Políticas de dominação e o processo pedagógico em bell hooks

Autores

  • Lucas Antunes Machado UFRGS / Faculdade Anhanguera

DOI:

https://doi.org/10.14393/REVEDFIL.v37n81a2023-69402

Palavras-chave:

Políticas de dominação, Processo pedagógico, bell hooks

Resumo

Resumo: O aumento significativo de discursos de ódio e a violência contra minorias sociais revela a sala de aula como microcosmo de uma sociedade estruturada por políticas de violência colonial e patriarcal. Experiências de sala de aula evidenciam contradições que variam em torno de práticas de libertação e/ou dominação de corpos e mentes. O ensaio propõe uma discussão sobre as políticas de dominação e o processo pedagógico na perspectiva da intelectual, ativista social e crítica cultural bell hooks. Sua concepção de educação deriva de sua própria experiência de opressão de classe, raça e gênero, culminando em seu projeto ético-político de educação. Partimos da perspectiva de que a experiência do corpo em sala de aula pode ser lócus privilegiado de reflexões críticas dos sistemas interligados de opressão.

Palavras-chave: Políticas de dominação; Processo pedagógico; bell hooks.

Politics of domination and the pedagogical process in bell hooks 

Abstract: The significant increase in hate speech and violence against social minorities reveals the classroom as a microcosm of a society structured by policies of colonial and patriarchal violence. Classroom experiences reveal contradictions around practices of liberation and/or domination of bodies and minds. This essay discusses the politics of domination and the pedagogical process from the perspective of the intellectual, social activist, and cultural critic bell hooks. Her conception of education derives from her experience of class, race, and gender oppression, culminating in her ethical-political education project. We start from the perspective that the experience of the body in the classroom can be a privileged locus for critical reflections on interconnected systems of oppression.

Key-words: Politics of domination; Pedagogical process; bell hooks.

Política de dominación y el proceso pedagógico en bell hooks 

Resumen: El aumento significativo del discurso de odio y de la violencia contra las minorías sociales revela el aula como un microcosmos de una sociedad estructurada por políticas de violencia colonial y patriarcal. Las experiencias en el aula revelan contradicciones que giran en torno a prácticas de liberación y/o dominación de cuerpos y mentes. El ensayo propone una discusión sobre las políticas de dominación y el proceso pedagógico desde la perspectiva de la intelectual, activista social y crítica cultural bell hooks. Su concepción de la educación deriva de su propia experiencia de opresión de clase, raza y género, culminando en su proyecto ético-político de la educación. Partimos de la perspectiva de que la experiencia del cuerpo en el aula puede ser un locus privilegiado de reflexiones críticas de sistemas de opresión interconectados.

Palabras clave: Política de dominación; Proceso pedagógico; bell hooks.

Data de registro: 18/05/2023

Data de aceite: 20/09/2023

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lucas Antunes Machado, UFRGS / Faculdade Anhanguera

Doutorando em Sociologia pelo Programa de Pós-Graduação em Sociologia (UFRGS). Professor do curso de Psicologia na Faculdade Anhaguera. Docente de Sociologia na rede pública do Estado do RS. lucas.machado@outlook.com.br. ID Lattes: 2923201157952402 . ORCID: 0000-0002-1165-7740 

Referências

ARENDT, Hannah. Sobre a violência. 7. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2016.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. 4. ed. Rio de Janeiro: BestBolso, 2017.

COSTA, Cristina. Sociologia: introdução à ciência da sociedade. 3. ed. São Paulo: Moderna, 2005.

COLLINS, Patricia Hill. Pensamento feminista negro: conhecimento, consciência e a política do empoderamento. São Paulo: Boitempo Editorial, 2019.

FANON, Franz. Os condenados da terra. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1961.

GIDDENS. Anthony. Sociologia. 6. ed. Porto Alegre: Penso, 2012.

GROSFOGUEL, R. A estrutura do conhecimento nas universidades ocidentalizadas: racismo/sexismo epistêmico e os quatro genocídios/epistemicídios do longo século XVI. Revista Sociedade e Estado, v. 31, n. 1, 2018. Disponível em: < https://www.scielo.br/j/se/a/xpNFtGdzw4F3dpF6yZVVGgt/?lang=pt>. Acesso em 17 de maio de 2023. https://doi.org/10.1590/S0102-69922016000100003

GOMES. Nilma Lino. O movimento negro educador: saberes construídos nas lutas por emancipação. Petrópolis, RJ: Vozes, 2019.

hooks, bell. Ensinando a transgredir: a educação como prática de liberdade. 2a ed. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2017.

hooks, beel. Erguer a voz: pensar como feminista, pensar como negra. São Paulo: Elefante, 2019a.

hooks, bell. Teoria Feminista: Da margem ao Centro. São Paulo: Perspectiva, 2019b

hooks, bell. O feminismo é para todo mundo: políticas arrebatadoras. 4 ed. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 2019c.

hooks, bell. Ensinando pensamento crítico: sabedoria prática. São Paulo: Editora Elefante, 2020

hooks, bell. Escrever além da raça: teoria e prática. São Paulo: Elefante, 2022a.

hooks, bell. A gente é da hora: homens negros e masculinidade. São Paulo: Elefante, 2022b.

hooks, bell. Ensinando comunidade: uma pedagogia da esperança. São Paulo: Elefante, 2022c

KASTRUP, Virgínia. O funcionamento da atenção no trabalho do cartógrafo. In: PASSOS, Eduardo; KASTRUP, Virgínia.; ESCÓSSIA, Liliana da. (Orgs.). Pistas do método da cartografia: pesquisa intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2009.

LORDE, Audre. Não existe hierarquia de opressão. In: HOLLANDA, Heloisa Buarque de. (Org.). Pensamento feminista: conceitos fundamentais. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, p. 246-256, 2019.

MACHADO, Lucas Antunes. Contribuições do pensamento feminista negro interseccional para a Educação em Direitos Humanos. Revista Contemporânea de Educação, v. 16, n. 37, p. 218-236, 2021. Disponível em: < file:///C:/Users/Lucas/Downloads/44970-137576-1-PB%20(15).pdf>. Acesso em 17 de maio de 2023. https://doi.org/10.20500/rce.v16i37.44970

NOGUEIRA, Renato. Denegrindo a educação: Um ensaio filosófico para uma pedagogia da pluriversalidade. Revista Sul-Americana de Filosofia e Educação, n. 18, p. 62-73. Disponível em: < https://periodicos.unb.br/index.php/resafe/article/view/4523/4124>. Acesso em 17 de maio de 2023. https://doi.org/10.26512/resafe.v0i18.4523

PIRES, Thulia Rafaela Oliveira de. Por uma concepção amefricana de direitos humanos. In: HOLLANDA, Heloisa Buarque de. (Org.). Pensamento feminista hoje: perspectivas decoloniais. 1. ed. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2020.

QUIJANO, Anibal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, Edgardo. (Org.) A colonialidade do saber – eurocentrismo e ciências sociais, perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: CLACSO, 2005, p. 229-279. Disponível em: < https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/2591382/mod_resource/content/1/colonialidade_do_saber_eurocentrismo_ciencias_sociais.pdf>. Acesso em 17 de maio de 2023.

WEBER, Max. Economia e sociedade: fundamentos da sociologia compreensiva. Brasília, DF: Editora Universidade de Brasília, 1999.

Downloads

Publicado

2024-02-09

Como Citar

ANTUNES MACHADO, L. Políticas de dominação e o processo pedagógico em bell hooks. Educação e Filosofia, Uberlândia, v. 37, n. 81, p. 1409–1436, 2024. DOI: 10.14393/REVEDFIL.v37n81a2023-69402. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/EducacaoFilosofia/article/view/69402. Acesso em: 14 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos