As academias militares na república brasileira

um estudo de educação política

Autores

  • Geraldo Inácio Filho Universidade Federal de Uberlândia (UFU)

DOI:

https://doi.org/10.14393/REVEDFIL.v14n27/28a2000-738

Palavras-chave:

Educação, Academias Militares, Educação Política

Resumo

O presente trabalho trata do processo de construção da educação política dos militares. A ênfase explicativa recai sobre a fabricação da representação militar do Exército Brasileiro, reportando-se às Academias Militares da Praia Vermelha, do Realengo e as Agulhas Negras (AMAM), esta última, em período recente, muito influenciada pela Escola Superior de Guerra e pela Doutrina da Segurança Nacional.  

Palavras-chave: Educação; Academias Militares; Educação Política.

Abstract: The present work is about the process of construction military political education. The mean explication is about the maked of the military representation of Brazilian Army, reporting to Military Academies of Praia Vermelha, Realengo and Agulhas Negras (AMAN), this last, in recent period, very influencied by Superior School of War and by the National Security Doctrine of Brazil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Geraldo Inácio Filho, Universidade Federal de Uberlândia (UFU)

Diretor da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Uberlândia. Pesquisador do Núcleo de Estudos e Pesquisas em História e Historiografia da Educação.

Referências

CAPELA, L. M. C. (1988). “Militares e organização nacional: os jovens turcos”. Ciências Sociais Hoje, São Paulo; ANPOCS-Vértice-Editora Revista dos Tribunais, pp. 162-184.

CARONE, E. (1965). Revoluções de Brasil contemporâneo. São Paulo: Ed. São Paulo.

CASTRO, P.F. (1964). “A experiência Republicana”. In: HOLLANDA. S.B. História da Civilização Brasileira. São Paulo: DIFEL. Pp. 9-67. Tomo 2, v2.

CHARTIER, R. (1990). A história cultural. Trad. Maria M. Galhardo. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

____________. (1991). “O mundo como representação”. Estudos Avançados, São Paulo, n. 11, v.5, pp. 171-191. https://doi.org/10.1590/S0103-40141991000100010

COELHO, E. C. (1990). “A instituição militar no Brasil”. BIB, São Paulo: ANPOCS-Cortez, n. 15-19, pp. 335-359.

COMBLAIN, J. (1978). A ideologia da segurança nacional. Trad. A. Veiga Fialho. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

COSTA, W. P. (1990). A espada de Dâmocles. São Paulo: USP. (Tese de Doutoramento).

DALARI, D. A. (1981). Uma lei de insegurança. Folha de S. Paulo, 21 jun., p. 10 (Folhetim).

DURKHEIM, E. (1989). As formas elementares da vida religiosa. Trad. Joaquim Pereira Neto. São Paulo: Paulinas.

FOUCAULT, M. (1977). Vigiar e punir. Trad. Lígia M. P. Vassalo. Petrópolis: Vozes.

HOBSBAWN, E. (1984). A invenção das tradições. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

HORTA, J.S.B. (1994). O hino, o sermão e a ordem do dia: o regime autoritário e a educação no Brasil. Rio de Janeiro: Ed. UFRJ.

IANNI, O. (1990). “A idéia de modernidade”. Revista Resgate, n. 1, Campinas, pp. 19-38.

INACIO FILHO, G. (1997). Ordens do Dia e Educação Política: da construção à materialização da representação coletiva. Campinas: UNICAMOP. (Tese de doutoramento).

MICHELOTO, A. R. (1991). Catolicismo e libertação dos setores subalternos rurais. São Paulo: PUC-SP. (Tese de doutoramento).

MOTTA, J. (1976). Formação de Oficial do Exército. Rio de Janeiro: Artes Gráficas.

ROUQUIÉ, A. (1984). O Estado Militar na América Latina. Trad. Leda R. C. Ferraz. São Paulo: Alfa Omega.

SAES, D. (1985). A formação do estado burguês no Brasil. 2ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Downloads

Publicado

2008-09-01

Como Citar

FILHO, G. I. As academias militares na república brasileira: um estudo de educação política. Educação e Filosofia, Uberlândia, v. 14, n. 27/28, p. 127–144, 2008. DOI: 10.14393/REVEDFIL.v14n27/28a2000-738. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/EducacaoFilosofia/article/view/738. Acesso em: 20 fev. 2024.