A digressão sobre o conhecimento na Carta Sétima platônica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/REVEDFIL.v37n79a2023-66893

Palavras-chave:

Escrita, Metafísica, Platão, Carta Sétima, Digressão

Resumo

Resumo: Na digressão da Carta Sétima (341c-d – 344d-e) Platão faz uma descrição do caminho filosófico e do limite dos discursos, sejam escritos ou falados, para se alcançar e comunicar o conhecimento dos seres e da virtude. A digressão critica a produção, por parte de Dionísio, jovem tirano de Siracusa, de um tratado sobre a filosofia platônica, visando suas ‘doutrinas’, como se já soubesse tudo sobre os princípios supremos da realidade. Nesse artigo pretendo ler a digressão acerca do conhecimento filosófico e sua transmissão, não como um desvio do curso da Carta, mas como parte central para entender  sua mensagem  a filosofia platônica em geral– evidenciando através do texto suas múltiplas e importantes ligações com os diálogos.

Palavras-chave: Escrita; Metafísica; Platão; Carta Sétima; Digressão.

The digression on knowledge in the platonic Seventh Letter

Abstract: In the digression of the Seventh Letter (341c-d–344d-e) Plato describes the philosophical path and the limits of discourses, whether written or spoken, to reach and communicate the knowledge of beings and virtue. The digression criticizes the production, by Dionysius, a young tyrant of Syracuse, of a treatise on Platonic philosophy, aiming at its 'doctrines', as if he already knew everything about the supreme principles of reality. In this article I intend to read the digression about philosophical knowledge and its transmission, not as a deviation from the course of the letter, but as a central part to understand the message of the letter and of Platonic philosophy in general – evidencing through the text its multiple and important connections with the dialogues.

Keywords: Writing, Metaphysics, Plato, Seventh Letter, digression.

La digression sobre el saber en la Séptima Carta platonica.

Resumen: En la digresión de la Carta Séptima (341c-d – 344d-e) Platón describe el camino filosófico y los límites de los discursos, sean escritos o hablados, para alcanzar y comunicar el conocimiento de los seres y de la virtud. La digresión critica la producción, por parte de Dionisio, un joven tirano de Siracusa, de un tratado sobre la filosofía platónica, apuntando a sus 'doctrinas', como si ya supiera todo acerca de los principios supremos de la realidad. En este artículo pretendo leer la digresión sobre el conocimiento filosófico y su transmisión, no como una desviación del curso de la Carta, sino como parte central para comprender el mensaje de la carta y de la filosofía platónica en general – evidenciando a través del texto sus múltiples e importantes conexiones con los diálogos.

Palabras clave: Escritura, Metafísica, Platón, Séptima Carta, digresión.

Data de registro: 04/09/2022

Data de aceite: 27/02/2023

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Henrique Guimarães, Universidade de Brasília (UnB)

Doutorando em Metafísica pela Universidade Brasília (UnB). Professor de Filosofia na Secretaria de Educação do Distrito Federal.

Referências

Vol. 16, No. 2, Issue 53: Contemporary Italian Thought, pp. 18-28. Published by: The Johns Hopkins University Press.

ALLINSON, Robert E.. (1998). A Rectification of Terms in the Epistolary Plato: Re-Reading Plato's Seventh Epistle'. CUHK Journal of Humanities.

BLUCK, M.A... (1949). Plato’s Life and Thought with a translation of the Seventh Letter Great Britain Arrowsmith Ltd. Bristol.

BLUCK, R. S. (1949). Plato’s Biography: The Seventh Letter. The Philosophical Review, vol. 58, n.5 Duke University Press.

BURNYEAT, Myles. FREDE, Michael. (2015) The Seventh Platonic Letter: A Seminar. Edited by Dominic Scott. Oxford University Press.

CASSERTANO, Giovanni. (2010). Paradigmas da Verdade em Platão. Edições Loyola, São Paulo, Brasil.

CIMAKASKY, Joseph. (2017). The Role of Exaíphnes in early greek literature. Philosophical transformation in Plato’s Dialogues and Beyond. Lexington Books.

CLARCK, Sherman. (2015.) The Seventh Letter and the Socratic Method. University of Michigan Law School.

COOPER, John M. (1997). Plato Complete Works. Hackett Publishing Company, Inc, Library of Congress Cataloging-in-Publication Data.

CROMBIE, I. M.. (1963). An Examination of Platos Doctrines: II Plato on Knowledge and Reality., London and New York, Routledge Library editions: Plato. 1ª ed.

COSTA, G.G. (2013) A escrita filosófica e o drama do conhecimento em Platão. Archai 11, p. 33-46.

DEANE, Philip. (1973) Stylometrics do not exclude the Seventh Letter. Mind, New Series, vol. 82, n. 325. Oxford University Press.

DONINI, P. FERRARI, F. (1973). O exercício da razão no mundo clássico: perfil de filosofia antiga.São Paulo: Annablume Clássica.

EDELSTEIN, Ludwig. (1966) Plato’s Seventh Letter. Leiden. E. J. Brill.

GADAMER, Hans Georg. (1980) Dialectic and Sophism in Plato’s Seventh Letter. In Dialogue and Dialectic – Eight Hermeneutical Studies on Plato – translated by P. Christopher Smith. Yale University Press, New Haven and London.

GONZALEZ, Francisco. (1995) The third way: new directions in Platonic studies. Rowman e Littlefield Publishers. United States of America.

GONZALEZ, Francisco. (1998) Dialectic and dialogue: Plato’s practice of philosophical inquiry. Northwestern University Press.

GILSON, Etienne. (1988) Linguistics and Philosophy: an essay on the philosophical constants of language. Chapter Title The Seventh Letter University of Notre Dame Press.

GRISWOLD, Jr. (1988) Platonic writings Platonic Readings. New York. Routledge.

GORDON, Jill. (2019) Power/Knowledge in Syracuse or why the Digression in the Seventh Letter is not a Digression.

GUTHRIE, W.K.C.. (1975). A history of Greek philosophy. Vol. 4: Plato, the man and his dialogues: earlier period. Cambridge University Press, Cambridge.

GUTHRIE, W. K. C.. (1978) A history of Greek philosophy, Vol 5. The later Plato and the Academy.Cambridge University Press, Cambridge.

HANKINS, James. (1990) Plato in Italian Renaissance. E. J. Brill, Leiden, New York, Kobenhavn, Köln.

HADOT, Pierre.(1998) Qué es la Filosofia Antígua? Traduccíon de Eliane Cazenave Tapie Isoard. Fondo de Cultura Econômica, México, DF.

ILIEVSKI, Viktor. (2013) Language and Knowledge in Plato’s Cratylus. FILOZOFIJA, 12, N.35, pp. 7-25, December.

JAEGER, Werner Wilhelm.. (2001) Paideia: a formação do homem grego.Trad. Artur M. Parreira. 4ª Ed. – São Paulo: Martins Fontes.

LEVISON, M., MORTON, Q. WINSPEAR, A. D.. (1968). The Seventh Letter of Plato. Mind, New Series, vol. 77, n. 307; Oxford University Press.

LOPES, Rodolfo. (2013). A organização tetralógica do corpus Platonicum: uma revisão do problema., Dos Homens e suas Ideias – Estudos sobre as Vidas de Diógenes Laércio. Centro de Estudos Clássicos e Humanísticos, Imprensa da Universidade de Coimbra -IUC

LOPES, R.. (2009). O Timeu de Platão: Mito e Texto: Estudo teórico sobre o papel do mito-narrativa fundacional e tradução anotada do texto. Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. Dissertação.

LOPES, R.; CORNELLI, G.. (2016) As chamadas doutrinas não-escritas de Platão: algumas anotações sobre a historiografia do problema desde as origens até nossos dias. Archai, nº 18, sept. -dec., p. 259 -281.

MESQUITA, Antônio. (1995) Doutrinas não-escritas em Platão?Reler Platão. Ensaio sobre uma Teoria das Ideias, Lisboa, INCM.

MIGLIORI, Maurizio. (2011) A filosofia não se aprende! Platão verdadeiro mestre e o escrito como “alusão protréptica”. Revista Archai (6), 35..

MORAIS, Maria Mendonça de Morais. (2003) Carta VII: Base para a leitura dos Diálogos Platônicos. Boletim do CPA, Campinas, nº15, jan/jun.

MORROW, Gleen. (1929) The Theory of Knowledge in Plato’s Seventh Letter. The Philosophical Review, vol. 38, n. 4.

NAILS, Debra. (1995) Agora, Academy and the conduct of Philosophy. Philosophical Studies, Series 63, Dordrecht: Kluwer Academic Publishers.

NOTOMI, Noburu. (2022) Plato, Isocrates and Epistolary Literature: Reconsidering the Seventh Letter in its contexts. The University of Tokyo, Plato Journal, nº23, International Plato Society’s Jornal.

PETTERSSON, Olaf. (2010) Language, Search and Aporia in Plato’s Seventh Letter.Sophia Perennis, Vol. 2, Number2, Spring.

PINHEIRO, Marcus Reis.(2004) Experiência Vital e Filosofia Platônica. PUC-Rio.

PINHEIRO, Marcus Reis. (2008) A Carta Sétima de Platão, Críticas à Escrita e Convivência Filosófica. V Encontros de Filosofia (Universidade Federal Fluminense) baseada na tese de doutorado Experiência Vital e Filosofia Platônica.

PLASS, Paul. (1964) “Philosophic Anonymity and Irony in the Platonic Dialogues.”The American Journal of Philology, vol. 85, no. 3, pp. 254–278.

SANTOS, José Trindade; MAIA, Juvino. (2008). Platão. Carta VII. Rio de Janeiro: Ed. PUC-Rio; São Paulo: Loyola, Introdução de T.H. Irwin.

NUNES, Carlos Alberto. (1975). Platão. Carta VII. Em Diálogos, Vol V, Universidade Federal do Pará.

CARDÓ, Pilar Gomez e ZARAGOZA, Juan. (1992) Platon. Carta VII. Tradução, Introdução e notas por Juan Zaragoza e Pilar Gómez Cardó. Em Diálogos VII: Dudosos, Apócrifos, Cartas. Editorial Gredos, Madrid.

SOUZA, José Cavaltante. (2016). Platão. Fedro. Posfácio e notas José Trindade dos Santos. Editora 34 edição bilíngue Ltda.

PEREIRA, Maria Helena da Rocha. (1989) Platão. República. 9ª edição, Fundação Calouste Gulbenkian.

PRESS, Gerald A.. (2000). Who Speaks for Plato? Studies in Platonic anonymity – Rowman & Little Publishers.

F. FRANCO, Irley. INÊS ANACHORETA, Maria. (2010). O problema da escrita e as teses que defendem a existência de uma filosofia esotérica em Platão. O que nos faz pensar. [S.I.], v. 19, n.28, p. 267-287, dec..

RACKHAM, H. (1934). Aristotle in 23 Volumes. vol. 19. Cambridge, MA, Harvard University Press; London, William Heinemann Ltd..

REID, Heather L., RALKOWSKI, Mark. (2019) Plato at Syracuse: Essays on Plato in Western Greece with a new translation of the Seventh Letter by Jonah Radding. The Heritage of Western Greece, Vol. 5, Published by: Parnassos Press.

ROSS, W. D. Plato’s theory of ideas. (1951). Oxford, Clarendon Press.

ROWE, C. J.. (2007). Plato and the Art of Philosophical Writing.Cambridge: Cambridge University Press.

REMO, Mannarino Filho. (2017). A carta VII de Platão e as origens filosóficas do discurso autobiográfico – tese de Doutorado PUC-Rio.

ROHDEN, L. (2016). Pressupostos e implicações éticas da metafísica dialética na Carta Sétima de Platão. Archai, n. 17, may-aug, p.13-34.

ROHDEN, L.(2013). Hermenêutica em resposta ao elogio da verdadeira filosofia da Carta Sétima de Platão. KRITERION, Belo Horizonte, n° 127,p.25-42.

RHODES, James M.. (2003). Eros, Wisdom and Silence. Plato’s erotic dialogues. University of Missouri Press Columbia and London.

SAYRE, Kenneth M.. (1995). Plato’s Literary Garden: How to Read a Platonic dialogue. University of Notre Dame Press.

STENZEL, Bertha. (1953) Is Plato’s Seventh Epistle Spurious? The American Jorunal of Philology, Vol. 74, N. 4. Published by: The Johns Hopkins University Press.

TAYLOR, A. E. (1912) The Analysis of ἐπιστήμη in Plato’s Seventh Letter. Mind, vol 21, n 83.

TARRANT, Harold. (1983) Middle Platonism and the Seventh Letter, Phronesis 28.

TRABATTONI, Franco. (2010). Platão. Tradução de Rimneu Quinalia. São Paulo: Anablume, Coleção ARCHAI: As Origens do Pensamento Ocidental.

TRABATTONI, Franco. (2003). Oralidade e Escrita em Platão. Tradução Fernando de Barros Rey Puente, Roberto Bolzani Filho.São Paulo: Discurso Editorial; Ilhéus: Editus.

WIELAND, Wolfgang. (1991) La crítica de Platón a la Escritura y los límites de la comunicabilidad. Méthexis, vol. 4, p. 19-37.

YAMAGATA, Naoko. (2005) Plato, Memory, and Performance. Oral Tradition, 20/1: 111-129.

WHITE, Nicholas. (1976). Plato on Knowledge and Reality, Hackett Publishing Company, Indianopolis, Printed in United States of America.

Downloads

Publicado

2023-07-31

Como Citar

GUIMARÃES, H. A digressão sobre o conhecimento na Carta Sétima platônica. Educação e Filosofia, Uberlândia, v. 37, n. 79, p. 345–374, 2023. DOI: 10.14393/REVEDFIL.v37n79a2023-66893. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/EducacaoFilosofia/article/view/66893. Acesso em: 23 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos