Filosofia da educação e pesquisa educacional:

fragilidade teórica na investigação educacional

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/REVEDFIL.v34n70a2020-49642

Palavras-chave:

Educação, Pesquisa Educacional, Filosofia da Educação, Conhecimento

Resumo

Filosofia da educação e pesquisa educacional: fragilidade teórica na investigação educacional

Resumo: O ensaio trata do problema da fragilidade teórica do campo investigativo educacional brasileiro e desenvolve a hipótese de que tal fragilidade deve-se ao fato da pesquisa educacional ter-se esquecido da pergunta pela validade de seu próprio conhecimento à medida que abandonou o diálogo crítico e criativo com a tradição. O texto apresenta, inicialmente, com base em Gatti, um diagnóstico da fragilidade teórica da pesquisa educacional brasileira. Na sequência, elenca e interpreta quatro fatores principais da fragilidade teórica e da frouxidão conceitual das pesquisas educacionais: o filosófico, o epistemológico, o político e o pedagógico. Por fim, problematiza o estatuto e a finalidade da filosofia da educação, concebendo o diálogo crítico com a tradição intelectual como uma das formas mais genuínas de sua contribuição à pesquisa educacional.

Palavras-chave: Educação; Pesquisa Educacional; Filosofia da Educação; Conhecimento. 

Philosophy of education and educational research: theoretical fragility in educational research

Abstract: The essay deals with the problem of the theoretical fragility of the Brazilian educational research field and develops the hypothesis that such fragility is due to the fact that educational research has forgotten the issue of the validity of its own knowledge as it abandoned the critical and creative dialogue with tradition. Based on Gatti, the text presents, initially, a diagnosis of the theoretical fragility of Brazilian educational research. In the sequence, it compares and interprets four main factors of the theoretical fragility and the conceptual laxity of the educational research: philosophical, epistemological, political and pedagogical. Finally, the essay problematizes the status and purpose of the philosophy of education by conceiving critical dialogue with the intellectual tradition as one of the most genuine forms of contribution to the educational research.

Keywords: Education; Educational Research; Philosophy of Education; Knowledge.

Filosofía de la educación e investigación educativa: fragilidad teórica en la investigación educativa

Resumen: Este ensayo aborda el problema de la fragilidad teórica del campo de la investigación educativa brasileña y desarrolla la hipótesis de que tal fragilidad se debe al hecho de que la investigación ha olvidado la cuestión de la validez de su propio conocimiento al abandonar el diálogo crítico y creativo con tradición. El texto presenta, inicialmente, basado en Gatti, un diagnóstico de la fragilidad teórica de la investigación educativa brasileña. En la secuencia, compara e interpreta cuatro factores principales de la fragilidad teórica y la laxitud conceptual de las investigaciones educativas: la filosófica, la epistemológica, la política y la pedagógica. Finalmente, problematiza el estado y el propósito de la filosofía de la educación al concebir el diálogo crítico con la tradición intelectual como una de las formas más genuinas de su contribución a la investigación educativa.

Palabras-clave: Educación; Investigación educativa; Filosofía de la educación; Conocimiento.

Data de registro: 16/07/2019

Data de aceite: 30/10/2019

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cláudio Almir Dalbosco , Universidade de Passo Fundo (UPF)

** Doutor em Filosofia pela Universität Kassel – Alemanha (UNI-KASSEL). Pesquisador CNPq. Professor da Universidade de Passo Fundo (UPF). E-mail: cadalbosco@upf.br. ORCID: https://orcid.org/0000-0003-3408-2975 .Agradeço ao CNPQ o financiamento da Bolsa PQ que tornou possível a realização desta pesquisa

 

Eldon Henrique Mühl, Universidade de Passo Fundo (UPF).

* Doutor em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Professor da Universidade de Passo Fundo (UPF). E-mail: eldon@upf.br  ORCID:  https://orcid.org/0000-0002-8025-1680

Referências

ADORNO, T. A. et al. La disputa del positivismo en la sociología alemana. Trad. Jacobo Muñoz. Mexico/Barcelona: Ediciones Grijalbo, 1973.

ARENDT, H. Zwischen Vergangenheit und Zukunft. München: Piper, 1994.

_____. O que é política? Trad. Reinaldo Guarany. Rio de Janeiro; Bertrand Brasil, 1998.

BÜTTEMEYER, W.; MÖLLER, B. (Hrsg.). Der positivismusstreit in der deutschen Erziehungswissenschaft. München: Wilhelm FinkVerlag, 1979.

CALVINO, I. Por que ler os clássicos. Trad. Nilson Moulin. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

FLICKINGER, H. G. A caminho de uma pedagogia hermenêutica. Campinas: Autores Associados, 2010.

FOUCAULT, M. A Hermenêutica do sujeito. Trad. Márcio A. da Fonseca e Salma T. Muchal. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

FOUCAULT, M. El gobierno de si y de lós otros. Trad. Horacio Pons. México: Fondo de cultura económica, 1999.

FREITAS, A. S. de. A parresía pedagógica de Foucault e o ethos da educação como psicagogia. In: OLIVEIRA, A. da R.; VALLE, L. do (Orgs.). Filosofia da educação: posições sobre a formação humana. Curitiba: Editora Appris, 2014, p. 259-281.

GATTI, B. A construção metodológica da pesquisa em educação: desafios. RBPAE, Porto Alegre, v. 28, n. 1, 2012, p. 13-34.

HABERMAS, J. Der Philosophische Diskurs der Moderne. Frankfurt amMain: Suhrkamp, 1985.

HABERMAS, J. O discurso filosófico da modernidade. Trad. Ana M. Bernardo et al. Lisboa: Dom Quixote, 1990a.

HABERMAS, J. Pensamento pós-metafísico. Estudos filosóficos. Trad. Flávio b. Siebeneichler. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1990b.

JAPIASSU, H. A crise das ciências humanas. São Paulo: Cortez, 2012.

JOAS, H.; KNÖBL, W. Sozialtheorie. Zwanzig einführende Vorlesungen. Frankfurt am Main: Suhrkamp, 2004.

LYOTARD, J. F. O pós-moderno. Rio de Janeiro: José Olympio, 1990.

MASSCHELEIN, J.; SIMONS, M. A pedagogia, a democracia, a escola. Trad. Alain François et al. Belo Horizonte: Autêntica, 2014.

POPPER, Karl. Conjecturas e refutações. Trad. Sérgio Bath. Brasília: Editora da UnB, 1982.

POPPER, Karl. A lógica da pesquisa científica. Trad .Leonidas Hesenberg e Octanny S. da Mota. São Paulo: Cultrix, 1993.

PAGNI, P. A. Da polêmica sobre a pós-modernidade aos ‘desafios’ lyotardianos à Filosofia da Educação. In: Educação e Pesquisa, v. 32, n. 3, 2006, p. 567-587. https://doi.org/10.1590/S1517-97022006000300010

PAGNI, P. A.; DALBOSCO, C. A. As produções do GT-17 da ANPED e o seu papel para o desenvolvimento da filosofia da educação no Brasil. In: OLIVEIRA, A. da R. & VALLE, L. do (Orgs.). Filosofia da educação: posições sobre a formação humana. Curitiba: Editora Appris, 2014, p. 23-56.

STAROBINSKI, J. A Transparência e o obstáculo. Trad. Maria L. Machado. São Paulo: Companhia das Letras, 1991.

TOULMIN, S. Voarussicht und Verstehen. Ein Versuch über die Ziele der Wissenschaft. Frankfurt amMain: Suhrkamp, 1981.

TREVISAN, A. L. Da reificação ao reconhecimento das pesquisas qualitativas em educação. In: Educar em Revista, Curitiba, n. 52, 2014, p. 211-228. https://doi.org/10.1590/0104-4060.32200

Downloads

Publicado

2021-02-17

Como Citar

DALBOSCO , C. A. .; MÜHL, E. H. Filosofia da educação e pesquisa educacional:: fragilidade teórica na investigação educacional. Educação e Filosofia, Uberlândia, v. 34, n. 70, p. 251–277, 2021. DOI: 10.14393/REVEDFIL.v34n70a2020-49642. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/EducacaoFilosofia/article/view/49642. Acesso em: 24 jul. 2024.