Para o “descanço dos Mestres, e utilidade dos Discipulos”:

direções para a educação dos infantis no manual pedagógico Nova Escola de Meninos (Portugal, século XVIII)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/REVEDFIL.v34n72a2020-54865

Palavras-chave:

História da Educação, Menino, Infância, Governamentalidade, Século XVIII

Resumo

Para o “descanço dos Mestres, e utilidade dos Discipulos”: direções para a educação dos infantis no manual pedagógico Nova Escola de Meninos (Portugal, século XVIII) 

Resumo: O presente estudo, de natureza historiográfica e filosófica, pretende desenvolver uma análise dos discursos relativos à boa educação de sujeitos infantis que estão presentes na obra Nova escola de meninos [...]. Publicado em Coimbra no ano de 1784. O impresso de autoria do presbítero português Manoel Dias de Sousa (1753-1823) tinha como principal objetivo apresentar um método pedagógico, proporcionado à primeira infância, para a aprendizagem da leitura, da escrita e das principais operações aritméticas, bem como instruir os meninos portugueses nos princípios da religião e da civilidade. Fundamentado na categoria conceitual governamentalidade, o estudo defende que a relação discursiva estabelecida por Sousa estabeleceu um conjunto de enunciados e de normativas sobre valores ético-religiosos, a conservação da saúde e adiantamento nos estudos. Entende-se, assim, que tais elementos enunciados na obra podem ter atuado na constituição discursiva acerca de modelos específicos de educação, buscando garantir a produção de um específico tipo de sujeito infantil masculino. 

Palavras-chave: História da Educação; Infância; Meninos; Portugal; Século XVIII.

For the “rest of the teachers and usefulness of the disciples”: guidelines for educating childhood in the pedagogical manual Nova Escola de Meninos (Portugal, 18th century)

Abstract: The present study, of historiographical and philosophical nature, aims to develop an analysis of the discourses related to the good education of children's subjects that are present in the work Nova Escola de Meninos(...) [New Boys School (…)]. Published in Coimbra in 1784, the form authored by the priest Portuguese Manoel Dias de Sousa (1753-1823) had as main objective to present a pedagogical method, provided to early childhood, for the learning of reading, writing and the main arithmetic operations, as well as instructing Portuguese boys in the principles of religion and civility. Based on the conceptual category governmentality, the study argues that the discursive relationship established by Sousa established a set of utterances and norms on ethical-religious values, health conservation and advances in studies. It is understood, therefore, that these elements enunciated in the work may have acted in the discursive constitution about specific models of education, seeking to guarantee the production of a specific type of male infant subject. 

Keywords: History of Education; Childhood; Boys; Portugal; 18th Century.

Para el “resto de los profesores y utilidad de los discípulos”: pautas para educar la infância en el manual pedagógico Nova Escola de Meninos (Portugal, siglo XVIII)

Resumen: El presente estudio, de carácter historiográfico y filosófico, tiene como objetivo desarrollar um análisis de los discursos relacionados com la buena educación de los sujetos infantiles que están presentes em la obra Nova escola de meninos(...) [Nueva escuela de niños (...)]. Publicada en Coimbra en 1784, la forma del sacerdote portugués Manoel Dias de Sousa (1753-1823) tenía como objetivo principal presentar un método pedagógico, proporcionado a la primera infancia, para el aprendizaje de la lectura, la escritura y las principales operaciones aritméticas, así como la instrusción de los niños portugueses em los principios de religión y civilidad. Sobre la base de la gubernamentalidad de la categoría conceptual, el estudio argumenta que la relación discursiva establecida por Sousa estableció un conjunto de expresiones y normas sobre valores ético-religiosos, conservación de la salud y avances em los estudios. Se entiende, por lo tanto, que estos elementos enunciados en la obra pueden haber actuado en la constitución discursiva sobre modelos específicos de educación, buscando garantizar la producción de un tipo específico de sujeto infantil masculino.  

Palabras clave: Historia de la Educación; Infancia; Niños; Portugal; Siglo XVIII.

Data de registro: 18/05/2020

Data de aceite: 05/10/2020

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernando Ripe, Universidade Federal de Pelotas (UFPEL)

* Doutor em Educação pela Universidade Federal de Pelotas (UFPEL). Professor na Prefeitura Municipal de Porto Alegre. E-mail: fernandoripe@yahoo.com.br. ORCID: http://orcid.org/0000-0003-0007-0597

Giana Lange do Amaral, Universidade Federal de Pelotas(UFPEL)

** Doutora em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Professora na Universidade Federal de Pelotas (UFPEL). E-mail: gianalangedoamaral@gmail.com. ORCID: https://orcid.org/0000-0002-1088-9283.  Bolsista produtividade em Pesquisa 2 do CNPq.  

Referências

BLUTEAU, Raphael. Vocabulario portuguez & latino (Vol. II , VI e VII). Coimbra: No Collegio das Artes da Companhia de Jesus, 1728.

LOCKE, John. Alguns pensamentos sobre a educação. Coimbra: Almedina, 2012 [1690].

SILVA, Inocêncio Francisco da. Diccionario bibliographico portuguez (Tomo V). Lisboa: Na Imprensa Nacional, 1860.

SOUSA, Manoel Dias de. Nova escola de meninos. Na qual se propõem hum metho dofacil para ensinar a lêr, escrever, e contar, com huma breve direção para a educação dos meninos. Ordenada para descanço dos Mestres, e utilidade dos Discipulos. Coimbra: Na Real Officina da Universidade, 1784.

Referências

ADÃO, Áurea. Estado Absoluto e ensino das primeiras letras. As Escolas Régias (1772- 1794). Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1997.

ARAÚJO, Ana Cristina. A cultura das luzes em Portugal: temas e problemas. Lisboa: Livros Horizontes, 2003.

ARAÚJO, Ana Cristina. A morte em Lisboa: atitudes e representações (1700-1830). Lisboa: Editorial Notícias, 1997.

BOTO, Carlota. Instrução pública e projeto civilizador: o século XVIII como intérprete da ciência, da infância e da escola. São Paulo: Editora Unesp, 2017.

BAMPI, Lisete. Governo, subjetivação e resistência em Foucault. Educação & Realidade, v. 27, jan/jul., n. 1, p.127-150, 2007.

CARVALHO, Alexandre Filordi de. Por uma ontologia política da (d)eficiência no governo da infância. In: RESENDE, Haroldo de (Org.). Michel Foucault: o governo da infância. Belo Horizonte: Autêntica, 2012.

FERNANDES, Rogério. Os caminhos do ABC: sociedade portuguesa e ensino das Primeiras Letras. Porto: Porto Editora, 1994.

FERREIRA, António Gomes. Educação e regras de convivência e de bom comportamento nos séculos XVIII e XIX. História da Educação, Pelotas, v. 13, n. 29 p. 9-28, set/dez 2009.

FOUCAULT, Michel. As palavras e as coisas: uma arqueologia das ciências humanas. Trad. Sama T. Muchail. 9 ed. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir. Nascimento da prisão. Trad. Raquel Ramalhete. 33ª ed. Petrópolis: Vozes, 1987.

FOUCAULT, Michel. La gouvernementalité. In: FOUCAULT, Michel. Dits et écrits (1976-1979). Vol. III. Paris: Gallimard, 1978, p. 635-657.

GOMES, Joaquim Ferreira. O ensino em Portugal do século XVI ao século XX. In: NÓVOA, António; DEPAEPE, Marc; JOHANNINGMEIER, Erwin (Orgs.). Para uma história da educação colonial. Lisboa: Sociedade Portuguesa de Ciências da Educação, 1996.

KEMMLER, Rolf. Alguns documentos inéditos para a biografia do Gramático Manuel Dias de Sousa (1753-1827). Revista de Letras, II, n. 10, p. 75-90, 2011.

MAGALHÃES, Justino. O mural do tempo: manuais escolares em Portugal. Lisboa: Editora Colibri, 2011.

RIPE, Fernando. A constituição do sujeito infantil moderno na cultura impressa portuguesa do século XVIII. Tese (Doutorado em Educação). Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Pelotas. Pelotas, 2019, 325p.

RIPE, Fernando; AMARAL, Giana Lange. O governamento dos sujeitos infantis masculinos: instruções modelares para um menino cristão em um manual de civilidade português do final do século XVIII. Revista Brasileira de História da Educação, v. 18, p. 01-25, 2018. https://doi.org/10.4025/rbhe.v18.2018.e040

RIPE, Fernando; AMARAL, G. L. O dispositivo da cultura escrita na constituição do sujeito infantil moderno: evidências em impressos portugueses (finais do século XVII e século XVIII). Revista Maracanan, v. 16, p. 106-128, 2017. https://doi.org/10.12957/revmar.2017.27125

RIPE, Fernando; DILLMANN, Mauro. "Do cuidado, que devem ter os pays dos mininos defuntos": preservação da infância e conselhos espirituais do padre jesuíta Alexandre de Gusmão, Século XVII. História da Educação, v. 21, p. 271-295, 2017. https://doi.org/10.1590/2236-3459/65915

RIPE, Fernando. Modos de dizer e ver Educação (e) Matemática: a incitação à reflexão como dispositivo em um curso de formação continuada. 1. ed. Saarbrücken, Alemanha: Novas Edições Acadêmicas, 2015.

SANTOS, Cândido. Nota sobre a mortalidade infantil nos séculos XVIII e XIX. Humanidades: Revista Trimestral da AEFLUP, n. 2, p. 47-75, 1982.

Downloads

Publicado

2021-03-23

Como Citar

Ripe, F., & Lange do Amaral, G. (2021). Para o “descanço dos Mestres, e utilidade dos Discipulos”:: direções para a educação dos infantis no manual pedagógico Nova Escola de Meninos (Portugal, século XVIII) . EDUCAÇÃO E FILOSOFIA, 34(72), 1379–1408. https://doi.org/10.14393/REVEDFIL.v34n72a2020-54865