Ensino superior angolano: educação como bem público face ao mercado

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/REVEDFIL.v37n79a2023-65841

Palavras-chave:

Educação Superior, Bem-Público, Ideologia, Mercado

Resumo

Resumo: A educação, a superior em particular, tem sido uma questão central nas políticas do Estado em Angola. E como compromisso, o Estado angolano tem-na definida como bem-público, o que implica uma série de medidas relacionadas ao seu acesso, seus processos de gestão e também os mecanismos de financiamento. Como resultado das disputas ideológicas na esfera do Estado, e também a emergência da economia de mercado em Angola, a condição de bem-público da educação é capturada pelos agentes do mercado que adentram a esfera da educação. A emergência dos empresários da educação, bem como as demandas do mercado de trabalho e as políticas de carreiras transformaram a educação numa questão que supera as agendas públicas dos governos. Neste texto, vamos relatar a realidade proporcionada pelas políticas da educação superior na esfera do Estado. Compreendemos que o Estado é colocado diante do desafio de salvaguardar a condição de bem público através da regulação do sector e seus processos, por outro lado, é impelido pelas dinâmicas dos grupos hegemónicos nas esferas políticas e económicas, a condescender com a privatização da educação.

Palavras-chave: Educação Superior; Bem-Público; Ideologia; Mercado.

  Higher Education in Angola: education as public good and the market challenges

Abstract: Education, higher education in particular, has been at the core of the Angolan State policies. As a state commitment, education is defined as public good, which implies a set of measures related to its access, management processes, and financing mechanisms. Due to the ideological disputes within the state, as well as the emergence of the market, the ideal of education as public good is captured by the market agents who entered the education sphere. The emerge of the education entrepreneurship, also the labor market demands, and job career policies turned education into an issue beyond the government agenda. In this text, we relate the reality set up by the government education policies. It is our understanding that the state faces the challenge of safeguarding the public-good by regulating the sector, on the other hand, is impelled by the hegemonic groups to consent the privatization of education.

Key-Words: Higher Education; Commoonweal; Public Good; Ideology; Market.

L´ Enseignement supérieur angolais : l'éducation en tant que bien public face aux défis du marché

Résumé : L'éducation, l'enseignement supérieur en particulier, a longtemps été au cœur des politiques de l'État angolais. En tant qu'engagement, l'État angolais définit l´éducation comme un bien public, ce qui implique la mise en place d´un ensemble de mesures liées à son accès, à ses processus de gestion ainsi qu´à ses mécanismes de financement. En raison des conflits idéologiques au sein de l'État ainsi que de l'émergence de l´économie de marché en Angola, l'idéal de l'éducation en tant que bien public est pris en compte par les agents du marché qui investissent dans le domaine. L'émergence de l'entrepreneuriat dans l'éducation, ainsi que les exigences du marché du travail et les politiques de carrière professionnelle ont fait de l'éducation une question qui va au-delà de l'agenda du gouvernement. Dans ce texte, nous présenterons la réalité proporcionnée par les politiques éducatives gouvernementales puisque, nous comprenons que l'État est confronté au défi de sauvegarder le bien public en réglementant le secteur d´une part et de l'autre, il est poussé par les groupes hégémoniques appartenant à la sphère politique et économique à consentir à la privatisation de l'éducation. 

Mots-clés: Enseignement Supérieur; Bien Public; Idéologie; Marché.

Data de registro: 29/05/2023

Data de aceite: 26/10/2023

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Isaac Pedro Vieira Paxe, Instinto Superior de Ciências da Educação - Luanda (ISCED)

Doutor em Educação pela Universidade de São Paulo (USP). Professor no Instinto Superior de Ciências da Educação. E-mail: isapaxe@gmail.com. Lattes: http://lattes.cnpq.br/0656643374338442. ORCID: https://orcid.org/0000-0001-8220-9104.

Alberto Kapitango Nguluve, Universidade Metropolitana de Angola (Unimetro)

Doutor em Sociologia pela Universidade de Coimbra (UC – Portugal). Vice-Reitor para os Assuntos Científicos e Pós-Graduação na Universidade Óscar Ribas e Professor no Instinto Superior de Ciências da Educação (ISCED_Luanda). E-mail: alberluve@gmail.com. Lattes: http://lattes.cnpq.br/4058346666222239. ORCID: https://orcid.org/0000-0002-5856-1260.

Referências

AMARAL, José Gonçalves Dias. Angola: a formação do capital humano na 1ª. República (1975-1992). LUCERE – Revista Académica da UCAN, A sociedade Angola segundo diferentes prismas. v. 2, p. 37-53. 2005.

ANGOLA, Diário da República (1984) Decreto nº. 16/84. Iª. Série – nº.201, Sexta-feira, 24 de Agosto.

ANGOLA, Diário da República (1991) Decreto executivo. nº.30/90 de 6 de outubro e o Despacho nº. 74/90 de 15 de dezembro –I Série, nº.31.

ANGOLA, Diário da República (1991) Decreto nº.32/91. Iª. Série – nº.31, sexta-feira, 26 de julho.

ANGOLA, Diário da República (1991) Lei da greve n.º 23/91, de 15 de junho, I Série, n.º 25.

ANGOLA, Diário da República (2000) Lei Geral do Trabalho. Lei nº.2/00 de 11 de fevereiro.

ANGOLA, Diário da República (2001) Decreto nº.35/01, Estatuto das Instituições de ensino Superior. I Série – nº.26, Sexta-feira, 08 de junho.

ANGOLA, Diário da República (2001) Lei de Bases do Sistema de Educação nº.13/01. I Série no 65. Luanda: dezembro.

ANGOLA, Diário da República (2004) Lei de Terras de Angola, Lei 9/04 de 9 de novembro.

ANGOLA, Diário da República (2007) Resolução nº.04/07, Linhas Mestras para a Melhoria da Gestão do Subsistema do Ensino Superior. I Série – nº.15, Sexta-feira, 02 de fevereiro.

ANGOLA, Diário da República (2009) Decreto nº.90/09, Normas Gerais Reguladoras do Subsistema de ensino Superior. I Série – nº.237, Terça-feira, 15 de dezembro.

ANGOLA. Diário da República (2011). Decreto Executivo n.º26/11 I Série – N.º36 de 23 de Fevereiro.

ANGOLA. Diário da República (2011). Decreto Executivo n.º27/11 I Série – N.º36 de 23 de Fevereiro.

ANGOLA. Diário da República (2020). Decreto Executivo n.º256/20 I Série – N.º174 de 30 de Outubro.

ANGOLA. Diário da República(2021). Decreto Executivo conjunto n.º40/21 I Série – N.º34 de 24 de Fevereiro.

BAKHTIN, Mikhail. Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo: Hucitec. 1999.

BANCO NACIONAL DE ANGOLA. Angola: evolução dos principais indicadores económicos e financeiros entre 2008 e 2012 e perspectivas futuras, junho. 2013. Disponível em: http://www.bna.ao/uploads/%7Bf8fe9ccd-e5a1-436a-bfa7-095e87cbd7fb%7D.pdf. Acesso em: 12 set. 2018.

Carvalho, Paulo de (2013), “Evolução e Crescimento do Ensino Superior em Angola”, Revista Angolana de Sociologia, RAS, n.9. Disponível em: ras-83.pdf https://doi.org/10.4000/ras.422

Gramsci, António (1991) Concepção dialéctica da história. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Jezine, Edineide (2006) A crise da universidade e o compromisso social da extensão universitária. João Pessoa: UFPB/Editora Universitária.

Kandingi, Adelina A. C. P. (2016) A expansão do ensino superior em Angola: um estudo sobre o impacto das instituições de ensino superior privado, Lisboa: Faculdade de Ciências Sociais e Humanas (Tese de doutoramento).

Leitão, Fernando João Pereira (2020), “Dedicação exclusiva na docência universitária em Angola: realismo ou utopia?”, Revista Brasileira de Política e Administração da Educação, RBPAE – v.36, n.3, pp1128-1152, set/dez, Disponível em: 102961-Texto do artigo-451473-1-10-20201130 (1).pdf https://doi.org/10.21573/vol36n32020.102961

Marx, Karl; Engels, Friedrich (1993) Ideologia Alemã. São Paulo: Hucitec.

Ministério das Finanças (2008) Boletim Anual Estatístico de 2008. Luanda: MinFin

Ministério das Finanças (2008) Exportações e Receitas de Petróleo: Mapa Completo de Exportações e Receitas de Petróleo. Luanda. http://www.minfin.gv.ao/docs/dspPetrolDiamond.thm

Ministério do Ensino Superior (2014) Anuário estatístico do ensino superior 2014. Luanda: MES.

Ministério do Ensino Superior (2015) Anuário estatístico do ensino superior 2015. Luanda: MES.

Ministério do Ensino Superior (2016) Boletim estatístico do ensino superior. Luanda: MES.

Ministério dos Petróleos da República de Angola (2009) Relatório de actividades do sector petrolífero, referente ao ano de 2008. Luanda: GEPE. file:///C:/Users/Keropc/Downloads/relatorio_act_2008_minpet%20(1).pdf

Ministério dos Petróleos da República de Angola (2010) Relatório de actividades do sector petrolífero, relativo ao ano de 2009. Luanda: GEPE. file:///C:/Users/Keropc/Downloads/RELATORIO_DE_ACTIVIDADES_SECTOR_DE_2009.pdf

Pêcheux, Michel (1988) Semântica e Discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Campinas: UNIAMP.

Santos, Américo Ramos dos (1992) “Competitividade, flexibilidade e qualificação: vias para a coesão económica e social da Europa Comunitária” Revista de Direito e Estudos Sociais. XXXIV (4), 261-273.

Santos, Boaventura de Sousa; Almeida Filho, Naomar de (2008) A Universidade no século XXI: para uma universidade nova. Coimbra: Almedina/CES.

Silva, Eugénio Adolfo Alves da (2016) Gestão do Ensino Superior em Angola: realidades, tendências e desafios rumo à qualidade. Luanda: Mayamba Editora.

Vera Cruz, E. C. (2008). Os desafios do ensino superior em Angola. O lugar e o papel das ciências sociais na construção do país e do futuro dos angolanos. Revista Angolana de Sociologia, 1, pp. 85-92.

Downloads

Publicado

2023-07-31

Como Citar

PAXE, I. P. V.; NGULUVE, A. K. Ensino superior angolano: educação como bem público face ao mercado. Educação e Filosofia, Uberlândia, v. 37, n. 79, p. 235–266, 2023. DOI: 10.14393/REVEDFIL.v37n79a2023-65841. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/EducacaoFilosofia/article/view/65841. Acesso em: 12 jul. 2024.

Edição

Seção

Dossiê: A privatização da educação básica e suas implicações para o direito humano à educação na contemporaneidade