O professor e sua prática

Autores

  • Joel Pimentel de Ulhôa Universidade Federal de Goiás (UFG)

DOI:

https://doi.org/10.14393/REVEDFIL.v12n24a1998-852

Palavras-chave:

Educador, Educação, Professor, Ciência, Teoria, Prática, Atitude científica, Crítica

Resumo

O artigo mostra as dificuldades que o professor encontra para pensar teoricamente a sua prática, fundamentando a enquanto educador. Reflete, em conseqüência, sobre o risco dos "ismos" que dominam a prática pedagógica impedindo-lhe uma visão crítica do processo educacional como um todo e termina lembrando que a solução para esse problema não está na criação de uma "ciência da educação" (postura cientificista), mas na adoção, pelo educador, de uma atitude crítica é aberta ao diálogo com os vários campos de saber com que interage.

Palavras-chave: Educador; Educação; Professor; Ciência; Teoria; Prática; Atitude científica; Crítica.

 

Abstract: The article points out the difficulties the teacher encounters to formulate in theory his own practice, fundamenting it as a teacher. It reflects, therefore on the risks of "isms" that dominate pedagogical practice impeding a critical view of the educational process as a whole and ends reminding us that the solution to this problem is not in the creation of a "science of education" (a scientificist posture), but the adoption, by the teacher, of a posture not naive and open to dialogue with the various fields of knowledge with which he interacts.

Key-words: Teacher; Education; Science; Theory; Practice; Scientific posture; Criticism.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Joel Pimentel de Ulhôa, Universidade Federal de Goiás (UFG)

Professor da Universidade Federal de Goiás.

Referências

ALVES, Rubem. O preparo do educador. In: O educador: vida e morte. Rio de Janeiro: Graal, 1982.

ALTHUSSER, Louis. Freud e Lacan. In: Estruturalismo - antologia de textos teóricos. Lisboa: Martins Fontes, s/d.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. Refletir, discutir, propor: as dimensões de militância intelectual que há no educador. In: O educador: vida e morte. Rio de Janeiro: Graal, 1982.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. Em campo aberto. São Paulo: Cortez, 1995.

BUNGE, Mario. La ciencia - su método y su filosofía. Buenos Aires: Siglo Veinte, 1973.

BUNGE, Mario. Teoria e realidade. São Paulo: Perspectiva, 1974.

CHAUÍ, Marilena de Souza. O que é ser educador hoje? Da arte à ciência: a morte do educador. In: O educador: vida e morte. Rio: Graal, 1982.

CIRIGLIANO, Gustavo F. J. Filosofía de la educación. Buenos Aires: Humanitas, 1973.

COELHO, Ildeu Moreira. A questão política do trabalho pedagógico. In: O educador: vida e morte. Rio: Graal, 1982.

COELHO, Ildeu Moreira. Realidade e utopia na construção da universidade: memorial. Goiânia: Ed. da UFG, 1996.

DURKHEIM, Émile. Educação e sociologia. São Paulo: Melhoramentos, 1967.

FAURE, Edgar. Aprender a ser. Lisboa: Bertrand, 1974.

KRECH, David, CRUTCHFIELD, Richard S. e BALLACHEY, Egerton L. O indivíduo na sociedade. São Paulo: Pioneira, 1962.

LEVINE, Donald N. Visões da tradição sociológica. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1997.

MARÍAS, Julián. Introdução à filosofia. São Paulo: Duas Cidades, 1966.

PAIVA, Vanilda Pereira. Educação popular e educação de adultos. São Paulo: Loyola, 1973.

SILVA, Jefferson I. da. Formação do educador e educação política. São Paulo: Cortez: Autores Associados, 1992.

Downloads

Publicado

2008-09-22

Como Citar

DE ULHÔA, J. P. O professor e sua prática. Educação e Filosofia, Uberlândia, v. 12, n. 24, p. 187–203, 2008. DOI: 10.14393/REVEDFIL.v12n24a1998-852. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/EducacaoFilosofia/article/view/852. Acesso em: 5 mar. 2024.