Elementos antropológicos no pensamento de Antero de Quental

Autores

  • José Beluci Caporalini Universidade Federal de Uberlândia (UFU)

DOI:

https://doi.org/10.14393/REVEDFIL.v13n25a1999-797

Palavras-chave:

Homem, transcendencia, moral, evolução, santidade

Resumo

O pensador português tem uma dupla reação contra o sistema abstrato hegeliano: a primeira com preocupações de reforma sócio revolucionária e a segunda com a sua filosofia do sentimento.Ele não tem uma visão antropológica sistemática. O homem anteriano caracteriza-se pela busca da transcendência, pelo desespero autêntico, pela dúvida, pela dor, pelo tédio, pelo desengano, enfim, por problemas postos pela finitude humana, pelo mal e pela aporia suprema que é a morte. O homem deve lutar pela sua realização individual, pessoal. Isto deve ser feito em comunhão com os outros homens. O mundo moral do homem depende da virtude; esta da renúncia e privação. Só assim há a ascensão do homem à transcendência. A santidade é o término de toda a evolução do homem e o objetivo autêntico de sua marcha até o Absoluto, porque o drama do ser e da existência termina na libertação final, através do bem, que é a lei suprema do Universo e a essência do espírito.

 

ABSTRACT:

 

The Portuguese thinker has gotten a double reaction against the hegelian abstract system: the first one is characterized by his concern for socio-revolutionary reform, and the second one by his philosophy of feeling. He has not gotten a systematic anthropological philosophy. Antero's man's conception is characterized by his search for transcendence; by his authentic dispair, by doubt; by pain; by tediosness; by disenchantment; in short, by problems set by human finitude, by evil and by the supreme aporia that is human death. Man ought to struggle for his individual and personal self-fulfillment. This has to be done in fellowship with others. Man's moral world depends on virtue; virtue depends on renounce and self-privation. Only thus does man ascend to transcendence. Holiness is the goal of man's final evolution and the authentic aim of his ascent to Absolute, because human being, it's existence and drama ends up in it's final liberation, through good, which is Universe's supreme law and the Spirit's essence.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Beluci Caporalini, Universidade Federal de Uberlândia (UFU)

Professor Titular aposentado de Filosofia antiga da Universidade Federal de Uberlândia

Referências

CARVALHO, Joaquim de. A evolução espiritual de Antero. Lisboa: Oficinas Gráficas, 1929.

JOURNET, Charles; El mal. Madrid: Ediciones Rialp, 1965.

QUENTAL, Antero de. Poesia e prosa. 4. ed. Organização de Adolfo Casais Monteiro. Rio de Janeiro; Agir, 1972.

QUENTAL, Antero de. Poesia e prosa. Bom senso e bom gosto: carta ao Excelentíssimo Senhor Antônio Feliciano de Castilho. Coimbra. Imprensa da Universidade, 1865.

QUENTAL, Antero de. Poesia e prosa. Prosas. Org. de Joaquim de Carvalho Coimbra: Imprensa da

Universidade, 1923. V.I; 1926, V.II; 1934, V. III. RODRIGUES, Anna Maria Moog. Antero de Quental: símbolo dos valores da cultura portuguesa. Tese de Doutorado. Rio de Janeiro: UGF, 1983.

SARAIVA, Antônio José e LOPES, Oscar. História da Literatura Portuguesa. 6. ed. Porto: Porto Editora, SD.

SILVA, Fernando M. Soares. Antero de Quental: the existentialist poet philosopher. Lisboa: Atelier Gráfico Novotipo, 1969.

SILVA, Pe. Lúcio Craveiro da. Antero de Quental: evolução do seu pensamento filosófico. Braga: Livraria Cruz, 1959.

Antero de Quental. O primeiro filósofo da encruzilhada, Revista Portuguesa de Filosofia, Braga, abr.-jun. 1960, T. XVI, fasc.2.

UNAMUNO, Miguel de. Por tierras de Portugal y de España. 8.ed, Madrid:Espasa-Calpe, 1976.

Downloads

Publicado

2015-10-06

Como Citar

CAPORALINI, J. B. Elementos antropológicos no pensamento de Antero de Quental. Educação e Filosofia, Uberlândia, v. 13, n. 25, p. 91–104, 2015. DOI: 10.14393/REVEDFIL.v13n25a1999-797. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/EducacaoFilosofia/article/view/797. Acesso em: 1 mar. 2024.