Solidão demasiadamente humana

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/REVEDFIL.v37n79a2023-66011

Palavras-chave:

Solidão, Humano, Demasiado Humano, Friedrich Nietzsche

Resumo

Resumo: Intento, neste breve estudo interpretativo, abordar uma certa imagem da solidão na filosofia de Friedrich Nietzsche como tema e como experiência atrelada à figura conceitual do espírito livre. Para dar efetividade a esta interpretação, escolhi efetuar esse tracejo em dois momentos complementares: no volume 1 da obra Humano, demasiado Humano; e depois em seu segundo volume composto por duas obras: Miscelânea de Opiniões e Sentenças e o Andarilho e sua Sombra. Em ambas, a solidão é vista como morada e campo gestor desse espírito livre que deseja tornar-se si mesmo.

Palavras-chave: Solidão; Humano; Demasiado Humano; Friedrich Nietzsche

Loneliness too human

Abstract: In this brief interpretative study, I intend to approach a certain image of solitude in Friedrich Nietzsche's philosophy as a theme and as an experience linked to the conceptual figure of the free spirit. To give effectiveness to this interpretation, I chose to do this trace in two complementary moments: in volume 1 of the work Human, Too Human; and then in his second volume composed of two works: Miscellany of Opinions and Sentences and The Wanderer and his Shadow. In both, solitude is seen as the dwelling and managing field of this free spirit that wishes to become itself.

Keywords: Loneliness; Human; Too Human; Friedrich Nietzsche

Soledad demasiado humana

Resumen: En este breve estudio interpretativo, pretendo acercarme a una determinada imagen de la soledad en la filosofía de Friedrich Nietzsche como tema y como experiencia vinculada a la figura conceptual del espíritu libre. Para dar efectividad a esta interpretación, elegí hacer este rastreo en dos momentos complementarios: en el volumen 1 de la obra Humano, demasiado humano; y luego en su segundo volumen compuesto por dos obras: Miscelánea de opiniones y sentencias y El caminante y su sombra. En ambos, la soledad es vista como la morada y el campo de gestión de este espíritu libre que desea llegar a ser él mismo.

Palabras clave: Soledad; Humano; Demasiado Humano; Friedrich NietzscheData de registro: 17/06/2022

Data de aceite: 13/12/2022

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carlos Roger Sales da Ponte, Universidade Federal do Ceará (UFC)

Professor Adjunto do Curso de Psicologia da Universidade Federal do Ceará (Campus Sobral). Doutor em Filosofia pelo Programa de Pós-Graduação em Filosofia da UFC. E-mail: roger.ponte@sobral.ufc.br ID Lattes: http://lattes.cnpq.br/2447089497595375. ORCID: https://orcid.org/0000-0001-5779-4786.  

Referências

BONDÍA, Jorge Larrosa. Notas sobre a experiência e o saber da experiência. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 19, p. 20-28, jan-abr. 2002. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-24782002000100003.

BURNETT, Henry. Cinco prefácios para cinco livros escritos: uma autobiografia filosófica de Nietzsche. Belo Horizonte: Tessitura, 2008.

DIAS, Rosa. Nietzsche, vida como obra de arte. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011.

DICIONÁRIO NIETZSCHE. São Paulo: Edições Loyola, 2016.

FINK, Eugen. La filosofía de Nietzsche. Madrid: Alianza Editorial, 1982.

ITAPARICA, André M. Nietzsche: estilo e moral. São Paulo: Discurso Editorial; Ijuí: Editora UNIJUÍ, 2002.

MARTON, Scarlett. Silêncio. Solidão. Cadernos Nietzsche, Guarulhos/Porto Seguro, n. 9, p. 79-105. 2000.

MEDRADO, Alice. Ciência como continuação da arte em Humano, demasiado humano. Cadernos Nietzsche, São Paulo, n.29, p. 293-208. 2011.

MENDONÇA, A. F. De Humano, demasiado humano à Gaia ciência: Nietzsche e sua declaração de guerra à metafísica. Revista Trágica: estudos de filosofia da imanência, Rio de Janeiro, v. 5, n. 1, p. 01-17. 2012

NIETZSCHE, Friedrich. Humano, demasiado humano: um livro para espíritos livres volume II. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

NIETZSCHE, Friedrich. Humano, demasiado humano: um livro para espíritos livres. São Paulo: Companhia das Letras, 2005a.

NIETZSCHE, Friedrich. Além do Bem e do Mal: prelúdio a uma filosofia do futuro. São Paulo: Companhia das Letras, 2005b.

NIETZSCHE, Friedrich. Ecce Homo: como alguém se torna o que se é. 2ª ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

OLIVEIRA, Jelson R. A solidão como virtude moral em Nietzsche. Curitiba: Champagnat, 2010.

OLIVEIRA, Jelson R. Nietzsche e a doutrina das coisas mais próximas. Filosofia Unisinos, São Leopoldo, v. 10, n. 2, p. 174-187. mai/ago. 2009. DOI: https://doi.org/10.4013/fsu.2009.102.04.

Downloads

Publicado

2023-07-31

Como Citar

PONTE, C. R. S. da. Solidão demasiadamente humana. Educação e Filosofia, Uberlândia, v. 37, n. 79, p. 555–576, 2023. DOI: 10.14393/REVEDFIL.v37n79a2023-66011. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/EducacaoFilosofia/article/view/66011. Acesso em: 21 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos