Fernando de Azevedo

marcos conservadores de uma ação reformista

Autores

  • Décio Gatti Júnior Universidade Federal de Uberlândia (UFU)

DOI:

https://doi.org/10.14393/REVEDFIL.v10n20a1996-924

Palavras-chave:

Educação, Política, Educação no Brasil

Resumo

Este artigo ocupa-se da analise da ação político-educacional de Fernando de Azevedo, importante protagonista do movimento dos “pioneiros da educação nova”, com marcante atuação junto ao Estado brasileiro entre os anos vinte e quarenta deste século. Busca-se apreender o caráter eminentemente conservador de uma prática social que se expressava: na proposição de uma reforma moral, na implementação de políticas públicas de educação e na construção de uma memória histórica que ganhou força paradigmática no campo da História da Educação Brasileira.

"Quem diz que não gosta de política adora praticar politica conservadora" António Sérgio

Palavras-chave: Educação; Política; Educação no Brasil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Décio Gatti Júnior, Universidade Federal de Uberlândia (UFU)

Professor de História da Educação do Departamento de Fundamentos da Educação da Universidade Federal de Uberlândia (UFU).

Referências

AZEVEDO, Fernando de e outros. Manifesto dos Pioneiros da Educação Nova. Revista Pedagógica Brasileira. Brasília 65 (150); 407425, maioago., 1984.

AZEVEDO, Fernando de. A Cultura Brasileira. 4a Edição (revista e ampliada), Brasília, Editora da Universidade de Brasília, 1963, 802p.

AZEVEDO, Fernando de. Fernando de Azevedo por ele mesmo. Curriculum Vitae datilografado. (parte do Arquivo Fernando de Azevedo existente no Instituto de Estudos Brasileiros da Universidade de São Paulo).

CARVALHO, Marta M. C. de. Molde Nacional e Fôrma Cívica: Higiene, Moral e Trabalho no Projeto da Associação Brasileira de Educação (1924-1931). Tese de Doutoramento, São Paulo, FEUSP, 1986. (mimeo.)

CARVALHO, Marta M. C. de. Notas para a Reavaliação do Movimento Educacional Brasileiro (1920-1930). Cadernos de Pesquisa. São Paulo, Fundação Carlos Chagas, (66) 4-11, agosto de 1988.

CARVALHO, Marta M. C. de. O novo, o velho, o perigoso: relendo A Cultura Brasileira. Cademos de Pesquisa. São Paulo, Fundação Carlos Chagas, (71) 2935, novembro de 1989.

CARVALHO, Marta M. C. de. Escola , memória, historiografia: a produção do vazio, São Paulo em Perspectiva. São Paulo, SEADE, 7(1): 10-15, jan./mar. de 1993.

CUIN, Charles-Henry & GRESLE, François. História da Sociologia. São Paulo, Ensaio, 1994.

IANNI, Octávio. Educação e Ideologia. In: Industrialização e Desenvolvimento Social no Brasil. São Paulo, Civilização Brasileira, 1963, p. 183-191.

MICELI, Sergio (org.). História das Ciências Sociais no Brasil (Vol. 1). São Paulo, Vértice/lDESP, 1989.

MOTA, Carlos Guilherme. Cristalização de uma Ideologia: A "Cultura Brasileira". In: Ideologia da Cultura Brasileira (1933-1974). 4a Edição, São Paulo, Editora Ática, 1980, p. 53- 83.

OZOUF, Mona. L'École, l'Église et Ia République (1871-1914). Paris, Éditions Cana/Jean Olfredo, 1982.

Downloads

Publicado

2008-10-15

Como Citar

JÚNIOR, D. G. Fernando de Azevedo: marcos conservadores de uma ação reformista. Educação e Filosofia, Uberlândia, v. 10, n. 20, p. 51–65, 2008. DOI: 10.14393/REVEDFIL.v10n20a1996-924. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/EducacaoFilosofia/article/view/924. Acesso em: 25 jul. 2024.