Literatura infantil

fantasia que constrói realidades

Autores

  • Maria Lúcia Fernandes Guelfi Universidade Federal de Viçosa (UFV)

DOI:

https://doi.org/10.14393/REVEDFIL.v10n20a1996-929

Palavras-chave:

Literatura infantil, Pedagogismo, Infantilismo, Teoria literária, Siegfried Schmidt

Resumo

A utilização do texto literário para transmitir conselhos sisudos, sem qualquer relação com a vida cotidiana e as necessidades internas da criança, constitui um dos múltiplos obstáculos que, no contexto cultural brasileiro, dificultam o desenvolvimento do gosto pela leitura. A inteligência e o senso crítico do jovem leitor costumam ser desrespeitados pelo pedagogismo - e freqüentemente também pelo infantilismo - de certos textos rotulados como literatura infantil. O problema desses textos é que não correspondem às necessidades específicas da criança, mas apenas traduzem as falsas imagens que os adultos normalmente têm da infância.

Alguns equívocos em relação à literatura produzida para criança relacionam-se ao desconhecimento sobre o psiquismo infantil. Outros se referem à falta de consenso sobre o que se deve entender como funções específicas da linguagem literária. Muitos pais, por exemplo, ignoram que a fantasia e as brincadeiras desempenham um papel importante no desenvolvimento de uma mente saudável que, superando ansiedades, conflitos e medos, aprende a controlar seus impulsos e esperar os momentos adequados para resolver problemas e satisfazer desejos. Confundindo imaginação e fantasia com ilusão e mentira, desconhecem a importância do imaginário na construção do real.

[...]

Este trabalho pretende mostrar que não se pode analisar adequadamente a questão da literatura infantil sem tratar de alguns aspectos teóricos que envolvem a conceituação da obra literária. Se até os anos setenta os estudos literários se fundamentavam na análise da tríade autor-texto-leitor - sempre privilegiando o texto -, nos últimos anos a ênfase em abordagens interdisciplinares criou o contexto propício para teorias que vêm alterando o próprio conceito de literatura. Siegfried Schmidt é um exemplo de pesquisador que tem contribuído para uma reavaliação de pontos essenciais da teoria literária. Fundador do grupo alemão NIKOL2 , Schmidt desenvolve um projeto de pesquisa fundamentado em pressupostos epistemológicos denominados pelo grupo como "construtivismo radical", que postula a necessidade de se tomar a literatura não apenas como texto, mas como um sistema processual.

[...]

Palavras-chave: Literatura infantil; Pedagogismo; Infantilismo; Teoria literária; Siegfried Schmidt.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Lúcia Fernandes Guelfi, Universidade Federal de Viçosa (UFV)

Doutora em Letras peta PUC/RJ. Professora de Literatura no Departamento de Letras e Artes da Universidade Federal de Viçosa, MG.

Referências

GULLAR, Ferreira. Traduzir-se. Toda poesia. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1980. p. 437-438.

JAPIASSU, Hilton, MARCONDES, Danilo. Dicionário básico de filosofia. Rio de Janeiro: Zahar, 1990.

KIRINUS, Glória. Entre-vi-vendo a conspiração mitopoética na criança da pós-modernidade. Letr./PUC. Diss. Mestr. Rio de Janeiro, jul. 1992.

LEIROZ, Flávia Pinto. Ciência da literatura empírica construtivista: novas propostas. In: Do texto ao sistema literário: novas propostas para o estudo da literatura. Diss. Mestr. PUC/Rio de Janeiro, 1996, p. 5179.

NEVES, Thomaz Guilherme Albornoz. Pressupostos teóricos. In: __________, Um certo Dante. Diss. Mestr. PUC/Rio de Janeiro, 1996, p. 12-58.

NUNES, Lygia Bojunga. A bolsa amarela. 2 ed. Rio de Janeiro: Agir, 1976.

OLINTO, Heidrun K. Letras na página/palavras no mundo. Palavra, n. 1, p. 21, Rio de Janeiro, PUC/Rio, 1993.

OLINTO, Heidrun K. A construção do cérebro. Veja. Rio de Janeiro, 20 mar. 1996, p. 84-89.

ARÊS, Philippe. História social da criança e da família. 2 ed. Rio de Janeiro: Ed. Guanabara, 1978.

BAKHTIN, Mikhail. Problemas da poética de Dostoiévski. Rio de Janeiro: Forense-Universitário, 1981.

BETTELHEIM, Bruno. A psicanálise dos contos de fadas. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1980.

DIATKINE, René. Histórias sem fim. Entrevista. Veja, Rio de Janeiro, 17 mar. 1993, p. 7-9.

DUROZOI, Gérard, ROUSSEL, André. Dicionário de Filosofia. Campinas: Papirus, 1993.

FRANZ, Marie L.V. A interpretação dos contos de fadas. Rio de Janeiro: Achiamê, 1970.

PIAGET, Jean. Psicologia e Pedagogia. Rio de Janeiro: Forense, 1970.

PILETTI, Wilson. Princípios e fases do desenvolvimento. Psicologia educacional. São Paulo: Ática, 1984. p. 200-213.

PIMENTA, Arlindo C. Sonhar, brincar, criar, interpretar. 2 ed. São Paulo: Ática, 1993. (Princípios, 16).

RAMOS, Graciliano. Infância. Rio de Janeiro: Record, 1992.

ROCHA, Ruth. O reizinho mandão. São Paulo: Quinteto Editorial, 1985. Sapo vira rei vira sapo. Rio de Janeiro: Salamandra, 1982.

ROSA, João Guimarães. Primeiras estórias. 23 ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1988.

SCHMIDT, Siegfried. Construtivismo na pesquisa dos meios de comunicação: conceitos, conseqüências. Palavra n. 2, p. 11 1-137. Rio de Janeiro, PUC/ Rio, 1994.

SILVA, Vera Maria Tieümann. O mar na ficção de Lygia Bojunga. In: __________, Literatura infanto-juvenil: seis autores, seis estudos. Goiânia: Ed. da UFG, 1994. p. 84-109.

SILVA, Vera Maria Tieümann. A trajetória crítica de Ruth Rocha. In: __________, Literatura infantojuvenil: seis autores, seis estudos. Goiânia: Ed. da EFG, 1994. p. 135-154.

VOLOBUEF, Karin. Um Estudo do Conto de Fadas. Revista Letras, Unesp, São Paulo, 33. 99-114, 1993.

ZILBERMAN, Regina. A literatura infantil na escola. 2 ed. São Paulo: Global, 1982.

MAGALHÃES, Ligia Cademartori. Literatura infantil: autoritarismo e emancipação. 3.ed. São Paulo: Ática, 1987.

Downloads

Publicado

2008-10-15

Como Citar

GUELFI, M. L. F. Literatura infantil: fantasia que constrói realidades. Educação e Filosofia, Uberlândia, v. 10, n. 20, p. 131–154, 2008. DOI: 10.14393/REVEDFIL.v10n20a1996-929. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/EducacaoFilosofia/article/view/929. Acesso em: 23 fev. 2024.