A potencialidade na filosofia da educação antiga e medieval

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/REVEDFIL.v35n74a2021-60609

Palavras-chave:

Filosofia da Educação, Potencialidade, Paideia, Patrística, Escolástica

Resumo

A potencialidade na filosofia da educação antiga e medieval 1

Resumo: O texto aborda a potencialidade, na filosofia da educação antiga e medieval, como a capacidade de aperfeiçoamento da razão. A noção de paideia conduz essa reflexão, uma vez que perpassa o pensamento educacional desde a antiguidade clássica até a baixa Idade Média. Essa continuidade explicita a tradição da formação integral do homem que considerava os aspectos morais e políticos como uma totalidade indissociável. O encaminhamento teórico segue a concepção de História Social de Braudel (1902-1985), já que o foco é a compreensão da herança teológica e filosófica, que exprime os fundamentos da educação. Para refletir sobre esse legado do conhecimento, três momentos foram estudados: a paideia grega na perspectiva aristotélica e platônica; a patrística, por meio do entendimento de Clemente de Alexandria (150-215 d.C.) e de Agostinho de Hipona (354-430 d.C.); e a escolástica, analisada nas concepções de Hugo de São Vítor (1096-1141) e Tomás de Aquino (1225-1274). Assim, nos autores apresentados, há a permanência da compreensão de que o aperfeiçoamento da razão significava a transformação em ato da potência essencial do homem: a razão. A principal finalidade da educação, portanto, era a formação da consciência de cada pessoa, pois entendia-se que esse era o principal meio para o êxito da vida em comum.

Palavras-chave: Filosofia da Educação; Potencialidade; Paideia; Patrística; Escolástica.

 

Potentiality in the philosophy of ancient and medieval education

Abstract: The text addresses the potentiality, in the philosophy of ancient and medieval education, as the ability to improve reason. The notion of paideia guides this reflection since it pervades educational thought from classical antiquity to the low Middle Ages. This continuity explains the tradition of the integral formation of man which considered the moral and political aspects as an inseparable totality. The theoretical approach follows Braudel’s conception of Social History since the focus is on understanding the theological and philosophical heritage, which expresses the fundamentals of education. To reflect on this legacy of knowledge, three periods were studied: the Greek paideia in the Aristotelian and Platonic perspective; patristic, through the understanding of Clement of Alexandria and Augustine of Hippo; and scholasticism, analysed in the conceptions of Hugh of Saint Victor and Thomas Aquinas. Thus, there is a continuing understanding in the authors presented that the improvement of reason meant the actualization of man's essential potency: reason. The main purpose of education was the formation of the conscience of each person, as it was understood that this was the main means for the success of life in common.

Key words: Philosophy of education; Potentiality; Paideia; Patristic; Scholastic.

 

Potencialidad en la filosofía de la educación antigua y medieval

Resumen: El texto aborda la potencialidad en la filosofía de la educación antigua y medieval, como capacidad para mejorar la razón. La noción de paideia orienta esta reflexión ya que impregna el pensamiento educativo desde la antigüedad hasta la baja Edad Media. Esta continuidad explica la tradición de la formación integral del hombre que consideraba los aspectos morales y políticos como una totalidad. El enfoque teórico sigue la concepción de Braudel de Historia Social, ya que el enfoque está en la comprensión de la herencia teológica y filosófica, que expresa los fundamentos de la educación. Por tanto, se estudiaron tres períodos: la paideia griega en la perspectiva aristotélica y platónica; la patrística, a través del entendimiento de Clemente de Alejandría y Agustín de Hipona; y escolasticismo, analizado en las concepciones de Hugo de San Víctor y Tomás de Aquino. Por lo tanto, existe un entendimiento continuo en los autores presentados de que la mejora de la razón significó la actualización de lo potencial del hombre: la razón. El propósito principal de la educación era la formación de la conciencia de cada persona, pues se entendía que este era el principal medio para el éxito de la vida comunitaria.

Palabras-clave: Filosofía de la educación; Potencialidad; Paideia; Patrística; Escolástica.

 

Data de registro: 22/04/2021

Data de aceite: 22/09/2021

 

1 Artigo desenvolvido com base na tese Hábito e subjetividade na educação: aproximações entre Aristóteles, Tomás de Aquino e a neurociência, defendida por Lais Boveto, orientada por Terezinha Oliveira. Pesquisa com bolsa doutorado CAPES.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lais Boveto, Universidade Estadual de Maringá (UEM)

Doutorado em Educação pela Universidade Estadual de Maringá (UEM). E-mail: laisboveto@hotmail.com. Lattes: http://lattes.cnpq.br/5960045331208297. ORCID: https://orcid.org/0000-0003-3400-9436.

Terezinha Oliveira, Universidade Estadual de Maringá (UEM)

Doutora em História pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Professora Titular da Universidade Estadual de Maringá (UEM). E-mail: teleoliv@gmail.com.  Lattes: http://lattes.cnpq.br/7525108577501517. ORCID: https://orcid.org/0000-0001-5349-1059.

Referências

AGOSTINHO. Sobre a potencialidade da alma. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013.

ARISTÓTELES. Política. São Paulo: Nova Cultural, 1999.

ARISTÓTELES. Ética a Nicômaco. Bauru, SP: Edipro, 2009.

ARISTÓTELES. Metafísica. São Paulo: Edipro, 2012.

BRAUDEL, Fernand. Escritos sobre a história. São Paulo: Perspectiva, 1978.

BOVETO, Lais. Hábito e subjetividade na educação: aproximações entre Aristóteles, Tomás de Aquino e a neurociência. 238 f. Tese (Doutorado em Educação). Universidade Estadual de Maringá, Programa de Pós-Graduação em Educação, Maringá, 2012.

CLEMENTE DE ALEXANDRIA. Exortação aos gregos. São Paulo: É Realizações, 2013.

CLEMENTE DE ALEXANDRIA. O Pedagogo. Campinas, SP: Ecclesiae, 2014.

HUGO DE SÃO VITOR. Didascálicon. Campinas, SP: Vide, 2015.

JAEGER, Werner. Paidéia. São Paulo: Martins Fontes, 2013.

JAEGER, Werner. Cristianismo primitivo e paideia grega. Santo André, SP: Academia Cristã, 2014.

JOSEPH, Miriam. O Trivium: as sete artes liberais da lógica, gramática e retórica. São Paulo: É Realizações, 2008.

NUNES, Ruy Afonso da Costa. História da Educação na Idade Média. Campinas, SP: Cedet, 2018.

OLIVEIRA, Terezinha. A escolástica como filosofia e método de ensino na Universidade Medieval: uma reflexão sobre o mestre Tomás de Aquino. Notandum, São Paulo - Porto, n. 32, maio-ago 2013

PLATÃO. A república. Lisboa: Calouste Gulbenkian, 2001.

PLATÃO. Diálogos Socráticos III. São Paulo: Edipro, 2015.

SILVEIRA, Sidney. A pedagogia do Logos divino. In: CLEMENTE DE ALEXANDRIA. Exortação aos gregos. São Paulo: É Realizações, 2013.

TOMÁS DE AQUINO. A unidade do intelecto contra os averroístas. Lisboa: Edições 70, 1999.

TOMÁS DE AQUINO. Suma Teológica. Iae. São Paulo: Loyola, 2002.

Downloads

Publicado

2021-10-30

Como Citar

BOVETO, L.; OLIVEIRA, T. A potencialidade na filosofia da educação antiga e medieval. Educação e Filosofia, Uberlândia, v. 35, n. 74, p. 779–811, 2021. DOI: 10.14393/REVEDFIL.v35n74a2021-60609. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/EducacaoFilosofia/article/view/60609. Acesso em: 16 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos