O que professa uma profissão?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/REVEDFIL.v34n70a2020-49148

Palavras-chave:

profissão, paideia, educação, vocação, Heidegger

Resumo

O que professa uma profissão?

Resumo: Professar uma profissão é algo que ainda merece ser pensado. Seja em termos do sentido, se ainda algum, de professar uma profissão. Seja em termos da investigação daquilo que professa uma profissão. Seja em termos do como professar uma profissão. Certamente, não quanto a técnicas, práticas, atitudes e comportamentos, mas sim quanto ao ser-capaz, alcançado por uma paideia aquiescida por qualquer profissão aberta à vocação própria que a chama a professar. Assim, estendemos nossa reflexão sobre a vocação, desenvolvida em outro artigo, até o professar uma profissão, enquanto professar um aí-se-é que a vocação apela a propriamente ser.

Palavras-chave: Profissão; Paideia; Educação; Vocação; Heidegger; Virtude.

¿ Qué professa una profesión? 

Resumen: Profesar una profesión es algo que todavía merece ser pensado. Sea en términos del sentido, si aún alguno, de profesar una profesión. Sea en términos de la investigación de lo que profesa una profesión. Sea en términos de cómo profesar una profesión. Ciertamente, no en cuanto a técnicas, prácticas, actitudes y comportamientos, sino en cuanto al ser-capaz, alcanzado por una paideia aquiescida por cualquier profesión abierta a la vocación propia que la llama a profesar. Así, extendemos nuestra reflexión sobre la vocación, desarrollada en otro artículo, hasta el profesar una profesión, mientras profesar un ahí-es que la vocación apela a propiamente ser.

Palabras clave: Profesión; Paideia; Educación; Vocación; Heidegger; Virtude.

 What profess a profession? 

Abstract: Profess a profession is something that still deserves to be thought. Be it in terms of meaning, if any, of professing a profession. Be it in terms of an investigation of what is professed by a profession. Be it in terms of how to profess a profession. Of course not about techniques, practices, attitudes and behaviours, but about the being-able realized by a paideia acquiesced by any profession open to its own vocation that calls it to profess. So we extend our meditation about vocation developed in another article, up to profess a profession, understood as to profess a there-self-being that a vocation calls to authentically Being.

Keywords: Profession; Paideia; Education; Vocation; Heidegger; Virtue. 

Data de registro: 13/06/2019

Data de aceite: 22/07/2020

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

João Cardoso de Castro, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)

* Doutor em Bioética, Ética Aplicada e Saúde Coletiva pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), com período sanduíche [CAPES] na DePaul University (Chicago). Professor de Filosofia no Centro Universitário Serra dos Órgãos (UNIFESO). E-mail: joaocardosodecastro@gmail.com. ORCID: https://orcid.org/0000-0002-3811-405X

Murilo Cardoso de Castro, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)

** Doutor em Filosofia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e Doutor em Geografia pela (UFRJ) com período sanduíche na Université Sorbonne Nouvelle - Paris 3. Pesquisador em Geoprocessamento e SIG da Universidade Federal do Rio de Janeiro. E-mail: murilocdecastro@gmail.com. ORCID: https://orcid.org/0000-0001-8809-5443

Referências

AUBENQUE, Pierre, La prudence chez Aristote. Paris: PUF, 1997.

CAEIRO, António. A Areté como possibilidade extrema do humano. Lisboa: Imprensa Nacional, 2002.

DAUZAT, Albert, DUBOIS, Jean, MITTERAND, Henri. Nouveau dictionnaire étymologique et historique. Paris: Larousse, 1971.

DE CASTRO, J. C., SIQUEIRA-BATISTA, Rodrigo. “A virtude pode ser ensinada? Uma aproximação a partir dos diálogos platônicos de Mênon, Protágoras e Eutidemo”, in HYPNOS, São Paulo, v. 39, 2º sem., 2017, p. 288-310

_______., DE CASTRO, Murilo. “Vocação, Ressonância do Ser-aí”, in Educação: Teoria e Prática, Rio Claro, SP, v. 28, n.58, 2018, p. 339-356. https://doi.org/10.18675/1981-8106.vol28.n58.p339-356

ERNOUT, Alfred, MEILLET, Alfred. Dictionnaire étymologique de la langue latine. Paris: Klincksieck, 2001.

GREISCH, Jean. Ontologie et temporalité. Paris: PUF, 1994. https://doi.org/10.3917/puf.greis.1994.01

HEIDEGGER, Martin. Sobre o humanismo. Trad. Emmanuel Carneiro Leão. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1995.

_______. Heráclito. Trad. Márcia Schuback. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1998.

_______. Ensaios e Conferências. Petrópolis: Vozes, 2002.

_______. Marcas do Caminho. Tr. Enio Paulo Giachini e Ernildo Stein. Petrópolis: Vozes, 2008.

_______. Basic Concepts of Aristotelian Philosophy. Bloomington: Indiana University Press, 2009.

_______. A Origem da Obra de Arte. Tr. Idalina Azevedo e Manuel Antônio de Castro. São Paulo: Edições 70, 2010.

_______. Ser e Tempo. Trad. Fausto Castilho. Petrópolis: Vozes, 2012a.

_______. Platão: o sofista. Trad. Marco Antonio Casanova. Rio de Janeiro: Forense, 2012b

_______. Ser e Tempo. Trad. Márcia Schuback. Petrópolis: Vozes, 2015.

MONTET, Danielle. Les Traits de l’être, Grenoble: Jerôme Millon, 1990.

Downloads

Publicado

2021-02-23

Como Citar

de Castro, J. C., & Cardoso de Castro, M. (2021). O que professa uma profissão?. EDUCAÇÃO E FILOSOFIA, 34(70), 355–374. https://doi.org/10.14393/REVEDFIL.v34n70a2020-49148