Morituri te salutant. Schopenhauer e Nietzsche em face da morte

Autores

  • Maurício Chiarello Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP)

DOI:

https://doi.org/10.14393/REVEDFIL.v19n38a2005-559

Palavras-chave:

Schopenhauer, Nietzsche, Morte, Finitude, Metafísica

Resumo

A vida nos é amarga, breve e incerta — e a morte é, por assim dizer, seu flagrante demonstrativo — muito embora apareça como um bem supremo aos olhos da cega vontade de viver. Eis porque, para Schopenhauer, nos deveria parecer preferível renunciar à ilusão de nossa individualidade. Nietzsche vira o jogo e afirma simplesmente a vida como bem supremo: ilusório é o saber que nos faz a vida parecer um sonho penoso, menos desejável até que o não ser da morte. E, contudo, não deixa de girar no vazio esta reviravolta da negação para a afirmação jubilosa de uma existência cujos padecimentos objetivos, impostos ao indivíduo isolado, não dependem exclusivamente dele, mas se prendem a um sistema de vida social que não se põe em questão.

Palavras-chave: Schopenhauer; Nietzsche; Morte; Finitude; Metafísica.

 

Abstract: Life is bitter, short and uncertain — and death is, in a way, its obvious demonstration — although it may seem a supreme good to the eyes of the blind Will to live. Thays why, for Schopenhauer, it would be preferable that we renounce to the illusion of our individuality. Nietzsche turns the table and states life as simply a supreme good: delusive is the knowledge that makes life seem to us a burdensome dream, less desirable than the denial of death. However, the overturn of denial makes no sense to a content statement of an existence whose objective sufferings, imposed to the isolated individual, do not depend exclusively on him, but are attached to a system of social life that is not questioned.

Keywords: Schopenhauer; Nietzsche; Death; Finiteness; Metaphysics.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maurício Chiarello, Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP)

Doutor em Filosofia pelo Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da UNICAMP.

Referências

ADORNO, Theodor W. Gesammelte Schriften. Frankfurt do Meno: Suhrkamp Verlag, vol. 4 [Minima Moralia], 1980.

________. Minima Moralia. São Paulo: Ática, 1993 (trad. de Luiz Eduardo Bicca).

BOSSUET, Jacques-Bénigne. Sermon sur la mort et autres sermons. Paris: Garnier-Flammarion, 1970.

HORKHEIMER, Max. Gesammelte Schriften (org.por Alfred Schmidt e Gunzelin Schmid Noerr). Frankfurt do Meno: Fischer Verlag, vol. 6 [Notizen 1949 bis 1969], pp. 189-425, 1974.

MAIA, Muriel. A outra face do nada: sobre o conhecimento metafísico na estética de Schopenhauer. Petrópolis: Vozes, 1991.

NIETZSCHE, F. A Gaia Ciência. Lisboa: Guimarães Editores, 1996 (trad. Alfredo Margarido; título original: Die fröhliche Wissenschaft).

Aurora. Reflexões sobre os preconceitos morais. São Paulo: Companhia das Letras, 2004 (trad. Paulo César de Souza; título original: Morgenröte. Gedanken über die moralischen Vorurteile).

________. Assim falou Zaratustra. um livro para todos e para ninguém. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1983 (trad. Mário da Silva; títuIo original: Also sprach Zarathustra. Ein Bucltfür Alle und Keinen).

________ . El origen de la tragedia a partir del espíritu de Ia música. Buenos Aires: Editorial Goncourt, 1978 (trad. Oscar Caeiro; título original: Die Geburt der Tragödie aus dem Geist der Musik).

________. Humano, demasiado humano. Um livro para espíritos livres. São Paulo: Companhia das Letras, 2002 (trad. Paulo César de Souza; título original: Menschliches, Allzumenschliches, Ein Buchfürfreie Geister).

NOERR, Gunzelin Schmid. "Adorno Verhältnis zur Mitleidsethik Schopenhauers". In SCHWEPPENHÄUSER, G. & WISCHKE, M. (orgs.) Impuls und Negativität, Berlim, Argument Verlag, 1995.

SCHMIDT, Alfred. Tod und Metaphysik bei Schopenhauer" Schopenhaurer-Ja)zrbuch/Slzovnhauer Geællschaft, Frankfurt, Kramer, vol. 69, 1988.

SCHOPENHAUER, Arthur. Die Welt ais Wille und Vorstellung. Zurique: Diogenes Verlag, vol. 11/2, 1977.

________. Metafísica do amor, metafísica da morte. São Paulo: Martins Fontes, 2000 (trad. Jair Barboza).

TÜRCKE, C. O louco. Nietzsche e a mania da razão. Petrópolis, Vozes, 1993 (trad. Antônio Celiomar P. de Lima; título original: Der tolle Mensch: Nietzsche und der Wahnsinn der Vernunft. Frankfurt, Fischer Verlag, 1989).

Downloads

Publicado

2008-07-01

Como Citar

CHIARELLO, M. Morituri te salutant. Schopenhauer e Nietzsche em face da morte. Educação e Filosofia, Uberlândia, v. 19, n. 38, p. 115–144, 2008. DOI: 10.14393/REVEDFIL.v19n38a2005-559. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/EducacaoFilosofia/article/view/559. Acesso em: 1 mar. 2024.