Cartografias da ingovernabilidade dos corpos na arte e na vida

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/REVEDFIL.v34n70a2020-55513

Palavras-chave:

Cartografias, Ingovernabilidade, Corpo, Arte, Filosofia

Resumo

Cartografias da ingovernabilidade dos corpos na arte e na vida

Resumo: Sofremos uma crescente governamentalização dos corpos e das condutas ao longo do mundo moderno e contemporâneo. Essa foi uma das expressivas contribuições do pensamento do filósofo francês Michel Foucault. No entanto, tal governamentalização não adveio sem contrapartida. Trata-se, em todo caso, de um empreendimento sistemático de investimento pelo poder e de redução dos corpos à sua dimensão extensiva, utilitária, funcional e orgânica, numa palavra, instrumental. Uma pletora de práticas foi criada em vários campos – saúde, educação, trabalho, lazer, esporte, etc. – com este fim. No entanto, por mais incontornável que seja, os corpos não se deixam reduzir a um estado de coisa, a sua extensão, em resumo, a sua reificação. Este trabalho visa circunscrever esta problemática, para os fins de explorar o tema que concerne a relação entre os corpos, a cultura e o papel da arte como cartografia intensiva, sob o signo da ingovernabilidade.

Palavras-chave: cartografias; Ingovernabilidade; Corpo; Arte; Filosofia.

Cartographies of the ungovernability of bodies in art and life

Abstract: We have suffered a growing governmentalization of the bodies and behaviors throughout the modern and contemporary world. This was one of the expressive contributions of the French philosopher Michel Foucault’s thought. However, such governmentalization has not come without a counterpart. In any case, it is a systematic undertaking of investment by the power and of reduction of the bodies to their extensive, utilitarian, functional and organic dimension to a word, instrumental. A plethora of practices has been created in various fields - health, education, work, leisure, sports, etc. - to this end. However, bodies are not reduced to a state of affairs, to their extension, in short, to their reification, as unavoidable as it might be. This work aims to circumscribe this problem, in order to explore the theme that concerns the relationship among the bodies, the culture and the role of the art as an intensive cartography, under the sign of ungovernability.

Keywords: cartography; Ungovernability; Body; Art; Philosophy.

Cartografias de la ingobernabilidad de los cuerpos en el arte y la vida

Resumen: Sufrimos una creciente gubernamentalización de los cuerpos y el comportamiento en todo el mundo moderno y contemporáneo. Esta fue una de las contribuciones expresivas del pensamiento del filósofo francés Michel Foucault. Sin embargo, tal gubernamentalización no se produjo sin una contraparte. En cualquier caso, es una empresa sistemática de inversión por poder y la reducción de los cuerpos a su dimensión extensiva, utilitaria, funcional y orgánica, en una palabra, instrumental. Se han creado una gran cantidad de prácticas en diversos campos: salud, educación, trabajo, ocio, deportes, etc. - con este fin. Sin embargo, por inevitable que sea, los cuerpos no se reducen a un estado de cosas, su extensión, en resumen, su reificación. Este trabajo tiene como objetivo circunscribir este problema, a fin de explorar el tema que concierne a la relación entre los cuerpos, la cultura y el papel del arte como cartografía intensiva, bajo el signo de ingobernabilidad.

Palabras clave: Cartografía; Ingobernabilidad; Cuerpo; Arte; Filosofía.

Data de registro:16/06/2020

Data de aceite: 22/07/2020

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carlos José Martins, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP)

* Doutor em Filosofia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Professor na Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP) E-mail: carlos.j.martins@unesp.br. ORCID: https://orcid.org/0000-0002-9255-1170

Flávio Soares Alves, Universidade Estadual PaulistaJúlio de Mesquita Filho (UNESP)

Doutor em Educação Física pela Universidade de São Paulo (USP). Professor na Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP). E-mail: flavio.salves@usp.br. ORCID: https://orcid.org/0000-0002-1698-6535

Referências

ARTAUD, Antonin. O Teatro e seu Duplo. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

DELEUZE, Gilles. Nietzsche e a filosofia. Trad. de Edmundo Fernandes

Dias e Ruth Joffily. Rio de Janeiro: Editora Rio, 1976.

DELEUZE, Gilles. Foucault. Trad: Claudia Sant’Anna Martins. São Paulo: Brasiliense, 1988.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Felix. O que é a filosofia? Rio de Janeiro: Editora 34, 1992.

DELEUZE, Gilles. Crítica e clínica. Trad. Peter Pal Pelbart. São Paulo:34, 1997.

DELEUZE, Gilles. Espinosa Filosofia Prática. São Paulo: Escuta, 2002.

DELEUZE, Gilles. Francis Bacon: Lógica da Sensação. Rio de Janeiro: Zahar, 2007.

FOUCAULT, Michel. Sobre a genealogia da Ética: uma visão do trabalho em andamento. In: ESCOBAR, Carlos Henrique (Org.) O dossier: últimas entrevistas. Trad. Maria da Glória da Silva e Ana Maria Lima. Rio de Janeiro: Taurus, 1984.

_______. História da sexualidade 2: O uso dos prazeres. (Trad. M. T. da C. Albuquerque) Rio de Janeiro: Graal, 1985.

Downloads

Publicado

2021-01-18

Como Citar

José Martins, C., & Soares Alves, F. (2021). Cartografias da ingovernabilidade dos corpos na arte e na vida. EDUCAÇÃO E FILOSOFIA, 34(70), 31–44. https://doi.org/10.14393/REVEDFIL.v34n70a2020-55513

Edição

Seção

Dossiê Governo das diferenças e as cartografias do ingovernável na educação: