História nova do Brasil

uma filosofia da história?

Autores

  • Amarilio Ferreira Jr. Universidade Federal de São Carlos (UFSCar)

DOI:

https://doi.org/10.14393/REVEDFIL.v12n24a1998-849

Palavras-chave:

Filosofia, Partido Comunista Brasileiro, Marxismo, História do Brasil

Resumo

Resumo: A partir da década de 30, por influência da fundação do Partido Comunista Brasileiro (1922), surgem as primeiras interpretações marxistas da formação sócio-econômica brasileira. Todavia, em decorrência da sacralização da teoria social de Marx, nos cânones do marxismo-leninismo instituídos pela III Internacional Comunista, essa tendência epistemológica da historiografia consubstanciou a realidade brasileira através de um quadro categorial esquemático estabelecido de forma apriorística. A História Nova do Brasil não renegou esse quadro. Deu-lhe um caráter nacionalista com, pelo menos, dois propósitos: desmistificar as falsificações da História do Brasil e servir de instrumento ideológico na luta pela libertação do País.

Palavras-chave: Filosofia; Partido Comunista Brasileiro; Marxismo; História do Brasil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Amarilio Ferreira Jr., Universidade Federal de São Carlos (UFSCar)

Professor da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) e doutorando no Programa de História Social da Universidade de São Paulo (USP).

Referências

ALENCASTRO, Luiz Felipe de. Entrevista. Folha de São Paulo, São Paulo, 04 dez. 1994. Caderno 6, p. 7-8.

BRASIL. Poder Executivo. Decreto nº 53.583, de 21 de fevereiro de 1964. Dispõe sobre edição de livros didáticos, dando outras providências. In: BOBBIO, Pedro Vicente. Lex; coletânea de legislação. São Paulo: Lex Editora, 1964. p.171.

BRASIL. Poder Executivo. Decreto nº 53.887, de 14 de abril de 1964. Dispõe sobre edição de livros didáticos e revoga o Decreto nº 53.583, de 21 de fevereiro de 1964. In: BOBBIO, Pedro Vicente. Lex; coletânea de legislação. São Paulo: Lex Editora, 1964. p. 345.

BOBBIO, Pedro Vicente. Lex; coletânea de legislação. São Paulo: Lex Editora, 1964. p.171.

CARONE, Edgard. O P.C.B. (1943 a 1964). São Paulo: DIFEL, 1982. 325 p. (Coleção Corpo e Alma do Brasil, 2).

FERNANDES, Florestan. Obra de Caio Prado nasce da rebeldia moral. Folha de São Paulo, São Paulo, 7 set. 1991. Caderno 6, p. 5.

HEGEL, G. W. F. La razon en la historia. Trad. César Armando Gómez. Madrid: Seminarios y Ediciones, 1972. 333 p.

IANNI, Octávio. A dialética da história. In: D'INCAO, Maria Angela (Org.). História e ideal; ensaios sobre Caio Prado Junior. São Paulo: Brasiliense, 1989. p. 63-78.

IANNI, Octávio. O colapso do populismo no Brasil. 4 ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978. 223 p.

KOSIK, Karel. Dialética do concreto. 2 ed. Trad. Célia Neves et al. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1976. 229 p.

MARX, Karl. Para a crítica da economia política. In: Manuscritos econômico-filosóficos e outros textos escolhidos. Tradução: José Carlos Bruni et al. São Paulo: Abril Cultural, 1978. 404 p. (Coleção os Pensadores).

MÉSZÁROS, István. Filosofia, ideologia e ciência social; ensaios de negação e afirmação. Trad. Laboratório de Tradução do CENEX/ FALE/UFMG. São Paulo: Ensaio, 1993. 287 p.

MOTA. Carlos Guilherme. Ideologia da cultura brasileira (1933-1974); pontos de partida para uma revisão histórica. 3 ed. São Paulo: Ática, 1977. 303 p.

RODRIGUES, José Honório. História e historiografia. Petrópolis: Vozes, 1970. 306 p.

SANTOS, Joel Rufino dos et al. História Nova do Brasil (1963-1993). São Paulo: Loyola, 1993. 212 p. (Memória - 18).

SODRÉ. Nelson Werneck. Introdução à revolução brasileira. 4 ed. São Paulo: Livraria Editora Ciências Humanas, 1978. 258 p.

SODRÉ. Nelson Werneck. História do ISEB. Temas de Ciências Humanas. São Paulo: Editorial Grijalbo, 1977, v. 1. p. 101-119.

SODRÉ, Nelson Werneck. História do ISEB 2. Crise. Temas de Ciências Humanas. São Paulo: Editorial Grijalbo, 1997, v. 2. p.119 143.

Downloads

Publicado

2008-09-22

Como Citar

FERREIRA JR., A. História nova do Brasil: uma filosofia da história?. Educação e Filosofia, Uberlândia, v. 12, n. 24, p. 143–157, 2008. DOI: 10.14393/REVEDFIL.v12n24a1998-849. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/EducacaoFilosofia/article/view/849. Acesso em: 2 mar. 2024.