o que é?. In: AGUIAR, Márcia Angela; DOURADO, Luiz Fernandes (Org.). A BNCC na contramão do PNE 2014-2024: avaliação e perspectivas. Recife: ANPAE, p. 28-33, 2018. DOI: https://doi.org/10.22420/rde.v12i23.900.

MARCELLO, F. A.; BUJES, M. I. E. Ampliação do Ensino Fundamental: a que demandas atende? A que regras obedece? A que racionalidade corresponde?. Educação e Pesquisa, São Paulo, v.37, n.1, 220p. 53-68, jan./abr. 2011. DOI: https://doi.org/10.1590/s1517-97022011000100004.

MARQUES, C. M.; PEGORARO, L.; SILVA, E. T. Do assistencialismo à Base Nacional Comum Curricular (BNCC): movimentos legais e políticos na Educação Infantil. Revista Linhas. Florianópolis, v. 20, n. 42, p. 255-280, jan./abr. 2019. DOI: https://doi.org/10.5965/1984723820422019255.

MODER, M. Reflexões de apoio para o desenvolvimento curricular no Brasil: guia para gestores educacionais. Brasília: UNDIME, 2017.

MONTEIRO, R. A. C.; GONZÁLEZ, M. L.; GARCIA, A. B.. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional: o porquê e seu contexto histórico. Revista Eletrônica de Educação, v. 5, n. 2, nov. 2011.

MOREIRA, A. F. B.. Os Parâmetros Curriculares Nacionais em questão. Educação & Realidade, v. 1, n. 21, p. 9-22, jan/jun, 1996.

MOVIMENTO PELA BASE. Qual é a diferença entre BNCC e currículo?. Disponível em: http://movimentopelabase.org.br/duvidas-frequentes/. Acesso em 01 de fevereiro de 2022.

PERONI, V. M. V.; CAETANO, M. R.; ARELARO, L. R. G.. BNCC: disputa pela qualidade ou submissão da educação?. Revista Brasileira de Política e Administração da Educação, v. 35, n. 1, p. 035 - 056, jan./abr. 2019. DOI: https://doi.org/10.21573/vol1n12019.93094.

SANTOS, L. L. Diretrizes curriculares nacionais para o Ensino Fundamental de 9 anos e o Plano Nacional de Educação: abrindo a discussão. Educação e Sociedade, Campinas, v. 31, n. 112, p. 833-850, jul.-set. 2010. DOI: https://doi.org/10.1590/s0101-73302010000300010.

SAVÉLI, E. L. Ensino Fundamental de nove anos: bases legais de sua implantação. Práxis Educativa, Ponta Grossa, PR, v. 3, n. 1, p. 67 - 72, jan.-jun. 2008. DOI: https://doi.org/10.5212/praxeduc.v.3i1067072.

SAVIANI, D. A educação na Constituição Federal de 1988: avanços no texto e sua neutralização no contexto dos 25 anos de vigência. Revista Brasileira de Política e Administração da Educação, v. 29, n.2, p. 207-221, mai/ago. 2013.

SAVIANI, D. Organização da Educação Nacional: sistema e Conselho Nacional de Educação, Plano e Fórum Nacional de Educação. Educação e Sociedade, Campinas, v. 31, n. 112, p. 769-787, jul.-set. 2010. DOI: https://doi.org/10.1590/s0101-73302010000300007.

SENA, P. A Legislação do FUNDEB. Cadernos de Pesquisa, v. 38, n. 134, p. 319-340, 2008. DOI: https://doi.org/10.1590/s0100-15742008000200004.

SILVA, G. J.; MEIRELES, M. C. Razão e sensibilidade no ensino de História no Brasil: reflexões sobre currículos, formação docente e livros didáticos à luz da Lei 11.645/2008. In: SILVA, G. J.; MEIRELES, M. C. (Org.). A Lei 11.645/2008: uma década de avanços, impasses, limites e possibilidades. Curitiba: Appris, p. 215- 237, 2019.

VALENTA, I.; ROMANO, R. PNE: Plano Nacional de Educação ou Carta de Intenção?. Educação e Sociedade, Campinas, vol. 23, n. 80, p. 96-107, setembro/2002. DOI: https://doi.org/10.1590/s0101-73302002008000007.

VIEIRA, S. L. A educação nas constituições brasileiras: texto e contexto. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, v. 88, n. 219, p. 291-309, maio/ago. 2007. DOI: https://doi.org/10.24109/2176-6681.rbep.88i219.749.

Downloads

Publicado

2022-04-12

Como Citar

Juzwiak, V. R., & Silva Júnior, A. F. da. (2022). Um olhar histórico sobre os percursos legais que antecederam a Base Nacional Comum Curricular. Revista Educação E Políticas Em Debate, 11(2), 810–829. https://doi.org/10.14393/REPOD-v11n2a2022-61246

Edição

Seção

DEMANDA CONTÍNUA