POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA E SEUS EFEITOS DE SENTIDOS SOBRE O TRABALHO DOCENTE

Autores

  • Letícia Ramalho Brittes Instituto Federal Farroupilha (IFFAR)
  • Álvaro Moreira Hypolito Universidade Federal de Pelotas (UFPel)

Palavras-chave:

Ensino de leitura, Prova Brasil, Alteração da cultura escolar

Resumo

Analisa-se os endereçamentos de políticas educativas inscritas no campo educacional a partir de 1990 e os efeitos que discursos oficiais exercem sobre o trabalho de docentes vinculados à educação profissional e tecnológica no âmbito do Instituto Federal Farroupilha (IFFAR). O apelo hegemônico de políticas educativas contemporâneas é que a Educação Profissional e Tecnlógica (EPT) dá melhores resultados quando conta com a participação direta do setor privado em sua administração, financiamento e direção. Diante disso, o que vem determinando o conteúdo das políticas para a modalidade? Consenso entre organismos internacionais, setores do governo, empresários ou participação efetiva da comunidade escolar na definição de tais? Este estudo foi desenvolvido no intuito de responder a tais questões.

 

 

 

 

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Letícia Ramalho Brittes, Instituto Federal Farroupilha (IFFAR)

Doutora em Educação pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel) e docente do Instituto Federal Farroupilha (IFFAR). 

Álvaro Moreira Hypolito, Universidade Federal de Pelotas (UFPel)

Doutor em Educação e docente da Universidade Federal de Pelotas (UFPel).

 

Referências

ALMEIDA, V. A educação básica e o ensino superior: uma questão mal re-solvida no Tocantins. In: SILVA, N. L.; ALMEIDA, V. (Orgs.). Reflexões sobre o ensino e formação de professores: ensino e formação de professores. Palmas, TO: Nagô Editora, 2011. 172p.

ALTHUSSER, L. Aparelhos ideológicos de Estado. 2. ed. Trad. de Valter José Evangelista e Maria Laura Viveiros de Castro. Rio de Janeiro: Graal, 1985.

ANTUNES, R. Adeus ao trabalho? Ensaios sobre as metamorfoses e a centralidade do mundo do trabalho. São Paulo: Cortez, 1995.

APPLE, M. W. Educação e Poder. Porto Alegre: Artes Médicas, 1989.

BALL, S. Performatividade e fabricações na economia educacional: rumo a uma sociedade performativa. Educação e Realidade, v. 35, n. 2, p. 37-55, ago/set. 2010.

BERNSTEIN, B. A estruturação do discurso pedagógico: classe, códigos e controle. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 1990.

BERENBLUM, A. A invenção da palavra oficial: identidade, língua nacional e escola em tempos de globalização. Belo Horizonte: Autêntica, 2003.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, 1988.

DAGNINO, E. Confluência perversa, deslocamentos de sentido, crise discursiva. In: GRIMSON, A. La cultura en las crisis latinoamericanas. Ciudad Autónoma de Buenos Aires, Argentina: CLACSO-Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales. 2004.

DAYRELL, J. T. A juventude e a educação de jovens e adultos: reflexões iniciais. In: SOARES, L. (Org.). Diálogos na educação de jovens e adultos. São Paulo: Autêntica, 2005.

DEJOURS, C. A banalização da injustiça social. 3. ed. Rio de Janeiro: FGV, 2001.

FAIRCLOUGH, N. Discurso e mudança social. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2001.

HARVEY, D. Neoliberalismo: história e implicações. São Paulo: Edições Loyola, 2008.

HYPOLITO, A. M.; PIZZI, L. C. V. Reestruturação educativa e trabalho docente: autonomia, contestação e controle. In: HYPOLITO, A. M. Trabalho docente: formação e identidade. Pelotas: Seiva Publicações, 2002.

HYPOLITO, A. M.; PIZZI, L. C. V. Políticas educacionais e políticas de gestão no Brasil. In: GHIGGI, G.; VAN-DUNEM, J. O. S. (Org.). Diálogos educativos entre Brasil e Angola. Pelotas: Editora e Gráfica Universitária – UFPel, 2007.

LINHART, D. O indivíduo no centro da modernização das empresas: um reconhecimento esperado, mas perigoso. Trabalho e Educação, n. 7, jul./dez., 2000.

MAUÉS, O. Os organismos internacionais e as políticas públicas educacionais no Brasil. In: GONÇALVES, L. A. Currículo e políticas públicas. Belo Horizonte: Autêntica, 2003.

ROSE, N. Governando a alma: a formação do eu privado. In: SILVA, T. T. Liberdades reguladas: a pedagogia construtivista e outras formas de governo de eu. Petrópolis: Vozes, 1998.

SECCHI, L. Modelos organizacionais e reformas da administração pública. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 43, n. 2, p. 347-369, mar./abr. 2009.

SHIROMA, E.O; MORAES, M. C. M.; EVANGELISTA, O. Política Educacional. 4 ed. Rio de Janeiro: Lamparina, 2007.

SOARES, L. (Org.). Educação de jovens e adultos: o que revelam as pesquisas. Belo Horizonte: Autêntica, 2011.

Downloads

Publicado

2018-09-17

Como Citar

Brittes, L. R., & Hypolito, Álvaro M. (2018). POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA E SEUS EFEITOS DE SENTIDOS SOBRE O TRABALHO DOCENTE. Revista Educação E Políticas Em Debate, 5(1). Recuperado de https://seer.ufu.br/index.php/revistaeducaopoliticas/article/view/44561

Edição

Seção

Artigos