A contemporaneidade da educação africana: o presente a despeito do passado e da cultura. que perspectivas?

Autores

  • Alberto Bive Domingos Universidade Pedagógica de Moçambique (UP - Quelimane)

DOI:

https://doi.org/10.14393/REPOD.issn.2238-8346.v6n2a2017-08

Palavras-chave:

A contemporaneidade da educação africana, Passado e presente, Políticas públicas, Formação, Cultura

Resumo

O presente artigo, oriundo de uma tese de doutoramento, discute o afastamento da educação atual da cultura, artefato do trabalho pedagógico. Constata-se que as razões de mercado tendem a direcionar, cada vez mais, as políticas públicas educacionais no realce às questões de custo-benefício, sobrepondo projetos de políticas sociais e ocultando questões revolucionárias que alguns países se dignaram oferecer após as independências. Para a escola se constituir em uma instituição de vinculação cultural, é imprescindível uma análise reflexiva das políticas públicas atuais, buscando dissipar ambiguidades nos valores e intenções para a historicidade africana. Trata-se de olhar a história dos paradigmas culturais na construção do humano, pois, a cultura é indutora no conteúdo da formação e uma possibilidade de inclusão. 

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Alberto Bive Domingos, Universidade Pedagógica de Moçambique (UP - Quelimane)

Doutor em Educação. Docente na Universidade Pedagógica de Moçambique em Quelimane. 

Referências

AITCHISON, J. A educação e aprendizagem de jovens e adultos na África Austral: visão geral de um estudo para cinco nações. África do Sul: Open Societ Iniciative for Southern África, 2012.

ALVES, L. A. F. História contemporânea. Curitiba: ULBRA. 2009.

BALL, Stephen J. Performatividade, Privatização e o Pós-Estado Do Bem-Estar. Educação e Sociedade, Campinas, vol. 25, n. 89, p. 1105-1126, set. /dez. 2004.

BLOCH, M. Apologia da história ou ofício de historiador. Rio de Janeiro: ZAHAR, 2002.

BOTTOMORE, T. Dicionário do pensamento Marxista. Rio de Janeiro: Zahar, 2012.

CHI-MINH, Ho. O legado deHo Chi-Minh. In: BOGO, A. (Org.). Teoria da organização política. São Paulo: Expressão popular, 2010, p. 321-338.

COELHO, L. S. À procura de si: os manuais escolares de português como construtores da identidade nacional em Moçambique. 2006. 180 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade do Porto, Porto, 2006. Disponível em: <http://www.periodicos.capes.gov.br/index.php>. Acesso em: 12 jul. 2015.

DOMINGOS, A. B.A organização das escolas secundárias em Moçambique no período multipartidario 1994-2015: desafios e perspectivas para o desenvolvimento da gestão escolar. Tese de Doutorado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Educação da Faculdade de Filosofia e Ciências - UNESP, Campus de Marília, 2017. Disponível emhttp://bdtd.ibict.br/vufind/Record/UNSP_0758983367cb15a1a41e1002fc046926/Details.// >.

DOMINGOS, A. B. Administração do Sistema Educativo e a Organização das Escolas em Moçambique no Período Pós-Independência (1975-1999): descentralização ou recentralização? Braga: Universidade do Minho, 2010. Dissertação (mestrado em educação). Braga: Universidade do Minho, 210 f. Disponível em <http://repositorium.sdum.uminho.pt/bitstream/1822/14546/1/tese.pdf. >. Acesso em 15 set. 2015.

DOMINGOS, A. B. Administração do Sistema Educativo e a Organização das Escolas em Moçambique no Período Pós-Independência 1975-1999: do Burocrático à nova ordem mundial. Niemcy: Novas edições acadêmicas. 2016.

FREIRE, P.A propósito de uma administração. Recife: Imprensa Universitária, 1961.

GASPERINI, L. Moçambique: educação e desenvolvimento rural. Maputo: Iscos 8 Colecção do Instituto dos sindicatos para a cooperação com os países em vias de desenvolvimento, 1989. Disponível em: <http://www.fao.org/3/a-ah644o.pdf>. Acesso em: 14 mar. 2015.

KELSEN, Hans. A democracia. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

KI-ZERBO,J. Para quando a África? Entrevista com René Holenstein. Rio de Janeiro: Pallas, 2006 (p. 13). Disponível em: . Acesso em: 14 mar. 2014.

M’BOKOLO,E. África negra história e civilização: tempos e espaços africanos. Tomo I até ao século XVIII. Lisboa: Vulgata, 2007.

MAZULA, B. Educação, cultura e ideologia em Moçambique: 1975-1985. Porto: Afrontamento e Fundo Bibliográfico de Língua Portuguesa, 1995.

NETO, A. A.Quem é o inimigo? Qual é o nosso objetivo? In: BOGO, Ademar (org.). Teoria da organização política. São Paulo: Expressão popular, 2010 os. 321-338.

PNUD. Objetivos de desenvolvimento do milênio, (...).2015.

SANTOS, B. de Sousa. O estado heterogêneo e o pluralismo jurídico. In: SANTOS, B.S.; TRINDADE,J.C. (Orgs.). Conflito e transformação social: uma paisagem das justiças em Moçambique. Porto: Afrontamento, 2003.

SAVIANI. D. Sistemas de ensino e planos de educação: O âmbito dos municípios. Revista Educação & Sociedade, ano XX, nº 69, dezembro/99. p.119-136.

VISENTINI, P. G. F.; PEREIRA, A. D. África do Sul: história, estado e sociedade. Brasília: Fundação Alexandre Gusmão, 2010, p.11, 121).

WEBER, J. F. Formação (Bildung), a educação e experimentação em Nietzsche. Londrina: Eduel. 2011.

Downloads

Publicado

2019-02-18

Como Citar

Domingos, A. B. (2019). A contemporaneidade da educação africana: o presente a despeito do passado e da cultura. que perspectivas?. Revista Educação E Políticas Em Debate, 6(2). https://doi.org/10.14393/REPOD.issn.2238-8346.v6n2a2017-08

Edição

Seção

Artigos