As raízes epistemólgicas do mito

Autores

  • Jefferson Ildenso da Silva Centro Universitário do Triângulo – Uberlândia, MG.

DOI:

https://doi.org/10.14393/REVEDFIL.v14n27/28a2000-739

Palavras-chave:

Filosofia, Mito, Valor epistemológico do mito

Resumo

Este trabalho se propõe estudar o valor epistemológico do mito e seu lugar perante o universo racional. São analisadas as características do mito no contexto da produção da vida humana e suas relações imediatas com a experiência existencial e com o espaço do vivido. Especial relação é estabelecida entre o mito e a formação da consciência de pertença, basilar para a estruturação da vida social. O projeto social e a destinação do grupo ficam profundamente marcados pelo sentido escatológico que perpassa o mito e alimenta a utopia social. O mito apresenta, entretanto, sua ambiguidade e fragilidade ao se tornar presa fácil de manipulação pelas forças de dominação na sociedade. Com isso, reveste-se de força política para a dominação e, contraditoriamente, para a libertação.

Palavras-chave: Filosofia; Mito; Valor epistemológico do mito;

Resumé: Ce travail a le but d'étudier la qualité de la connaissance qui se trouve dans le mythe e sa place devant l'univers de la raison. Sont analisées les characteristiques du mythe dans le contexte de production de la vie humaine et de ses rapports aux expériences existencielles. On établie un rapport special entre le mythe et la formation de la conscience d'appartenir au groupe social, si fondamental pour structurer la vie en societé. Le projet social et la destination du groupe sont fortement marqués par le sens schatologique qui est présent dans le mythe et qui donne d'élan à l'utopie social. Toutefois, le mythe manifeste son ambiguité et sa fragilité devant la possibilité d'être manupulé par les forces dominantes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jefferson Ildenso da Silva, Centro Universitário do Triângulo – Uberlândia, MG.

Coordenador do Mestrado em Magistério Superior – Centro Universitário do Triângulo – Uberlândia, MG.

Referências

BREHIER, E. Philosophie et mithe. Revue de métaphisique et de Morale, mai, 1914. [Tradução do Instituto Nacional Piracicabano, Texto 6. Circulação interna, s.d.].

CASSIRER, Ernst. Antropologia Filosófica, Ensaio sobre o homem. São Paulo: Mestre Jou, 1972.

ELI ADE, Mircea. Signification du mythe. In: Le Langage. A la Baconiàre. [Tradução do Instituto Nacional Piracicabano, Texto 5. Circulação Interna, s.d.].

______________. Mito e realidade. São Paulo: Perspectiva, 1972.

GRANGER, Gilles-Gaston. A razão. Lisboa: Edições 70, 1985.

GUSDORF, Georges, Mythe et métaphisique; introduction á la philosophie. Paris: Flammarion, 1953. [Tradução do Instituto Nacional Piracicabano, Texto 7. Circulação Interna, s.d.].

LEENHARDT, M. Do Kamo. La personne et le mithe dans le monde mélanésien. Paris, 1947.

LÉVI-STRAUSS, Claude. O pensamento selvagem. São Paulo: Nacional, 1976.

MALINOWSKI, Bronislaw. Argonautas do Pacífico Ocidental. São Paulo: Abril Cultural, 1976. (Os Pensadores). v. 43.

MARX, K. O Capital. São Paulo: Abril Cultural, 1983. v. 1/1.

MARX, K. e ENGELS, F. Obras Escolhidas. São Paulo: Alfa-omega, s.d. v. 2.

VAN RIET, Georges. Mythe et vérité. [Tradução do Instituto Nacional Piracicabano, Texto 9. Circulação interna. s.d.l.

VICO, Giambattista. Da descoberta do verdadeiro Homero. In Princípios de uma Ciência Nova. São Paulo: Abril Cultural, 1974. (Os Pensadores). v. 20.

Downloads

Publicado

2008-09-01

Como Citar

DA SILVA, J. I. As raízes epistemólgicas do mito. Educação e Filosofia, Uberlândia, v. 14, n. 27/28, p. 145–158, 2008. DOI: 10.14393/REVEDFIL.v14n27/28a2000-739. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/EducacaoFilosofia/article/view/739. Acesso em: 2 mar. 2024.