Participação e educação

o caso das políticas sociais em Minas Gerais

Autores

  • Antônio Júlio de Menezes Neto Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

DOI:

https://doi.org/10.14393/REVEDFIL.v10n20a1996-930

Palavras-chave:

Governos militares, Racionalidade técnica, Racionalidade em si, Tecnocracia

Resumo

A análise aqui proposta contextualiza as políticas públicas como produto de múltiplas determinações. Assim, estas não podem ser analisadas como um fim em si mesmo. Os objetos de análise não se encontram no interior do processo, sendo antes reflexo de toda uma multiplicidade de fatores.

O golpe militar de 1964 deu ao país um novo reordenamento económico e social, subordinando a sociedade brasileira ao projeto de desenvolvimento capitalista. Buscou construir a nova ordem pela coerção e pelo consenso.

Para tanto, houve um controle efetivo do Estado por parte de uma tecnoburocracia. Assim, este Estado, amparado pela burocracia militar e dirigido pela burocracia estatal e empresarial, atuou movido por interesses. Buscou eliminar a possibilidade da organização política dos movimentos populares, capazes de bloquear a livre expansão do processo acumulativo. Desta forma, houve um enfraquecimento da sociedade civil e o fortalecimento da tecnoburocracia estatal e militar (RODRIGUES, 1984).

Devido à limitação e delimitação do tema, a análise aqui proposta não discutirá as diferentes políticas presentes nos governos militares. Porém, é importante demonstrar como a ideologia da racionalidade técnica perpassou as políticas desenvolvidas no período. Os conceitos de "racionalidade em si" e "neutralidade da ciência" aparecem como um discurso ideológico de legitimação do sistema.

Delfim Neto, então ministro do planejamento, afirma em uma entrevista ao jornal o Estado de São Paulo de 22/07/71: "A economia tem normas que escapam às ideologias e regimes políticos". (DELFIM, apud Covre, 1983). Golbery afirmava a O Globo de 20/01/79 que a civilização ocidental significava: a Ciência - como instrumento de ação - a Democracia - como fórmula de organização política - e o Cristianismo - como supremo padrão ético". (GOLBERY, apud Covre, 1983).

Utilizando o discurso da "racionalidade em si", os primeiros governos golpistas pós-64 desenvolveram a sua política social. Segundo FREITAG (1986), o Estado militar pós-64, tecnocrático e autoritário, dispensava a legitimação popular que o Estado social exige. Porém, buscava sua legitimação no desenvolvimento económico baseado na dinamização das forças produtivas - ciência e tecnologia. As práticas intervencionistas basearam-se mais nas políticas económicas e nas açóes repressivas, do que em políticas sociais sofisticadas, que pudessem diminuir tensões e injustiças sociais. OFFE (1984) analisa o Estado como articulador e organizador da sociedade, silenciando os conflitos, ideologizando as consciências, disfarçando contradições, com vistas a perpetuar as relações de produção e acumulação e impedir a eclosão dos conflitos de classes. Porém, quando esse Estado assume encargos excessivos, ele entra em contradições estruturais que não consegue mais controlar. Ao deixar de atender reivindicações crescentes, perde sua base política.

[...]

Palavras-chave: Governos militares; Racionalidade técnica; Racionalidade em si; Tecnocracia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Antônio Júlio de Menezes Neto, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

Professor do Departamento de Ciências Aplicadas à Educação-DeCAE da Faculdade de Educação - UFMG.

Referências

BORDENAVE, Juan Dias. O que é participação. São Paulo: Brasiliense, 1983.

CALAZANS, M. Julieta C. et alii. Planejamento e educação no Brasil. São Paulo: Cortez, 1993.

CAMPOS, Vicente Falconi. TQC: Controle da Qualidade Total: no estilo japonês. Belo Horizonte: FCO, 1992.

COVRE, Maria de Lourdes. A fala dos homens. São Paulo: Brasiliense, 1983.

CRUZ, Ronaldo e PINTO, Vero F.S. Racionalidade técnica e clientelismo: a lógica de ação da SETAS-1985-1990. Monografia do PEAP - Fundação João Pinheiro, 1991.

DRAIBE, Sônia. As políticas sociais e o neoliberalismo. Revista USP, São Paulo: n. 17, p. 86-101, 1993. Dossiê liberalismo/neoliberalismo. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9036.v0i17p86-101

DULCI, Otávio S. Minas Gerais: O processo político recente. In: Seminário sobre a economia mineira: Diamantina 1988. Belo Horizonte: CEDEPLAR, 1988.

FREI TAG, Bárbara. Política educacional e indústria cultural. São Paulo: Cortez, 1986.

GOHN, Maria da Glória. Movimentos sociais e educação. São Paulo: Cortez, 1994.

GRAMSCI, Antonio. Obras escolhidas. São Paulo: Martins Fontes, 1978.

LE VEN, Michel. Movimento operário sindical, 1972-85. In: Movimentos sociais em Minas Gerais. Belo Horizonte: UFMG, 1987.

MACHADO, Lucília R. de Souza. "Controle de Qualidade Total; uma nova gestão do trabalho, uma nova pedagogia do capital". Extra classe em Revista. Belo Horizonte: n. 1, p. 19-29, out. 1993.

MERCADANTE, Aloízio. Armadilha neoliberal. Teoria e Debate. São Paulo, n. 10, p. 6-9, 1990.

MINAS GERAIS. Diretrizes para a implementação do projeto piloto de desenvolvimento comunitário. Belo Horizonte. Secretaria do Trabalho e Ação Social, 1988 (mimeo).

MINAS GERAIS. Projeto piloto de desenvolvimento comunitário. Belo Horizonte. Secretaria do Trabalho e Ação Social, 1980, (mimeo).

OFFE, Claus. Dilema da tecnocracia. In: Tecnocacia e ideologia. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1975.

PAIVA, Paulo. A crise na economia mineira. In: Minas Gerais: uma realidade em mudança. Belo Horizonte: secretaria de Políticas Públicas do PT, s.d. (mimeo).

PRATES, Antonio A. et. alii. A emergência da estratégia de planejamento participativo no Estado de Minas Gerais: um balanço político institucional. Análise e Conjuntura. Belo Horizonte, v. 12, n. 9/10, p. 20-30, set/out, 1992.

RODRIGUES, Neidson. Estado, educação e desenvolvimento econômico. São Paulo: Cortez, 1984.

SEGNINI, Liliana. Controle e resistência nas formas de uso da força de trabalho em diferentes bases técnicas e sua relação com a educação. In: Trabalho e educação. Campinas: UNICAMP, 1992. (Coletanea CBE).

SOMARRIBA, Mercês e AFONSO, Mariza. Movimentos urbanos e estado; novas tendências. In: Movimentos sociais em Minas Gerais. Belo Horizonte: UFMG, 1987.

SOMARRIBA, Mercês e RESENDE, Mariza. "Movimentos sociais urbanos e a nova conjuntura em Minas: rumo ao populismo? In: Minas Gerais: uma realidade em mudança. Belo Horizonte: Secretaria de Políticas Públicas do PT, s.d. (mimeo).

Downloads

Publicado

2008-10-15

Como Citar

DE MENEZES NETO, A. J. Participação e educação: o caso das políticas sociais em Minas Gerais. Educação e Filosofia, Uberlândia, v. 10, n. 20, p. 155–167, 2008. DOI: 10.14393/REVEDFIL.v10n20a1996-930. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/EducacaoFilosofia/article/view/930. Acesso em: 14 jul. 2024.